PUBLICIDADE
Topo
Destretando

Destretando

O que são microplásticos? Resíduo está nos mares e até nos pulmões humanos

29.set.2016 - Pedaços grandes de plástico como redes de pescar são perigosos e estrangulam animais. Mas por ser pequeno, o microplástico pode ser engolido por um número muito maior de bichos - iStock
29.set.2016 - Pedaços grandes de plástico como redes de pescar são perigosos e estrangulam animais. Mas por ser pequeno, o microplástico pode ser engolido por um número muito maior de bichos Imagem: iStock

Giacomo Vicenzo

Colaboração para Ecoa, em São Paulo (SP)

31/08/2021 06h00

Olhe ao redor caro (a) leitor (a), o plástico está nas embalagens, nos acessórios, nos veículos, nas roupas, nos eletrodomésticos e em outros quase incontáveis itens do nosso dia a dia. No caso do microplástico, uma pesquisa recente da USP apontou a presença desses resíduos até nos nossos pulmões.

Respire fundo. Não para por aí, o plástico parece estar nos acompanhando desde o nascimento, já sendo encontrado nas placentas, de acordo com o estudo "Plasticenta: First evidence of microplastics in human placenta", realizado na Itália. Dados, esses, já divulgados aqui em Ecoa, na coluna de Mara Gama.

O uso do plástico tem sido tão incorporado no mundo, que cientistas afirmam que estamos vivendo na Era do Plástico, e um pouco diferente dos marcos temporais da humanidade do fogo ao ferro, este deixará um legado não tão benéfico à nossa espécie e ao planeta.

Suas marcas já estão nos mares, que desde 2010 têm uma taxa 10 vezes maior de microplásticos encontrados desde a Segunda Guerra Mundial, assim apontou uma equipe de pesquisadores da Universidade da Califórnia (EUA), que estima que o número desses sedimentos dobre a cada 15 anos.

Mas o que são microplásticos? De onde esses resíduos vêm? Quais os malefícios que podem causar à saúde e ao planeta? Ecoa trouxe dados e conversou com uma especialista em oceanografia para responder essas e outras perguntas. Confira a seguir.

O que são microplásticos e quais as suas origens?

A bióloga Francyne Elias-Piera, mestre em oceanografia biológica (USP) e doutora em ciência ambiental (Universitat Autònoma de Barcelona), explica que os microplásticos são pequenos fragmentos, fibras (têxteis) e grânulos de plástico, com menos de cinco milímetros de comprimento.

Esses resíduos podem ser de origem primária ou secundária. "Os de primária são os pellets, pequenas esferas plásticas utilizadas na fabricação de diversos produtos e muito usados em cosméticos e itens de higiene pessoal. Já os de secundária são formados pela degradação e quebra do plástico através da ação da água, das ondas, das chuvas, do sol (influência da temperatura), da radiação UV, do vento e de microorganismos", explica a bióloga.

Os microplásticos mais comuns encontrados nos pulmões, por exemplo, foram o polipropileno [presente em embalagens, copos plásticos e tampas de refrigerantes] e polietileno [usado em sacolas e garrafas PET].

Os microplásticos estão em praticamente tudo, na cerveja, no mel, na água e até nas regiões mais frias da Terra. "Estão no ar que respiramos, em ambientes terrestres, marinhos, na água doce, no sal marinho, nos peixes consumidos e nas fezes humanas. Há microplásticos acumulados no gelo da Antártica e no do Ártico, mas a maior quantidade deles está depositada no fundo do mar", afirma Elias-Piera.

1 - Divulgação - Divulgação
Equipamento aspira microplástico da areia das praias
Imagem: Divulgação

Quando os microplásticos foram detectados?

A primeira detecção de microplásticos no meio ambiente foi no ano de 1970. Em 2001, o resíduo foi descoberto na água doce. Mas foi só em 2004 que o termo foi utilizado na literatura científica pelo pesquisador britânico Richard Thompson.

De lá para cá, as partículas de plástico passaram a ser mais encontradas, sobretudo nas espécies aquáticas. "Em 2016, um relatório da Organização das Nações Unidas para a Alimentação (FAO) informou a presença de microplásticos em até 800 espécies de peixes, crustáceos e moluscos", aponta Elias-Piera.

O que os microplásticos podem causar na natureza e nos seres humanos?

Os resíduos são um dos principais poluentes do oceano e os animais os confundem com comida, causando prejuízos a uma série de espécies. "São ingeridos, por peixes, baleias e zooplânctons — conjunto de organismos aquáticos que não fazem fotossíntese. Os menores são os que mais sofrem, pois podem morrer de inanição ao acumularem essas micropartículas no estômago e terem uma falsa sensação de saciedade", comenta a bióloga.

A poluição com essas partículas pode provocar alterações em todo o ecossistema. "O plástico libera substâncias tóxicas aos animais, algumas podem alterar o sistema hormonal. Ainda são necessários mais estudos, pois ainda não se tem tantos dados da sua distribuição, concentração e efeitos nos ecossistemas", completa.

Os impactos nos seres humanos também não são totalmente conhecidos, mas pesquisadores indicam que os microplásticos podem prejudicar o crescimento fetal e causar desregulação endócrina, quando encontrados nas placentas. O próprio contato com brinquedos feitos de plástico pode causar danos à saúde de crianças.

No entanto, Elias-Piera lembra que uma das substâncias encontradas no plástico é o bisfenol A (BPA), que pode trazer danos ao nosso organismo. "Esse composto químico consegue se infiltrar na corrente sanguínea, no sistema linfático, chegar ao fígado e se fixar na gordura, sangue e fluidos corporais. Estão ligados a disfunções hormonais, neurológicas, reprodutivas e imunológicas dos seres vivos", alerta.

O que pode ser feito para reduzir a geração de microplásticos?

Para que tenhamos um futuro um tanto menos plastificado, a saída é justamente abraçar menos o plástico em nosso dia a dia. Essa já é uma preocupação mundial. Desde 2018, na Inglaterra, é proibida a fabricação de cosméticos com as microesferas de plástico, que citamos no início desta matéria.

Mas ainda há muito a se avançar no debate desse material tão presente em nossas vidas. Para a bióloga Elias-Piera, o primeiro passo deve ser a conscientização no consumo e na fabricação de produtos.

"Podemos começar com pequenas mudanças, como por exemplo, trocar copos descartáveis por um de silicone retrátil, canudos de plástico por um de inox, a escova de dentes por uma de bambu e os potes plásticos por potes de vidro", orienta.

A bióloga também aponta hábitos que estão na lavagem das peças de roupa. "Ao lavar as roupas, opte pelo modo de lavagem "leve", pois quanto mais intensa for a lavagem e quanto mais antiga for a peça de roupa, maior será a liberação de microfibras", explica.

"Usar a coleta seletiva, comprar de marcas sustentáveis e cosméticos em barras, também são formas de evitar que os microplásticos cheguem aos oceanos", completa.

Destretando