PUBLICIDADE
Topo

Ação de universitárias doa absorventes a estudantes do ensino público em PE

Amigas entregam todos os meses 150 kits com 15 absorventes cada para as estudantes - Arquivo pessoal
Amigas entregam todos os meses 150 kits com 15 absorventes cada para as estudantes Imagem: Arquivo pessoal

Ed Rodrigues

Colaboração para o Ecoa, em Recife

09/09/2021 06h00

Um grupo de estudantes universitárias, ao saber que várias alunas no ensino público deixavam de frequentar a escola na época da menstruação, decidiu criar um projeto para amenizar o problema. Com a chegada da pandemia da covid-19, que trouxe também desemprego, a situação das jovens piorou e muitas não retornaram às aulas presenciais.

As amigas identificaram que muitas estudantes não tinham acesso a produtos básicos da higiene pessoal feminina e criaram o projeto Ciclo Solidário, que entrega todos os meses 150 kits com 15 absorventes cada para as estudantes de escola pública em Pernambuco. Os produtos são arrecadados por meio de doações.

Segundo uma das criadoras do projeto, a estudante de direito Mariana Crivellare, a ideia surgiu em uma roda de conversas, após matéria publicada nos noticiários locais do Recife. "A gente já conversava sobre pobreza menstrual nos nossos encontros. E como isso nos deixa indignadas porque são coisas simples, itens essenciais da higiene da mulher", conta.

Ciclo solidário - Arquivo pessoal - Arquivo pessoal
Amigas perceberam que estudantes faltavam às aulas no período do ciclo menstrual
Imagem: Arquivo pessoal

Mariana diz que em julho deste ano, depois de assistir a uma reportagem falando sobre as mulheres do cárcere, que também não têm acesso a absorventes, o grupo resolveu criar uma campanha. "Começamos a pesquisar, ler mais sobre esse assunto. E vimos as meninas de escola pública, que são de baixa renda e que precisam desse apoio", explicou.

Mariana uniu forças às amigas estudantes de medicina Letícia Alves, Gabriela Peres da Fonseca, Juliana Vieira e Julia Maria Carvalho. Juntas, elas passaram a buscar alternativas para dar início ao projeto.

"Minha mãe já foi coordenadora de escola pública e deu a recomendação de por onde começar. No último dia 22, nós entregamos nossos primeiros 150 kits a alunas da Escola Poeta Manoel Bandeira. A gente quer muito ampliar para outras escolas. Tudo vai depender das doações. À medida que conseguirmos doações suficientes, vamos ver essa ampliação", explicou Mariana Crivellare.

Como no início das aulas os alunos estavam com ensino híbrido, as voluntárias se encontraram com parte das turmas. "Conversamos com elas e com os alunos porque os homens também têm que saber sobre o tema. As meninas ficaram felizes e agradeceram."

Ela diz que querem fazer outros projetos no colégio, como levar uma ginecologista para conversar com as estudantes também. "Não queremos só entregar os absorventes, queremos construir conteúdos sobre o tema. Vamos deixar uma caixinha para meninas e meninos tirarem dúvidas, para que o ciclo menstrual deixe de ser um tabu", disse.

A vice-diretora da Escola Poeta Manoel Bandeira, Geralda Maria da Silva, disse que recebeu a iniciativa das universitárias com muita alegria. A educadora apontou que suas alunas são de origem pobre e muitas vezes não têm dinheiro para comprar coisas básicas.

"Ver jovens estudantes de direito e medicina preocupadas em ajudar a sociedade nos faz acreditar que o mundo pode mudar. Só depende da consciência de cada um e fazer um pouco do que o outro precisa", ressaltou.

Interessados em ajudar o projeto com dinheiro, podem contribuir pelos seguintes canais bancários:
Pix: campanhaciclosolidario@hotmail.com
Banco Inter: 077 | Agência: 0001-9 | Conta: 138086508
Gabriela Peres Fonseca
Mais informações podem ser obtidas no perfil do projeto no Instagram.