PUBLICIDADE
Topo

ANÁLISE

Texto baseado no relato de acontecimentos, mas contextualizado a partir do conhecimento do jornalista sobre o tema; pode incluir interpretações do jornalista sobre os fatos.

Até onde vai o Lula Paz e Amor na batalha das rejeições?

O ex-presidente Lula e a socióloga Rosângela Silva, a Janja, cortam o bolo do casamento, em São Paulo - Ricardo Stuckert
O ex-presidente Lula e a socióloga Rosângela Silva, a Janja, cortam o bolo do casamento, em São Paulo Imagem: Ricardo Stuckert

Alberto Bombig

Colunista do UOL

23/05/2022 12h04Atualizada em 23/05/2022 13h09

Esta é a versão online da edição de segunda-feira (23) da newsletter UOL nas Eleições 2022, que traz destaques semanais e notícias dos bastidores da política. Para assinar o boletim e recebê-lo diretamente no seu email, cadastre-se aqui. Para receber outras newsletters gratuitas ou outros boletins exclusivos, assine o UOL.

Enquanto uma parte da oposição a Jair Bolsonaro permanece torporizada pelos prolongados efeitos das simbólicas bodas de Lula, ou seja, ainda vivendo em clima lua-de-mel com a liberdade de ir, de vir e de ser feliz que o petista readquiriu, como se essa condição bastasse para sua vitória nas urnas, a outra metade não consegue escapar dos feitiços retóricos lançados pela extrema direita e acaba fisgada por polêmicas que só interessam ao presidente da República.

Sem falar no autodenominado "centro democrático", consumido em disputas fratricidas e, por ora, desprovido de projetos e de massa crítica. Assim, o presidente segue impondo sua agenda, atacando diuturnamente os adversários e ditando o ritmo do jogo.

Em termos estritamente eleitorais, a empreitada bolsonarista está facilitada porque o PT de Lula atravessa fase de transição em sua comunicação desde a troca do marqueteiro Augusto Fonseca por Sidônio Palmeira. Na prática, ao menos até aqui, pouca coisa mudou nas últimas semanas no marketing lulista, os petistas parecem não compreender que a chave para combater Bolsonaro está no segundo semestre do ano passado, quando o presidente viveu seu pior período de popularidade, segundo as pesquisas.

Naquela ocasião, acossado no Congresso pela CPI da Covid e nas ruas pelas manifestações populares, o governo Bolsonaro bateu, na série da pesquisa nacional Genial/Quaest de outubro, por exemplo, 53% de avaliação negativa, 24% de regular e apenas 20% de positivo. Desde então, a gestão do presidente vem lentamente saindo das cortas. Transcorridos quase sete meses, na mesma série, os números deste maio são 46%, 27% e 25%, respectivamente. Uma melhora evidente.

O time da comunicação de Lula tem reunião marcada para esta semana, quando ex-presidente também retoma seus compromissos a após pausa nupcial. Os novos coordenadores da área de comunicação, Rui Falcão e Edinho Silva, políticos experientes, com várias eleições no currículo e sensibilidade para a dinâmica eleitoral, certamente sabem que a campanha de Lula a presidente, em linhas gerais, precisa se assentar em três pilares: 1) convencer o eleitor de que o governo Jair Bolsonaro é ruim, assim como o presidente; 2) convencer o eleitor de que com lula a vida dos brasileiros pode melhorar; 3) pontuar as diferenças entre os dois oponentes.

Os pilares 1 e 3 costumam se conectar quando as campanhas reforçam o que há de negativo em seus adversários. Em uma eleição polarizada como esta, a batalha das rejeições é muito importante, alertam pesquisadores e marqueteiros. Além disso, segundo o cientista Felipe Nunes, CEO da Quaest , "eleitores de renda média que não acreditam mais na vitória da terceira via estão voltando para a órbita do presidente". Para ele, ainda há espaço para Bolsonaro continuar crescendo.

Isso significa que, para uma parcela do eleitorado, estão ficando para trás, esquecidas na memória, as mazelas do governo (aquelas de outubro do ano passado) e o comportamento do indecoroso do presidente. No tempo presente, Bolsonaro vai dissolvendo os (muitos) problemas da atualidade em sua mistura diária de golpismo, cortina de fumaça e guerra cultural, que monopoliza o noticiário e pauta o debate nacional.

Foi assim com a recente "notícia-crime" de Bolsonaro contra o ministro Alexandre Moraes. O presidente da República tentou transformar em investigado o juiz que comanda inquéritos em que ele, Bolsonaro, é investigado. Não deu certo. Porém, enquanto durou o caso, a inflação, a fome e o desemprego ficarem fora do debate, ainda mais em uma semana em que Lula esteve ocupado com seu casamento com a socióloga Janja. Os colunistas do UOL comentaram o significado do casamento no Radar das Eleições.

Se o PT ainda não entendeu a importância de trabalhar para aumentar a rejeição a Bolsonaro, as redes bolsonaristas trabalham dia e noite para manter Lula sob ataque constante. Por isso, vale sempre lembrar que, com Bolsonaro como adversário principal do petista, a vitoriosa fórmula do "Lulinha Paz e Amor", de 2002, tem tudo para transformar o ex-presidente em uma caricatura do que ele já foi um dia. Até porque ele não é o mesmo candidato daquela distante eleição. No meio do caminho, houve um mensalão, uma Lava Jato um governo Dilma Rousseff. Não é preciso dizer mais muita coisa nesse sentido: um prato cheio para o bolsonarismo, que não passa uma semana sem chamar Lula de "ladrão".

Em termos eleitorais (avaliação dos candidatos, não do governo), enquanto o índice de rejeição do pré-candidato Bolsonaro melhorou na série da Quaest, o do ex-presidente petista, entre oscilações na margem de erro, está hoje parado nos mesmos 43% de outubro do ano passado. De lá pra cá, Bolsonaro, que atingiu 67% de rejeição em novembro passado, baixou para os atuais 59% do mais recente levantamento, neste mês de maio. O Agregador de Pesquisas do UOL confirma o viés de alta do presidente desde o final do ano passado, registrado também pelo Instituto Datafolha em março último.

O novo comando de comunicação de Lula tem de analisar com seriedade a evolução diária dos números para não deixar Bolsonaro correr solto. A meta da pré-campanha do presidente é baixar a rejeição dele em julho, quando a campanha iniciará sua fase decisiva.

O PT, portanto, precisa se organizar agora, profissionalizar sua comunicação, especialmente nas redes sociais, e colocar um ponto final nas disputas internas. Precisa falar de pandemia, de inflação e, segundo especialistas, sublinhar as "peculiaridades" do presidente, seu gosto excessivo pelos passeios e viagens, e sua insensibilidade diante dos milhares de mortos da pandemia.

Em março último, Lula escreveu no Twitter: "O Lula que está falando com vocês é o paz e amor. Porque um país tem de ser governador com a razão, mas também com o coração". Neste domingo, 22, ele fez outro post na mesma linha: "O Brasil precisa de emprego, salário digno, saúde, educação. E pra isso precisamos de alguém que governe falando de amor, de solidariedade, não de ódio". Agora, é hora de perguntar: até onde Lula vai seguir nessa toada?

Quem enxerga longe e entende do riscado alerta: se a rejeição a Bolsonaro não voltar a subir e se a rejeição a Lula não baixar, há a probabilidade de os dois chegarem com uma diferença pequena nas pesquisas da véspera da eleição. Como o próprio presidente faz questão de lembrar todos os dias, esse cenário aumentará os riscos de uma eleição conflagrada.

O QUE MAIS VOCÊ PRECISA SABER

SEM CLIMA
Jilmar Tatto, secretário de comunicação do PT, não vive um bom momento no partido. Após ter sido afastado da pré-campanha de Lula, ele foi empurrado para o time de Fernando Haddad, porém, a contragosto do pré-candidato petista ao Palácio dos Bandeirantes.

TAPETÃO NA CÂMARA
É grande a expectativa no meio político sobre o destino de Marcelo Ramos (PSD-AM), a ser definido nesta semana. Segundo informações de bastidores, o vice-presidente da Câmara dos Deputados deverá ser mais uma vítima das arbitrariedades do bolsonarismo e de seus operadores.

Isso porque o presidente da Câmara, Arthur Lira (Progressistas-AL), pode publicar o ato afastando Ramos do cargo para qual ele foi eleito por seus pares no ano passado. Se isso acontecer, uma decisão judicial, do STF, será desrespeitada, algo que já está virando praxe em Brasília. O ministro Alexandre de Moraes concedeu uma liminar para manter Ramos como vice-presidente da Câmara após o PL, antigo partido do atual vice, ter se levantado contra o parlamentar para reaver o cargo.

A ver como Lira vai se comportar em mais esse embate com o Supremo.

ERRO ESTRATÉGICO DE JOÃO DORIA?
A semana também será importante para o PSDB e os demais partidos da chamada terceira via. Aliados e ex-aliados de João Doria dizem que ele foi alertado inúmeras vezes, ainda quando ocupava a cadeira de governador de São Paulo, de que deveria insistir na candidatura própria pelo PSDB e não aceitar a coligação de partidos proposta pelo MDB, o Cidadania e a União Brasil (que já pulou fora).

Doria não teria dado ouvidos. "Se lá adiante eu tiver que oferecer meu apoio para que o Brasil não tenha mais essa triste dicotomia, do pesadelo de ter Lula e Bolsonaro, eu estarei ao lado daquele ou de quantos forem os que serão capacitados para oferecer uma condição melhor para o Brasil", disse Doria em fevereiro deste ano, durante um evento do banco BTG Pactual. O gesto diminuiu o poder do ex-governador dentro do próprio PSDB.

Mas é inegável que as prévias, vencidas por Doria, foram realizadas e chanceladas pelo PSDB. Agora, das duas, uma: ou ela foi irregular e deveria ter sido denunciada no mesmo dia, ou ela foi feita do jeito correto e o partido se comprometeu com o cumprimento de seu resultado. Ou seja, não havia uma saída fácil. A renúncia de Doria da pré-candidatura resolve, ao menos momentaneamente, a questão.

A FORÇA DE LULA NA BAHIA
A mais recente pesquisa Genial/Quaest mostra um cenário preocupante para o PT na Bahia, porém, indica que o maior colégio eleitoral do Nordeste ainda pode ser um porto seguro para Lula. Se o ex-presidente entrar de cabeça na campanha de Jerônimo Rodrigues, o pré-candidato petista pode chegar a 34% da preferência do eleitorado.

Por ora, no entanto, Rodrigues come poeira, atrás de ACM Neto (União Brasil), que tem 65% da preferência do eleitorado, contra 6% de Rodrigues e 5% de João Roma (Republicanos). Kleber Rosa (PSOL) tem 1%. Esta semana, a série de sábatinas UOL/Folha entrevistará os pré-candidatos ao governo da Bahia.