PUBLICIDADE
Topo

Bombig: Doria quer usar desunião regional do MDB contra Simone Tebet

Colaboração para o UOL, em São Paulo

19/05/2022 19h24

O ex-governador de São Paulo João Doria busca apoio para o lançamento de sua candidatura à Presidência dentro do MDB, partido que tem a senadora Simone Tebet (MS) como pré-candidata. As informações são do colunista do UOL Alberto Bombig.

Doria faltou à reunião da cúpula da sigla marcada para ontem, que deveria pressioná-lo a desistir de concorrer ao cargo em favor de Tebet. PSDB, MDB e Cidadania anunciaram para a próxima terça-feira (24) a revelação do nome escolhido para representar a chamada terceira via. Antes disso, o ex-governador deve se reunir com potenciais aliados no MDB, apurou Bombig.

"[Doria] vai tentar usar a desunião do MDB, os interesses regionais, para buscar algum apoio", disse o jornalista, durante participação no UOL News. "É provável que amanhã ele esteja com Marconi Perillo, ex-governador de Goiás."

Segundo Bombig, Doria vai começar a procurar estados onde tucanos vão ter o MDB como adversário para tentar "inverter o jogo por dentro" — ou seja, colocar, dentro do MDB, algum obstáculo para que a Simone Tebet não seja candidata ao Planalto.

O colunista do UOL ainda ressaltou como a "novela do PSDB" com o ex-governador paulista está mudando a percepção do tucano entre os eleitores. "Desde ontem, eu vejo muita gente dizendo: 'o Doria venceu as prévias legitimamente'; dizerem 'estou com dó de João Doria'. Não é pouca gente não."

Após a reunião de ontem em Brasília, os presidentes do PSDB, MDB e Cidadania afirmaram que já têm o nome consensual para uma candidatura única, mas marcaram a divulgação para semana que vem para discussão interna nas siglas.

Segundo explicaram os dirigentes, o consenso foi alcançado após a revelação de uma pesquisa encomendada pelos partidos para sondar as chances de um nome de terceira via.

Doria, segundo as informações de Bombig, tem dito que não viu os resultados dessa pesquisa.

"Ele está batendo nessa tecla que não viu os números, não teve acesso, que o marqueteiro dele, Lula Guimarães, também não viu", disse o jornalista."O que aumenta a ideia de que foi uma arapuca montada para puxar o tapete do João Doria."

Assista ao UOL News na íntegra: