PUBLICIDADE
Topo

Psicóloga arrecada 57 toneladas de produtos para quem ficou sem nada em SP

Quando recebeu o pedido de ajuda de uma associação da Cidade Tiradentes, Clarice acionou a sua rede e conseguiu 2020 cestas básicas, 4450 máscaras, 281kg de álcool gel e 100 cobertores - Arquivo pessoal
Quando recebeu o pedido de ajuda de uma associação da Cidade Tiradentes, Clarice acionou a sua rede e conseguiu 2020 cestas básicas, 4450 máscaras, 281kg de álcool gel e 100 cobertores Imagem: Arquivo pessoal

Ana Aoun

Colaboração para o Ecoa, em São Paulo

21/04/2021 06h00

O olhar para o próximo e a participação em ações de voluntariado são parte importante da rotina da psicóloga e pedagoga Clarice Kunsch há pelo menos 20 anos. Aos 18, ela participou da primeira ação voluntária de sua vida: o projeto Teu Sonho, Meu Sonho, que durou 5 anos e levava crianças carentes para um dia de diversão no Playcenter, entre outras ações. "Aquilo mudou a minha forma de enxergar a vida", conta.

Depois desse projeto, não parou mais. Todos os anos - e durante todo o ano, ela se engaja em campanhas que arrecadam dinheiro e mantimentos para os mais necessitados. Na pandemia, Clarice intensificou ainda mais o que já fazia, diante de tantos pedidos de ajuda.

"O cenário piorou muito. Há um ano recebi uma ligação de uma associação que trabalha em prol de crianças e adolescentes vulneráveis na Cidade Tiradentes. As famílias começavam a sentir os efeitos das restrições da quarentena e pediam ajuda. Acionei minha rede de contatos, e a arrecadação foi uma surpresa até para mim: 34,3 toneladas de alimentos e produtos de limpeza, sendo um total de 2020 cestas básicas, além de 4450 máscaras, 281kg de álcool gel e 100 cobertores", contabiliza. "Fazíamos doações mensais, que duraram até novembro passado. Em dezembro, organizamos a montagem de 160 kits de Natal para as crianças. Foi emocionante", conta.

Psicóloga arrecada alimentos em SP - Arquivo pessoal - Arquivo pessoal
Clarice Kunsch começou a fazer ações voluntárias com 18 anos, e diz que a motivação vem de família, que sempre ajudou a todos que estavam ao seu alcance
Imagem: Arquivo pessoal

Sócia do Paineiras, clube de alto padrão na capital paulista, Clarice também organizou, com mais dois amigos, a arrecadação de dinheiro e a distribuição de cestas básicas para os funcionários dos concessionários do clube (terceirizados que não puderam trabalhar devido às restrições). Mais uma vez, a ação teve êxito: 23 toneladas de alimentos e produtos de limpeza (1171 cestas básicas), 860 máscaras e 107,5kg de álcool gel.

Clarice conta que a motivação para ações solidárias vem de família. "Os valores de caridade e solidariedade sempre foram presentes na minha casa. Meus pais tiveram infâncias difíceis, vieram do campo para a cidade com poucos recursos. Conquistaram tudo o que têm e sempre procuraram ajudar, além de parentes, todos que estivessem ao alcance deles."

Ela diz que a responsabilidade pesa muitas vezes, mas que quando vê que consegue multiplicar o dinheiro e distribuir recursos para mais gente, renova as esperanças e a vontade de continuar. "É muito duro vivermos uma realidade com tantos excessos para uma minoria e tanta carência para a maioria. Eu me sinto convidada a me mexer".

E ela não para. Em fevereiro, com a pandemia se agravando novamente, iniciou nova campanha para a arrecadação de cestas básicas. "É claro que, para dar conta de tudo, às vezes tenho que comprometer algum tempo livre, deixar de fazer esporte, estar com a família. Mas, é administrável. Enquanto eu puder, vou dedicar parte do meu tempo nessa missão".