PUBLICIDADE
Topo
Meio ambiente

Meio ambiente

'Navio de guerra' ambiental de ONG faz primeira visita ao Brasil; veja

Ocean Warrior: navio poderá ser visitado pela primeira no Brasil, no Rio de Janeiro - Jake Parker/Divulgação
Ocean Warrior: navio poderá ser visitado pela primeira no Brasil, no Rio de Janeiro Imagem: Jake Parker/Divulgação

Marcos Candido

De Ecoa, em São Paulo (SP)

30/03/2022 06h00

Pela primeira vez, um navio usado para destruir embarcações ilegais de pesca predatória está atracado no Brasil, com passagens previstas por Ilhabela (SP) e Rio de Janeiro (RJ). Segundo a ONG Sea Shepherd, o "Ocean Warrior" (Guerreiro do Oceano) tem 50 metros de comprimento, 9 metros de largura e um canhão de água. Não à toa, o navio é um instrumento da organização ambiental com métodos incomuns.

O fundador Paul Watson defende a disposição para "dar a vida" pelas espécies do oceano. Para isso, a ONG lança jatos d'água, colide e usa ganchos contra barcos e navios de pesca considerados ilegais pela instituição e por autoridades locais.

O encouraçado Ocean Warrior será usado como método de educação ambiental entre os dias 30 de março a 3 de abril e entre 6 e 10 de abril na Marina da Glória, no Rio de Janeiro. É guiado pela capitã espanhola Mar Casariego, 29, e há instrutores para uma visita guiada. Em março, o navio esteve nas cidades paulistas de Ilhabela e São Sebastião. Para realizar as visitas gratuitas é preciso se inscrever pela internet.

"Sempre pergunto para os voluntários se eles estão dispostos a arriscar a vida por uma baleia", disse o canadense para Ecoa em reportagem publicada em janeiro deste ano. "Muita gente diz que é insensato. Eu digo que não. Nós não vivemos em mundo onde pedimos para os jovens arriscarem a vida pela propriedade, por bandeiras, estados, religiões?"

Anthony Kiedis, do Red Hot Chilii Peppers, com o capitão Paul Watson - Reprodução/Divulgação - Reprodução/Divulgação
O capitão Paul Watson hoje; já procurado pela Interpol, não retornou ao Canadá, país natal
Imagem: Reprodução/Divulgação

A ação direta aumentou a popularidade da organização do ex-membro do Greenpeace, mas Paul foi procurado e preso pela Interpol na Alemanha, a pedido de uma chave de braço com o governo da Costa Rica. Onze embarcações foram afundadas pela Sea Shepherd e seus navios. Segundo Watson, nenhum marujo ficou ferido. Muitos famosos apoiam a instituição criada no final dos anos 1970, como Anthony Kiedis, vocalista do Red Hot Chilli Peppers, e o ator britânico Christian Bale.

A Sea Shepherd possui uma divisão no Brasil, mas dedicada a pesquisas sobre a vida nos rios, limpeza de praias e campanhas em prol das espécies marinhas. Há voluntários e pesquisadores em todo o país, diz a instituição. "A vinda do Ocean Warrior demonstra o compromisso da Sea Shepherd com os voluntários, apoiadores e fãs", diz a diretora executiva da Sea Shepherd Brasil, Nathalie Gil.

Em 2021, a ONG mapeou botos e tucuxis, vivos e mortos, no rio Amazonas, no estado do Amazonas. No final do ano passado, a prefeitura de Santos, no litoral paulista, baniu o cação (ou carne de tubarão) nas merendas escolares após campanhas da instituição.

Ocean Warrior (foto) estará pela primeira vez no Brasil: navio tem canhão d'água e é reforçado para batalhas navais - Jake Parker/Divulgação - Jake Parker/Divulgação
Ocean Warrior (foto) estará pela primeira vez no Brasil: navio tem canhão d'água e é reforçado para batalhas navais
Imagem: Jake Parker/Divulgação

Meio ambiente