PUBLICIDADE
Topo
Meio ambiente

Meio ambiente

Biólogo ganha "Oscar Verde" por projeto de preservação de boto

Ameaçado de extinção, boto-de-Lahille vive em águas brasileiras, uruguais e argentinas - Divulgação
Ameaçado de extinção, boto-de-Lahille vive em águas brasileiras, uruguais e argentinas Imagem: Divulgação

Paula Rodrigues

de Ecoa, em São Paulo

05/07/2021 06h00

No estuário da Lagoa dos Patos — um pedaço de mundo onde a água doce da lagoa encontra a salgada do Oceano Atlântico, no Rio Grande do Sul — vive uma espécie de boto. Popularmente, o tipo é conhecido por boto-de-Lahille. Tem a cor cinza, mede até quatro metros, pesa em média 400 kg e se assemelha muito àquele golfinho que virou celebridade na década de 1960 com a série Flipper, e depois com um filme de mesmo nome na década de 1990.

De fato, os dois são tão parecidos que até já chegaram a ser classificados como sendo da mesma espécie. Só nos últimos dois anos o boto-de-Lahille foi reconhecido como de outra categoria. Mas ao contrário do sósia-golfinho-famoso, que pode ser encontrado em grandes números por toda costa brasileira, esse tipo de boto só transita pelo sul do Brasil, Uruguai e Argentina.

"Esse é um animal de vida longa e reprodução lenta. A fêmea só está apta a reproduzir quando completa oito anos. E elas conseguem ter apenas um filhote a cada três anos", explica Pedro Fruet, biólogo, coordenador do Laboratório de Mamíferos do Museu Oceanográfico da Universidade Federal do Rio Grande (FURG) e recém-nomeado secretário municipal de meio ambiente da mesma cidade.

Pedro Fruet - Divulgação - Divulgação
Toda a espécie do boto-de-Lahille possui apenas 600 indivíduos
Imagem: Divulgação

A estimativa do pesquisador, que trabalha com o boto-de-Lahille desde os anos 2000, é que a população total desse animal seja de 600 indivíduos nos três países sul-americanos. O estuário da Lagoa dos Patos é onde a maior parte deles transita. Pedro contabiliza 120 na região. "É uma quantidade muito pequena. Por isso, quando morre um ou dois já faz muita diferença para a espécie. E é o que ainda acontece por aqui por causa da pesca incidental," conta sobre quando, na tentativa de pescar outras espécies, se captura sem querer o boto, sendo essa um dos principais motivos de morte do animal.

O problema é que do outro lado, o do pescador, há a necessidade de continuar pescando para poder comer e garantir renda para a família. Pensando em resolver essa equação complicada, Pedro apresentou o projeto chamado de "Construindo pontes para incentivar a coexistência com o boto-de-Lahille no sul do Brasil", que pretende preservar a espécie com ajuda dos próprios pescadores. Pela iniciativa, no final de maio deste ano, o biólogo foi premiado com o "Oscar Verde", como é conhecido o Prêmio Whitley, do Reino Unido, considerado o maior no quesito preservação da biodiversidade.

Pedro Fruet - Divulgação - Divulgação
Pedro Fruet ganhou o "Oscar Verde" por projeto de preservação do boto-de-Lahille
Imagem: Divulgação

A relação com os botos

A história de Pedro com os botos começa quando ele tinha 12 anos. O garoto, nascido em Porto Alegre, costumava passar as férias em Rio Grande. A atividade preferida daquela época era o surfe. Certo dia, enquanto praticava o esporte, viu o animal pela primeira vez. Naquela época, ainda não sabia sobre os problemas que o boto passava, mas foi ali que a vontade de trabalhar com eles nasceu.

Quando cursou graduação em ciências biológicas e depois o mestrado em oceanografia, já sabia o que queria fazer. Não à toa, trocou a vida na capital do estado para morar de vez no Rio Grande.

