PUBLICIDADE
Topo

Modificado pela pandemia, projeto cultural forma mulheres para a construção

40 mulheres já foram capacitadas e nove delas já foram inseridas no mercado de trabalho - Rafael Augusto / Divulgação
40 mulheres já foram capacitadas e nove delas já foram inseridas no mercado de trabalho Imagem: Rafael Augusto / Divulgação

Glória Maria

Colaboração para o Ecoa, em São Paulo

15/07/2021 06h00

O projeto Fazendinhando, que desde 2018 tem um trabalho voltado para a arte e a cultura, com objetivo de visibilizar a arte da quebrada, revitalizar espaços e ocupar, teve que ser ressignificado a partir das urgências das famílias nesse período de pandemia. O desemprego e a fome atingiram as famílias e as crianças que o projeto alcançava.

Seus idealizadores chegaram a fazer ações para arrecadar e distribuir marmitas e cestas básicas no início da crise sanitária. Em 2020, chegaram a doar cerca de 600 refeições por dia para populações em situação de rua, que não tinham condições de cozinhar, e mais centenas de cestas.

"Esse ano não tivemos apoio para montar as cestas básicas, o desemprego aumentou e o auxílio acabou para muitas famílias", diz Kamilla Bianca, 24 anos, uma das jovens idealizadoras do Fazendinhando. Sem doações para se manter, as entregas das marmitas também chegaram ao fim.

Mas como desistir não está nos planos destes jovens moradores e vizinhos da região do Jardim Colombo, na Zona Oeste de São Paulo, eles criaram agora o projeto "Fazendeiras", que oferece cursos gratuitos de 40 a 80 horas qualificando mulheres para o setor da construção civil e gastronomia.

Até o momento, 40 mulheres já foram capacitadas e nove delas já foram inseridas no mercado de trabalho. As demais, passaram a atuar na execução de obras dentro da comunidade. O projeto permitiu melhorar a qualidade de vida, a partir da aplicação dos conhecimentos adquiridos na construção de residências das próprias fazendeiras.

Ao longo da atuação do movimento, ficou clara a predominância na comunidade de edificações precárias, erguidas em regime de autoconstrução, sem qualquer assistência técnica especializada, o que acaba provocando trincas, umidade e goteiras nas casas.

Fazendeiras - Rafael Augusto / Divulgação - Rafael Augusto / Divulgação
Mulheres aplicam os conhecimentos adquiridos na construção de residências da própria comunidade
Imagem: Rafael Augusto / Divulgação

O curso é formado por professores que são moradores do Jardim Colombo, com experiências na construção civil, voluntários e profissionais na área de arquitetura. Ester Carro, 26 anos, é arquiteta e urbanista social, ela conta que sempre sonhou em fazer uma ação para impactar o lugar em que nasceu.

"A arquitetura não é um luxo e sim uma necessidade social. Agora estamos desenvolvendo as áreas culturais, educacionais e sociais e empoderando mulheres que estavam sem oportunidades e achavam que não eram capazes de trabalhar com obras e com as capacitações que realizamos, criamos espaço para se tornarem agentes transformadoras de sua própria realidade e encontrarem novas alternativas, esperança no ramo da construção civil", diz.

Uma pesquisa que o projeto realizou com 949 chefes de família da região - dentre os quais 702 mulheres - revelou que 54,7% declaram não estar trabalhando, 28,3% se encontram na informalidade e 67,7% moram de aluguel ou de favor. Desse total, apenas 29% concluíram o ensino médio e 33,4% o ensino fundamental.

Tornou-se evidente para o Fazendinhando a mudança de rumo neste momento e a urgência de iniciativas específicas para esse público, a fim de diminuir as mazelas e ofertar oportunidades com perspectiva de uma nova recolocação no mercado de trabalho e empoderamento das mesmas nas ações internas da comunidade.

Para ajudar o projeto, você pode entrar em contato pelo perfil do Instagram ou pelo site.

A presidente do Fazendinhando, Ester Carro, e mais dois líderes foram selecionados para um intercâmbio em Bogotá, capital da Colômbia, para ter contato com novos aprendizados no modelo de gestão de projetos sociais, além de estruturar um projeto para a comunidade local em conjunto com a Fundação Fundación Jesús El Buen Pastor. Você pode apoiar essa ação e ajudar com os custos da viagem fazendo uma doação via Paypal.