PUBLICIDADE
Topo

Cláudio Castro diz que ida de Freixo em igreja é 'oportunismo' eleitoral

O deputado federal Marcelo Freixo (à esquerda) e o governador do Rio de Janeiro, Cláudio Castro (à direita) - Marina Ramos/Câmara dos Deputados e Wallaca Silva/Fotoarena/Estadão Conteúdo
O deputado federal Marcelo Freixo (à esquerda) e o governador do Rio de Janeiro, Cláudio Castro (à direita) Imagem: Marina Ramos/Câmara dos Deputados e Wallaca Silva/Fotoarena/Estadão Conteúdo

Do UOL, em São Paulo

17/05/2022 21h27Atualizada em 17/05/2022 21h40

O governador do Rio de Janeiro, Cláudio Castro (PL), disse hoje que a ida do deputado federal Marcelo Freixo (PSB), pré-candidato ao governo do estado, em igreja mostra "oportunismo" eleitoral por parte do rival no pleito deste ano.

Chamando o deputado de "muito bom de papo e ruim de serviço", Castro, que é apoiador do presidente Jair Bolsonaro (PL) e tentará a reeleição ao cargo, criticou a ida de Freixo à igreja. O deputado concedeu entrevista ao jornal O Globo e afirmou que sua aproximação com igrejas e economistas liberais não é "forçada".

"Ir à igreja não é pecado, mas se aproximar do povo de Deus por conta das eleições é OPORTUNISMO", começou o governador. Castro ainda completou marcando o deputado federal em seu tuíte e disparando que "os cristãos sabem bem quem é o defensor do aborto". Freixo ainda não respondeu ao governador.

Na entrevista, Freixo criticou o governador Cláudio Castro. "É mais um Sérgio Cabral. Anda de helicóptero e faz festa que só falta o guardanapo".

"O que Bolsonaro e Cláudio Castro representam no Brasil e no Rio, mais do que uma aliança política, é uma sociedade miliciana. A milícia está para o Rio assim como o garimpo está para o Brasil: arma, crime ambiental, violência, ilegalidade e exploração. É um projeto que ameaça as instituições. A eleição de 2022 servirá para derrotarmos o fascismo no Brasil", afirmou o deputado.

A pesquisa Genial/Quaest para o governo do Rio de Janeiro, divulgada hoje, mostra Cláudio Castro com 25% das intenções de voto, seguido por Marcelo Freixo com 18%. A margem de erro é de 2,8%.

Entrevista de Freixo

Em entrevista ao jornal, o pré-candidato do PSB foi questionado sobre sua presença em uma reunião de obreiros na Assembleia de Deus de Madureira. Em campanhas anteriores, Freixo não cumpriu agenda em igrejas e cultos.

Primeiro que ir à igreja não é pecado. E segundo que é fundamental hoje dialogar com todas elas para criar uma relação com a juventude nos territórios desiguais do Rio.
Marcelo Freixo, pré-candidato ao governo de SP

"A igreja faz o cara parar de beber, parar de bater na mulher. Faz o dinheiro ser mais bem aproveitado por uma família", acrescentou Freixo em entrevista ao jornal O Globo. "Essa experiência positiva da igreja a gente quer."

Em relação ao apoio das principais lideranças evangélicas a Jair Bolsonaro (PL), Freixo ponderou que a esquerda "não conseguiu acompanhar o significado do crescimento das igrejas evangélicas". Ele associou o crescimento das igrejas evangélicas com o abandono do poder público e a desigualdade social.