"O primeiro curso de oceanografia do país é o da federal daqui. Existe essa cultura forte na cidade, e isso cria uma consciência ambiental e um movimento ambiental interessante. Para mim, aqui é uma fábrica de conservacionistas ambientais. E eu segui esse caminho. Desde o começo eu tinha a vontade de deixar o mundo pelo menos um pouco melhor do que eu encontrei," conta.

Junto à faculdade, Pedro começou um estágio no Museu Oceanográfico, no início dos anos 2000. Lá, desde 1974 um projeto de monitoramento do boto está em curso. Alguns dados foram coletados até o início do milênio, mas de forma esporádica, sem que houvesse um acompanhamento contínuo dos animais. Foi só em 2005, com Pedro já tomando essa responsabilidade para si, que o projeto ganhou mais força.

Pedro Fruet - Divulgação - Divulgação
Projeto visa criar soluções em conjunto com pescadores locais
Imagem: Divulgação

Pescadores e botos coexistindo em harmonia

Desde então, o Museu vem se dedicando a produzir conhecimento sobre a espécie, enquanto acompanha a vida do boto-de-Lahille. O projeto vencedor de Pedro é um braço do que foi criado pelo Museu na década de 70. Mas com algumas adaptações.

Em 2012, uma área de proteção foi criada para tentar salvar os botos da pesca. A norma ainda é válida, mas pouco se fez para garantir que ela funcionasse na prática. "Uma das áreas mais ricas para pescar é justamente a parte que o boto usa. E não tem jeito, essas pessoas precisam pescar. Acaba que os boatos continuam morrendo, tem vezes que a polícia ambiental acaba prendendo o pescador, que muitas vezes nem sabe que não pode fazer aquilo ali, que não conhece os limites geográficos. Não adianta falar para os caras pararem de fazer isso se você não dá outra alternativa, se você não escuta e não ouve o lado deles"., conta o biólogo.

A pouca participação dos pescadores, sendo eles os principais afetados pela proibição da pesca, é, segundo Pedro, um dos principais erros na hora de pensar soluções para preservar o boto. Por isso, o primeiro passo do projeto de Pedro foca na parte social. A ideia é que todos os pescadores sejam ouvidos para que eles possam expor suas realidades e necessidades ali com a pesca.

Pedro Fruet - Divulgação - Divulgação
Pesca acidental é uma das principais causas de morte do animal, que está em extinção
Imagem: Divulgação

"A gente quer ouvir o conhecimento deles também, tudo que eles sabem sobre a pesca, sobre a região, sobre o próprio boto... Tudo isso tem um valor enorme para o projeto. Depois a gente vai entrevistar todos os órgãos que lidam com a parte de conservação da biodiversidade costeira, para entender como esses órgãos se comunicam entre eles, e, assim, conseguir identificar as possíveis falhas de comunicação entre eles e ver como isso acaba resultando em uma má gestão de políticas públicas", explica

Depois dessas entrevistas, o próximo passo será convidar todos para poder pensar em algumas soluções que contemplem à todos. Outra parte será a capacitação de pessoas que trabalham com turismo ambiental na região e professores da rede pública para que possam levar mais informação sobre preservação da biodiversidade para dentro de sala de aula.

O projeto continuará monitorando e reunindo a maior quantidade possível de informações sobre a situação do boto-de-Lahille, a pesca e a situação dos envolvidos nela. Com a premiação de 300 mil do prêmio Whitley, Pedro e sua equipe terão um ano para colocar essas ações em prática. O objetivo é que daqui a cinco anos a morte dessa espécie caia em 40%, diminuindo a média de dez botos-de-Lahille mortos por ano, para "apenas" seis botos perdidos.

Errata: o texto foi atualizado
Diferentemente do publicado, o boto-de-Lahille está em risco de extinção, não em extinção. A informação foi corrigida.

Meio ambiente