PUBLICIDADE
Topo

Conversa de Portão #37: Nenhum ser humano é ilegal

Mais Conversa de Portão
1 | 25

De Ecoa, em São Paulo

22/06/2021 06h00

A pandemia de covid-19 trouxe um desafio ainda maior para a população migrante no Brasil. Essa população que comumente já sofre com a discriminação e o preconceito por suas origens, enfrenta dificuldade de atendimento médico, e acabou caindo em um limbo da legislação que os impediu de ter acesso ao auxílio emergencial do governo federal.

O Conversa de Portão falou com a boliviana Jobana Moya, de origem indígena quéchua, para saber dos problemas que tem enfrentado. Ela conta que desde que chegou ao Brasil sentiu xenofobia e discriminação e muita dificuldade com o idioma porque a maioria do sistema público só tem atendimento em português (a partir de 2:03 do arquivo acima).

Jobana pensou em desistir do país ou em se anular para evitar o preconceito. "Nós temos dois caminhos: ou a gente se acultura, tenta ocultar qualquer rastro de nossa cultura para passar desapercebido e não sofrer discriminação, ou, como é o meu caso, você se afirma em sua identidade cultural" (a partir de 4:04 do arquivo acima).

Ela seguiu o segundo caminho e, em 2013, criou Equipe de Base Warmis, um grupo formado por mulheres migrantes de diversas etnias. É um dos primeiros coletivos de migrantes do país com atendimento intercultural nos equipamentos públicos.

Ela conta que uma das principais preocupações do grupo é esclarecer que nenhum migrante é ilegal. "Temos que falar em pessoas em situação regular ou irregular, porque ninguém está nessa situação porque quer, trata-se de um processo burocrático, que demora" (a partir de 8:00 do arquivo acima).

Com a pandemia, muitos desses migrantes em situação irregular não conseguiram ter acesso a atendimento médico adequado. No sistema de saúde, segundo Jobana, muitos funcionários não sabem que o acesso é universal a qualquer cidadão, independente de ter o seu documento.

"Não conseguimos saber quantos migrantes foram e estão sendo vítimas de covid porque não se preenche a nacionalidade nas fichas, nós não podemos marcar nossas origens", diz Jobana. "Se você não sabe quem está no seu território, não vai construir políticas públicas, não vai atender a essa demanda (a partir de 15:10 do arquivo acima).

O Conversa de Portão é um podcast produzido pelo Nós, Mulheres da Periferia em parceria com UOL Plural, um projeto colaborativo do UOL com coletivos e veículos independentes. Novos episódios são publicados toda terça-feira.

Os podcasts do UOL estão disponíveis em uol.com.br/podcasts e em todas as plataformas de distribuição. Você pode ouvir Conversa de Portão, por exemplo, no Youtube, no Spotify e no Google Podcasts.