PUBLICIDADE
Topo

Lula-Alckmin: Diretório do PT aprova alianças eleitorais com ex-adversários

19 dez. 2021 - Geraldo Alckmin (sem partido), ex-governador de São Paulo, e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) se cumprimentam no restaurante A Figueira Rubaiyat, em São Paulo, durante o jantar do grupo Prerrogativas - Ricardo Stuckert/Imprensa Oficial de Luiz Inácio Lula da Silva/AFP
19 dez. 2021 - Geraldo Alckmin (sem partido), ex-governador de São Paulo, e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) se cumprimentam no restaurante A Figueira Rubaiyat, em São Paulo, durante o jantar do grupo Prerrogativas Imagem: Ricardo Stuckert/Imprensa Oficial de Luiz Inácio Lula da Silva/AFP

Colaboração para o UOL

24/03/2022 20h14Atualizada em 24/03/2022 20h26

O PT aprovou, hoje, resolução que defende aliança política com ex-adversários do partido. A permissão aparece em meio à negociação, dada como praticamente selada nos bastidores, para o ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin - que trocou o PSDB pelo PSB - ocupar a vice do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva na disputa presidencial.

"Quem outrora não esteve conosco é mais do que bem-vindo a participar deste movimento que devolverá a cadeira de presidente da República ao povo brasileiro", diz trecho do comunicado divulgado pelo PT.

Essa união teria como bem maior impedir que Jair Bolsonaro (PL) se reeleja presidente da República. "Para derrotar o bolsonarismo é preciso dar uma resposta de unidade da sociedade brasileira. Uma unidade que tem seu conteúdo baseado no enfrentamento ao ódio, às desigualdades, à política genocida e à depredação ambiental de um governo que, em três anos, só promoveu destruição e retrocessos."

Sem citar o nome de Alckmin, o comunicado diz que a unidade deve estar presente desde as candidaturas principais.

"A candidatura de Lula deverá trazer, já na composição da chapa de presidente e vice-presidente, a ampliação e a unidade que se espera das forças de oposição ao governo nesta quadra da história, respeitando os compromissos programáticos antineoliberais."

O texto ainda cita a federação do PT com PCdoB e PV e defende a união entre PSOL e Rede. "Ainda seguiremos dialogando com os outros partidos de oposição ao governo Bolsonaro no sentido da ampliação do campo de apoio à candidatura de Lula."

No início deste mês, PT, PCdoB e PV já haviam comunicado a federação partidária.

Alckmin elogia Lula em filiação ao PSB

O ex-governador Geraldo Alckmin se filiou nesta quarta-feira (23) ao PSB após passar mais de 30 anos no PSDB, com a perspectiva de ser candidato a vice do ex-presidente Lula (PT) e afirmou que o petista representa a "esperança".

"Temos que ter os olhos abertos para enxergar, a humildade para entender que ele [Lula] é hoje o que melhor reflete e interpreta o sentimento de esperança do povo brasileiro. Aliás, ele representa a própria democracia porque ele é fruto da democracia", disse o ex-tucano.

Além de fazer elogios ao ex-chefe do Executivo, Alckmin também lembrou as disputas eleitorais que teve com o petista.

"Alguns podem estranhar. Eu disputei com o presidente Lula a eleição em 2006 e fomos para o segundo turno, mas nunca colocamos em risco a questão democrática, nunca. O debate era de outro nível, nunca se questionou a democracia".