PUBLICIDADE
Topo
Iniciativas que inspiram

Iniciativas que inspiram

Fundo quer garantir permanência na terra de agricultores de Parelheiros

Agricultor em Parelheiros (SP) - FUA/Divulgação
Agricultor em Parelheiros (SP) Imagem: FUA/Divulgação

Juliana Domingos de Lima

De Ecoa, em São Paulo

30/06/2021 06h00

Lançado em março deste ano, o FUA - Fundo Agroecológico adquire propriedades rurais para garantir seu uso por pequenos agricultores. Com isso, quer promover acesso à terra para uma agricultura justa, que se vale de princípios como o respeito ao meio ambiente, a não-utilização de agrotóxicos e a remuneração decente dos trabalhadores.

Segundo o último Censo Agropecuário, divulgado em 2019 pelo IBGE e com dados de 2017, pequenos proprietários são donos de 2,3% do território rural do país, enquanto 1% das propriedades agrícolas detêm quase metade da terra usada na produção da agropecuária. Vale lembrar que é a agricultura familiar a principal responsável pelo alimento que chega à nossa mesa.

Partindo do diagnóstico de que no Brasil há muita terra na mão de pouca gente, o FUA propõe um modelo alternativo de propriedade. Nele, a terra pertence a um "proprietário social", pessoa jurídica sem fins lucrativos, e é arrendada ao produtor agroecológico por um valor menor que o de mercado, dando estabilidade à produção.

Atualmente, o foco da iniciativa são os agricultores de Parelheiros, distrito localizado no extremo sul da cidade de São Paulo com mais de 500 produtores. Entre os participantes do grupo de referência, que constrói o fundo, está a chef e apresentadora Paola Carosella, que tem uma relação próxima com os agricultores de Parelheiros.

Por que Parelheiros?

A jornalista e pesquisadora de alimentação Cíntia Marcucci, integrante da equipe do FUA, explica que agir nesse território permite cobrir várias questões socioambientais.

"Parelheiros é um pedaço muito especial da cidade, é uma zona rural dentro de São Paulo. A gente percebeu que conseguiria atuar em muitas frentes, na preservação ambiental, dos mananciais, no apoio a esses agricultores, contendo a expansão imobiliária. A agricultura sustentável, sem veneno, já protege todo esse ecossistema", afirma.

Em uma pesquisa desenvolvida entre 2019 e 2020, o FUA observou que muitos dos agricultores da região não são donos da terra, mas arrendatários, e lidam com a insegurança fundiária.

Ou seja, correm o risco de ter que entregar a propriedade e os investimentos feitos nela após um curto período de tempo, o que prejudica seu planejamento e o acesso a linhas de crédito. "Um contrato de um ano é nada pra agricultura, que precisa trabalhar a terra, levar em conta o ciclo de plantação de cada cultura", diz Marcucci.

Os resultados do estudo feito pelo FUA estão disponíveis online e também deram origem ao livro "Acesso à terra para a agricultura justa", disponível para download gratuito e para compra na versão física no site do projeto.

Entre os agricultores, há expectativa de ver o projeto ir adiante e alguns proprietários já se mostram dispostos a vender a terra, mas ainda faltam recursos.

O FUA precisa de você!

O FUA ainda conta com poucos apoiadores e não arrecadou o suficiente para adquirir sua primeira propriedade. Marcucci enfatiza que mesmo os menores valores fazem uma contribuição relevante.

"Às vezes a gente acha que não faz diferença, mas, com R$ 15, que é o apoio mínimo, dá pra comprar em média um metro quadrado de terra em Parelheiros. Sendo uma propriedade rural, a gente precisa comprar hectares, mas já dá pra plantar 10 pés de alface nesse metro quadrado", diz.

A compra de produtos na loja do site, livro e camiseta, também é revertida para a compra de propriedades rurais. O fundo instituiu ainda um grupo piloto de consumo dos produtos dos agricultores de Parelheiros, com entrega de cestas quinzenais para um número limitado de apoiadores.

As prestações de contas da organização são divulgadas mensalmente nas redes sociais do FUA. As contas são abertas para quem quiser solicitar mais detalhes.

Tudo começou com o FICA

O Fundo Agroecológico é uma iniciativa incubada pelo FICA - Fundo Imobiliário Comunitário para Aluguel, criado em São Paulo em 2015 para proteger imóveis da região central da especulação e torná-los acessíveis a uma população de baixa renda por meio do aluguel social.

O FICA já dispõe de dois apartamentos que atendem a essa finalidade e atingiu quase metade da meta para a compra do terceiro.

O fundo funciona com doações em dinheiro e terras. É possível colaborar mensalmente pela plataforma Benfeitoria com valores que vão de R$15 a R$200 ou fazer colaborações pontuais:

Depósito em conta: Banco Itaú, agência 0300, conta 42995-8, CNPJ 25.138.190/0001-39

PIX: fuacomunica@fundofica.org

Iniciativas que inspiram