PUBLICIDADE
Topo
Saúde

Saúde

De aula de dança a meditação guiada: como atravessar a pandemia sem surtar?

iStock
Imagem: iStock

Diana Carvalho

Colaboração para Ecoa, de São Paulo

19/03/2021 04h00

Quantas vezes você sentiu a sensação de que retrocedemos, paramos no tempo? O avanço do coronavírus no Brasil e a falta de vacinas e leito de UTIs fizeram com que medidas ainda mais restritivas, como lockdown e toque de recolher após às 20h, voltassem à tona. Como não surtar? Como relaxar com a média de mortes que sobe a cada dia?

Não há uma resposta exata, mas é preciso encontrar maneiras para desativar o "modo on" e nos mantermos minimamente fortes para enfrentar os desafios que teremos pela frente e ajudar quem precisa de nós.

Uma hora de exercício por dia, momentos de leitura, podcasts e até aplicativos de desenho estão entre as atividades fazendo e ajudando a cabeça de quem segue realista quanto ao avanço do vírus, mas atento à necessidade do autocuidado.

Se você está buscando maneiras de amenizar o estresse do dia a dia, listamos abaixo algumas alternativas e sugestões para começar. Mas lembre-se: é preciso parar, respirar e tentar.

Meditação, ioga e ginástica.

Há dezenas de aplicativos que estimulam a prática de exercícios físicos sem a necessidade de sair de casa, usando apenas a força do corpo ou objetos de uso comum, com baldes, vassouras, e até pacote de alimentos, como feijão e arroz.

Testamos e gostamos:

Insight Timer - Um dos mais baixados, o aplicativo oferece práticas desde meditação guiada a práticas para ter uma boa noite de sono, mais concentração no dia a dia e técnicas para lidar com a ansiedade e diminuir o estresse.

Nike Training - App ideal para quem quer começar a malhar em casa, sem equipamentos e usando a força do próprio corpo. Você pode escolher o seu ritmo de exercícios, a intensidade e também os objetivos. Disponível para iOS e Android.

Namu - A plataforma de cursos oferece uma série de aulas de ioga para iniciantes em seu canal no Youtube.

Podcasts, audiobooks e joguinhos

Para aliviar os momentos de tédio, podcasts têm sido grandes aliados pra quem não aguenta mais passar horas na frente da TV ou assistindo a um vídeo no tablet ou computador. É possível ouvir entrevistas interessantes, mesas de debate, resumo de notícias, além de uma infinidade de temas que você pode filtrar, desde humor a gastronomia. Para os usuários de iOS, no aplicativo de Podcast, há um guia com uma seleção especial de programas essenciais para ouvir durante a pandemia: de cuidados com saúde mental a informações sobre a covid-19 pelo mundo. Para quem quer aprender a se desconectar do caos, o Despertar Zen traz palestras da Monja Coen.

Outro segmento que cresceu e tem feito a diferença em tempos pandêmicos são os audiobooks, que facilitam a "leitura" para quem não tem hábito e tempo para se dedicar a um livro. O aplicativo Ubook conta com mais de 400.000 conteúdos de áudio e oferece sete dias de acesso ilimitado ao acervo (depois desse período há mensalidade de R$ 16,90). Para livros gratuitos, o LibriVox Áudio conta com algumas narrações de obras da literatura brasileira de domínio público. Para encontrá-las, é preciso escolher português como idioma na tela inicial do aplicativo e selecionar a história desejada.

Com o isolamento social, interações online foram a saída para não perder contato com outras pessoas. Jogos digitais ganharam ainda mais espaço no dia a dia de quem curte uma disputa ou distração. Durante a pandemia, o jogo Among Us bateu a marca de 100 milhões de downloads. Pra quem não sabe, o objetivo do jogo é encontrar entre até 10 jogadores quem é o "impostor", que sabota tarefas que o grupo deve realizar.

Para quem sente saudade de jogar Imagem e Ação com os amigos, o Gartic pode quebrar um galho! O jogo de adivinhação sugere palavras que precisam ser desenhadas na tela. O grupo que acertar mais desenhos leva a melhor!

Ação mesmo dentro de casa

Mas há também quem prefira se distrair mexendo o corpo em ritmos mais acelerados em vez de investir na introspecção.
É o caso da professora Renata S. "Arrastei literalmente o sofá e fiz da minha sala de casa uma 'pista'. Consigo me movimentar, perder calorias, e ainda me divirto tentando acompanhar as coreografias", conta.

Ela encontrou na dança uma forma de lidar com a energia acumulada pela falta de contato com os agitados alunos de 5 a 7 anos, com quem mantém aulas online durante a pandemia.

"Momentos de 'paz e tranquilidade' em sala de aula são raríssimos. Na escola, gastava uma energia absurda. Agora, só vejo as crianças por uma tela de computador. Não é a mesma coisa. Estava me sentindo entediada mesmo malhando todos os dias. Foi aí que resolvi me mexer ouvindo música e dançando", conta.

De Barões da Pisadinha ao saudoso axé do grupo Tchakabum, tem de tudo em canais do YouTube que ensinam passo a passo como dançar as músicas mais tocadas do momento. O coreógrafo Daniel Saboya é um dos que fazem sucesso na plataforma com mais de 17 milhões de inscritos, seguido pelo Fit Dance, outro canal de sucesso no segmento.

Pra quem já andou na prancha em frente ao espelho do quarto sabe que uma boa "coreô" não só faz o tempo passar de maneira mais leve como também faz bem para saúde mental.

Canais de culinária e jardinagem no YouTube

Com o lockdown e o aumento no preço dos alimentos, fazer a própria comida tornou-se não só um custo benefício como uma maneira de melhorar hábitos alimentares e distrair a cabeça.

Com isso, vídeos de receitas simples, como refeições do dia a dia, cresceram no YouTube. No canal Nossa, do UOL, vídeos de receitas e pratos rápidos são campeões de visualização durante a pandemia.

Cultivo de hortas e maior cuidado com as plantas de casa também se mostraram atividade essenciais para manter um pouco de tranquilidade em dia. Está comprovado que o contato com terra e plantas não só alivia tensões como também ajuda na autoestima.

Panelinha, canal da Rita Lobo - A chef e apresentadora do GNT conta com o seu próprio canal no YouTube, onde ensina o básico: desde o jeito certo de congelar feijão a fazer um arroz soltinho. Rita é didática e faz com que aquele velho clichê de "não levar jeito na cozinha" caia por terra.

Paola Carosella - De pratos refinados e ingredientes que você nunca pensou em fazer em casa, como a própria granola, Paola Carossella abriu as portas de sua casa para compartilhar suas técnicas e segredos na cozinha.

Ana Maria Brogui - Um dos pioneiros a levar o "faça você mesmo" para o YouTube, Caio Novaes mostra receitas inusitadas, como a série "Bacon é vida", e os famosos "como fazer", desde "pizza que não engorda" a bolacha de chocolate gigante.

Minhas Plantas, de Carol Costa - Jardim vertical, horta em vasos, como plantar batata-doce. Tudo isso e mais um pouco Carol Costa ensina em seu canal no YouTube e ainda oferece cursos online de jardinagem.

Saúde