PUBLICIDADE
Topo

Motorista de aplicativo recebe ajuda de passageiro para terminar faculdade

Latonya Young, ao centro, posa ao lado da reitora de sua universidade e de Kevin Esch - Divulgação
Latonya Young, ao centro, posa ao lado da reitora de sua universidade e de Kevin Esch Imagem: Divulgação

Carolina Vellei

Colaboração para Ecoa, de São Paulo

04/07/2021 06h00

Em 2011, Latonya Young, uma mulher de 44 anos, teve que largar a faculdade por não conseguir pagar a mensalidade. Mãe solo de três filhos, ela passou os anos seguintes desejando retomar os estudos, mas sempre aparecia algum imprevisto. Até que tudo mudou numa noite de 2018, quando ela estava trabalhando como motorista de aplicativo para pagar as contas.

Ao responder uma chamada no centro de Atlanta, nos Estados Unidos, Latonya deu carona a um administrador imobiliário chamado Kevin Esch. Ele estava tendo um péssimo dia e decidiu puxar conversa. Os dois começaram a falar sobre a vida e o passageiro de 45 anos soube então que a motorista sonhava em ser a primeira integrante de sua família a se formar na faculdade.

Durante a viagem de meia hora até a casa de Kevin, Latonya também lhe contou que já era motorista havia três anos e estava trabalhando até tarde naquela noite porque precisava de dinheiro para pagar uma conta de luz.

Pouco para um, muito para o outro

Ao fim da corrida, o passageiro lhe deu uma gorjeta de US$ 150 (cerca de R$ 743,50), o suficiente para cobrir a conta de luz, e também lhe passou seu número de telefone.

A conversa também deu à mulher ânimo renovado para retomar os estudos, e algumas semanas depois ela foi à universidade para se matricular novamente. Mas, ali, foi informada de que só poderia fazer isso após quitar sua dívida. O valor, de 693 dólares (R$ 3.435), era uma quantia que ela não podia pagar.

A essa altura, Kevin e Latonya já tinham se tornado amigos. Quando ela contou sobre a dívida, ele não pensou duas vezes: correu para a universidade e pagou a quantia. "Eu não queria que isso fosse um obstáculo, porque era algo que eu poderia mudar", disse o homem ao jornal The Washington Post.

"Senti que tinha ganhado na loteria", contou a estudante ao ser entrevistada pelo programa da Ellen. Ela voltou à Georgia State University e desta vez conseguiu se matricular. Os estudos foram bem e, em dezembro de 2019, finalmente recebeu seu diploma de assistente em justiça criminal. Kevin estava lá e assistiu à cerimônia.

De volta à trilha dos sonhos profissionais

Ainda assim, Latonya queria ir além. Seu sonho era conseguir um diploma de bacharel e, por isso, precisou continuar estudando por mais alguns anos.

Assim, com muito esforço, conciliava as tarefas acadêmicas com trabalhos de meio período como professora substituta e cabeleireira. Ela também recebeu apoio do Fundo de Bolsas de Estudo para Mulheres Jeanette Rankin, que oferece ajuda para mulheres de baixa renda com mais de 35 anos que buscam educação superior.

Por sua amizade e pela ajuda que deu a Latonya, Kevin foi convidado para ser membro do conselho da organização.

Latonya conseguiu seu diploma de bacharel em justiça criminal em maio deste ano - e Kevin estava acompanhando tudo novamente, acompanhando a família da recém-graduada. Ela também escreveu um livro sobre sua jornada, lançado no mês passado nos Estados Unidos.

Outra boa notícia é que, recentemente, ela conseguiu se mudar para um novo apartamento e deixar a moradia pública após passar 12 anos no local. Agora, está em busca de um emprego para atuar em sua área.

"Não sei em que situação estaria se não tivesse conhecido Kevin", disse. "Espero que sua bondade inspire outras pessoas a ajudarem alguém".