PUBLICIDADE
Topo

Caso é complexo, não é culpa do governador, diz Castro sobre Marielle

Colaboração para o UOL

20/05/2022 16h32Atualizada em 20/05/2022 16h38

Pré-candidato à reeleição no Rio de Janeiro, o governador Cláudio Castro (PL) disse que o caso Marielle Franco —em que a vereadora carioca foi assassinada com o motorista Anderson Gomes há quatro anos— é complexo e, por isso, ainda não foi elucidado. Além disso, o chefe do Executivo estadual justifica a demora dizendo que a polícia estava sucateada quando assumiu o mandato, após a cassação de Wilson Witzel (PSC).

"Tenho muito interesse em solucionar esse caso. Quando peguei a polícia, ela estava sucateada. Como você tem quantidade de elucidação de crimes com polícia sem um computador decente? Temos trabalhado para recuperar a Polícia Civil. Esse caso será elucidado, sim, como vários outros. É um caso muito complexo", afirmou.

"Qualquer promessa que eu faça aqui será eleitoreira. Em quatro anos, [sou o] terceiro governador [à frente do Rio neste caso]. Não é culpa do governador, o caso é que é extremamente complexo."

Pesquisa Datafolha

Segundo pesquisa Datafolha divulgada em abril, há um empate técnico na liderança entre o deputado federal Marcelo Freixo e o atual governador, Cláudio Castro (PL).

O terceiro lugar traz oito candidatos tecnicamente empatados: Anthony Garotinho (União Brasil), com 7%; Rodrigo Neves (PDT), com 5%; Eduardo Serra (PCB), com 4%; General Santos Cruz (Podemos), também com 4%; Cyro Garcia (PSTU), com 3%; André Ceciliano (PT), com 2%; Felipe Santa Cruz (PSD), com 2%; e Paulo Ganime (Novo), que tem 1% das intenções de voto.

A margem de erro é de três pontos percentuais, para mais ou para menos.

Os entrevistadores são os colunistas Kennedy Alencar e Chico Alves, do UOL, e Italo Nogueira, repórter da Folha.

Nas próximas semanas, também serão feitas sabatinas com candidatos ao governo do Paraná, Pernambuco, Ceará, Bahia e Rio Grande do Sul.