PUBLICIDADE
Topo
Saúde

Saúde

Campanha levanta quase R$1 mi para enviar incubadoras para bebês na Ucrânia

Jane Chen, cofundadora do Embrace, ONG que está enviando incubadoras para a Ucrânia - Fernanda Ezabella/UOL
Jane Chen, cofundadora do Embrace, ONG que está enviando incubadoras para a Ucrânia Imagem: Fernanda Ezabella/UOL

Fernanda Ezabella

Colaboração para Ecoa, de Vancouver (CAN)

26/04/2022 06h00

Uma campanha online para enviar 3 mil incubadoras portáteis à Ucrânia quer ajudar hospitais e futuras mães a cuidar de seus bebês enquanto o país luta contra forças russas invasoras.

Mais de 4 mil bebês nasceram na Ucrânia desde o início da guerra, em fevereiro, e 80 mil mulheres devem dar à luz nos próximos três meses no país, de acordo com agências internacionais.

"Oxigênio e suprimentos médicos, inclusive para o tratamento de complicações na gravidez, estão perigosamente baixos", alerta um documento assinado em conjunto pela Unicef, Organização Mundial da Saúde e Unfpa, agência das Nações Unidas focada em saúde reprodutiva e materna.

A organização sem fins lucrativos Embrace Global, que em 2014 recebeu doações da fundação de Beyoncé, já mandou via Unicef 300 incubadoras à Ucrânia e espera enviar outras 3 mil com ajuda da campanha online.

A primeira fase, que começou na semana passada e queria arrecadar US$ 100 mil, já ultrapassou a meta com US$ 190 mil. Agora, o grupo que juntar ainda mais para distribuição dos itens.

A incubadora de baixo custo funciona como um saco de dormir, com uma bolsa de aquecimento feita de uma substância semelhante à cera que, quando derretida, mantém uma temperatura constante de 37 graus por até oito horas seguidas. A bolsa pode ser reaquecida milhares de vezes, criando um microambiente quente para o bebê.

"A taxa de partos prematuros mais que dobrou nas principais cidades do país por causa do estresse da guerra. Mães estão dando à luz em abrigos anti-bomba porque hospitais foram destruídos", disse a Ecoa a cofundadora do Embrace, Jane Chen, durante um evento no TED, que acontece em Vancouver em abril.

"E não há equipamento médico suficiente nesses abrigos, a situação é crítica. E nossas incubadoras são uma ótima solução por serem portáteis e muito fáceis de usar. Não requer eletricidade estável, apenas a cada oito horas, e temos uma versão baseada em água quente."

A executiva explicou que as incubadoras são fabricadas na Índia e custam cerca de US$ 300 (R$ 1,5 mil) cada, contra uma incubadora tradicional de US$ 20 mil (R$ 98 mil).

Em 2014, com uma doação de US$ 125 mil de Beyoncé, a Embrace levou cerca de 2 mil incubadoras portáteis para um teste em nove países da África. Desde então, 350 mil bebês em 22 países já se beneficiaram do projeto.

Saúde