PUBLICIDADE
Topo

Amigos fazem vaquinha para reparar moto de entregador após acidente

Tawan Gomes (de regata) e os amigos ao receber a moto - Arquivo pessoal
Tawan Gomes (de regata) e os amigos ao receber a moto Imagem: Arquivo pessoal

Ed Rodrigues

Colaboração para Ecoa, do Recife (PE)

25/10/2021 06h00

"Era só mais um dia de trampo" para o motoboy Tawan Gomes, 23, que trabalha como entregador de um restaurante japonês, em São Paulo. O jovem, no entanto, envolveu-se em um acidente de trânsito que o mandou para o hospital e danificou severamente sua motocicleta, que é a principal ferramenta para prover o sustento da família.

Tawan acordou na unidade de saúde sem se lembrar de nada, mas logo teve a notícia do estado no qual o veículo se encontrava. A angústia de ficar sem saber como ganharia dinheiro logo desapareceu graças à amizade.

É que um grupo com cerca de 40 motoboys amigos do jovem se juntou para custear a motocicleta de Tawan e fez uma surpresa ao colega recém-saído do hospital. A boa ação foi recebida por ele com gratidão e muito choro.

"Fiquei sabendo que minha moto tinha estragado muito. Não deu perda total. Mas sem trabalhar não dava para consertar, e eu trabalho com ela. Comecei a pensar nas contas e em como iria arrumar a moto. Dava vontade de chorar quando pensava em como ia sustentar minha filha, porque a moto é meu ganha-pão. Minha filha tem três anos e precisa de mim. Tem as coisas dela, as coisas da casa... Não conseguia tirar isso da cabeça", explicou a Ecoa.

Tawan havia pagado apenas duas parcelas do veículo, o que o preocupou ainda mais. "Eu só pensava em como resolver isso tudo. Aí, minha esposa me convidou para ir ao bar me distrair um pouco. A gente estava lá de boas e do nada começou um barulho de motos na rua. Pensei que era uns caras dando rolé na cidade. Acho que tinha mais de 50 motos. Eu disse: nossa, que rolezão. Pararam na frente do bar e uma moto entrou. Entrou no bar mesmo e veio na minha direção. Vi que era a minha moto por causa da bolsa que eu usava. Não aguentei, caí no choro", contou.

O acidente ocorreu no início de outubro, na cidade de Itaberá, a 409 km de São Paulo. Tawan estava fazendo entrega num domingo à noite e chovia muito. Já passava das 19h e ele estava na terceira entrega quando desceu uma avenida e foi surpreendido por um carro.

Aconteceu tudo tão rápido que, conta ele, só deu tempo de frear. O jovem ficou duas semanas andando de muletas e se lembra apenas do momento em que saiu do restaurante.

"Cara, quando acordei nem estava tão preocupado com a moto por causa da minha saúde. Mas depois... Só sei que tem um vídeo que mostra o momento do acidente e que eu não tive culpa. Passei pouco tempo pensando no problema todo porque Deus é grande. Os amigos ajudaram e minha moto ficou top. Nem tenho palavras para agradecer ao pessoal. Espero que Deus abençoe a todos que ajudaram com a vaquinha. Cada um deu um pouco e me ajudou muito", agradeceu.

A campanha para restaurar o "ganha-pão" do motoboy foi capitaneada por outros motoboys. Laércio Pereira e mais quatro amigos se sensibilizaram com a situação de Tawan e iniciaram uma corrida solidária.

Motoboys se uniram para consertar moto de colega após acidente - Arquivo pessoal - Arquivo pessoal
Motoboys se uniram para consertar moto de colega após acidente
Imagem: Arquivo pessoal

O grupo se organizou para fazer uma vaquinha na segunda-feira após o acidente. A parceria entre os motoboys foi tanta que a conta para reparar a moto fechou antes de o dia acabar.

"Ele é de família humilde. Então, resolvemos ajudar. Começamos a arrecadar dinheiro entre nós mesmos pela manhã e antes de meia-noite já tínhamos o que era preciso. Compramos as peças, consertamos a moto e levamos para ele. Ele nem tinha noção do que tinha acontecido", relatou Laércio Pereira. Cerca de 40 motoboys participaram da arrecadação, que também teve a ajuda de comerciantes locais.

A festa de entrega da moto reparada foi registrada e compartilhada em redes sociais. O organizador da vaquinha aproveitou para fazer um apelo por mais respeito à categoria. Ele ressaltou que a classe é unida e trabalhadora e que, por esse motivo, respondeu ao chamado para ajudar um colega.

"Fomos essenciais na pandemia. Os restaurantes ficaram só no delivery por muito tempo. E agora, com tudo abrindo, voltaram a taxar a gente de desocupados. A classe é muito criminalizada. Mas somos trabalhadores de verdade. Todo mundo precisa da gente para receber as encomendas. Realizamos essa boa ação e mostramos que somos unidos", ressaltou.

O condutor do veículo que provocou o acidente foi identificado. De acordo com Tawan Gomes, ele procurou a família enquanto o motoboy estava hospitalizado e se colocou à disposição para ajudar. Tawan disse ainda que entraram em acordo e que o motorista também contribuiu com o reparo da moto.