PUBLICIDADE
Topo

Santos Cruz ganha força no Podemos e deve ser pré-candidato ao Planalto

Ex-ministro da Secretaria de Governo do presidente Jair Bolsonaro, o general Carlos Alberto dos Santos Cruz é o nome mais forte dentro da sigla para concorrer ao Planalto - Marcello Casal Jr/Agência Brasil
Ex-ministro da Secretaria de Governo do presidente Jair Bolsonaro, o general Carlos Alberto dos Santos Cruz é o nome mais forte dentro da sigla para concorrer ao Planalto Imagem: Marcello Casal Jr/Agência Brasil

Weudson Ribeiro

Colaboração para o UOL, em Brasília

26/04/2022 21h10

A Executiva Nacional do Podemos deve anunciar o nome do general da reserva do Exército Carlos Alberto dos Santos Cruz como pré-candidato à Presidência da República. A expectativa é que a decisão seja tomada em reunião a ser realizada nesta quarta-feira (27) com congressistas e lideranças da sigla, em Brasília.

A aposta da legenda é que o militar seja capaz de atrair parte do eleitorado do presidente Jair Bolsonaro (PL), assim como dirigentes do partido projetavam que ocorreria com o ex-ministro Sergio Moro, que trocou o Podemos pelo União Brasil no fim de março.

Além disso, pesa o fato de os perfis de Santos Cruz e Moro serem vistos como similares: ambos são ex-ministros que se tornaram críticos do atual governo. Segundo avaliação de interlocutores do partido consultados pelo UOL, a vantagem do militar em relação ao ex-juiz é o traquejo político e a desenvoltura em discursos, entrevistas e debates.

No encontro desta quarta, liderado pela deputada federal Renata Abreu, os integrantes da sigla debaterão metas eleitorais e formas de fortalecer candidaturas femininas, que têm ganhado destaque na legenda desde escândalos protagonizados pelo ex-deputado Arthur do Val (União Brasil), que deixou o Podemos depois de áudios em que ele fazia comentários sexistas sobre mulheres ucranianas terem sido vazados.

De olho na 'terceira via'

O general Santos Cruz colocou seu nome à disposição da sigla para concorrer ao Planalto depois de Moro ter deixado o partido. Internamente, Renata Abreu defende que a sigla tenha candidatura própria nas eleições presidenciais deste ano. Além disso, a dirigente descarta a possibilidade de declarar apoio a Bolsonaro, mesmo em eventual segundo turno contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

Uma ala do Podemos defende uma coalizão com a chamada terceira via, bloco político que busca fazer frente contra Bolsonaro e Lula. Nesse campo, estão no páreo a senadora Simone Tebet (MDB-MS), o deputado federal Luciano Bivar (União Brasil-PE) e o ex-governador de São Paulo João Doria (PSDB). O grupo deve anunciar candidatura única em 18 de maio.