PUBLICIDADE
Topo

Nostradamus ambientais: personagens históricos previram colapso ambiental

Onça-pintada descansa em área queimada às margens do rio Três Irmãos, no Parque Estadual Encontro das Aguas, no Pantanal - Lalo de Almeida/Folhapress
Onça-pintada descansa em área queimada às margens do rio Três Irmãos, no Parque Estadual Encontro das Aguas, no Pantanal Imagem: Lalo de Almeida/Folhapress

Eduardo Vessoni

Colaboração para Ecoa, em São Paulo

06/03/2021 04h00

A maior crise sanitária do século 21 está longe de ser vencida, já são mais de 2,5 milhões de mortes causadas pela covid-19, mas não param de chegar notícias sobre vírus emergentes, muitos deles fruto da destruição das matas e da criação intensiva de animais de diferentes espécies em espaços reduzidos.

A Amazônia perdeu 700 mil km², e o desmatamento segue acelerado. Enquanto cientistas se esforçam em alertar sobre emissão de gases, o nível das águas mantém-se subindo.

O mundo agora tem olhos para o futuro, sobretudo para aquele sonhado momento em que o coronavírus será apenas um capítulo da história. Mas é do passado que vêm os alertas para o ser humano e sua descuidada relação com o meio ambiente. Nosso futuro depende deste passado.

Eles já avisaram

Humboldt - Reprodução - Reprodução
O cientistas e explorador alemão Alexander Von Humboldt
Imagem: Reprodução

Bem que Alexander Von Humboldt avisou, mas pelo visto ninguém deu bola.

Para esse explorador e cientista alemão, todo conhecimento deveria ser compartilhado. E foi o que ele fez em suas longas expedições pela América do Sul e Rússia, quando alertou sobre o desmatamento de florestas, queda do nível de água e aridez em "terras outrora férteis".

Ao longo dos tempos, de Humboldt ao líder indígena e membro da Academia Brasileira de Ciências Davi Kopenawa, importantes nomes descreveram nosso destrato ao meio ambiente, e suas consequências desastrosas.

No caso do alemão, seus questionamentos ambientais viriam à tona antes mesmo da Revolução Industrial concluir sua primeira fase e redesenhar o planeta. Anos mais tarde outro cientista, o pai da teoria da evolução Charles Darwin, se encantaria com a natureza das florestas do Brasil, mas não teria nenhuma simpatia por uma gente que defendia a corrupção e o trabalho escravo.

"Pudesse ser banida a ideia de escravidão e haveria nesse modo simples e patriarcal de viver um quê de fascínio", escreveu Darwin em seus diários.

A ilha que violentou o verde

Santa Helena - Getty Images - Getty Images
Vista da ilha de Santa Helena
Imagem: Getty Images

Santa Helena parecia perfeita: isolada no Atlântico Sul e a caminho para as Índias, mas desde que se tornaram Território Britânico Ultramarino, um século e meio depois, aquelas terras vulcânicas viram o verde ser substituído por uma aridez desoladora, causada pela alta demanda de lenha para os primeiros colonos e a introdução de cabras e porcos selvagens.

Para Rebecca Cairns-Wicks, atual coordenadora do St Helena Research Institute, "a ilha hoje é resultado de ações humanas nos últimos 500 anos". E que o diga o atento Charles Darwin. De regresso para casa após sua viagem ao redor do mundo, o jovem cientista faria uma parada de quatro dias em Santa Helena, onde mal pôde ver uma árvore.

A situação naquela ilha semideserta só começaria a mudar nos últimos 20 anos com o projeto The Millennium Forest ("A Floresta do Milênio", em português) que, desde o ano 2000, recupera a antiga (e devastada) Great Wood, uma extensa área no nordeste da ilha.

Gerenciado desde 2002 pela Saint Helena National Trust, uma organização sem fins lucrativos com apoio da Darwin Initiative e do programa BEST da Comissão Europeia, o projeto teve 4 mil árvores plantadas em seu primeiro ano de funcionamento.

A Greta do século 19

Vulcão - Wellcome Library, London - Wellcome Library, London
Alexander von Humboldt escalando um vulcão na América do Sul
Imagem: Wellcome Library, London

Política ambiental só se tornaria assunto ocidental a partir da primeira metade do século 20, quase 150 anos depois de Humboldt se aventurar em florestas da Venezuela e explorar vulcões no Equador.

Já no Brasil, a primeira medida foi o Código Florestal de 1934 que tornava obrigatória a preservação de 25% da mata original em áreas de cultivo, dando origem, posteriormente, ao conceito de APP (Área de Preservação Permanente).

Uma das ideias mais famosas de Humboldt é a de que tudo está interligado, em uma natureza que é um reflexo do todo. Após sua expedição pela América Latina, entre 1799 e 1804, Humboldt se tornaria "o primeiro cientista a falar das nocivas alterações climáticas causadas pelo homem", segundo sua biógrafa Andrea Wulf.

Em sua visita ao Lago de Valência, um dos maiores da Venezuela, o naturalista alemão ficaria sabendo por meio de moradores locais que o nível das águas vinha baixando em velocidade acelerada.

Sem conexão com o mar e diante de uma notável escassez de árvores que pudessem controlar a evaporação de suas águas, o lago era um terreno exposto ao clima e impossibilitado de reter seu próprio volume. Nas conclusões de Humboldt, o desvio para uso da irrigação da agricultura e a derrubada das florestas ao redor eram os responsáveis pela vazão daquelas águas.

Mais de dois séculos depois da tragédia anunciada pelo alemão, as comunidades que hoje vivem ao redor do lago sofrem com sua contaminação e constantes transbordamentos que afetam cerca de 900 famílias da região.

Em sua última expedição da vida, quando chegou a percorrer mais de 16 mil km em seis meses, Humboldt levantaria problemas similares na Rússia. Como se adiantasse o futuro em 200 anos, Humboldt falava de desmatamento de florestas para gerar energia em máquinas a vapor, drenagem de áreas alagadas para criação de campos cultiváveis e poluição produzida em áreas industriais.

Para Andrea Wulf, enquanto descrevia a alteração do clima pela humanidade, o alemão se tornava o primeiro cientista ocidental a relacionar a ação humana com a degradação da natureza, tornando-se "o pai do movimento ambientalista".

Aprendizes ilustres, mestres desconhecidos.

Davi  -  Victor Moriyama/ISA -  Victor Moriyama/ISA
Ao centro: Davi Kopenawa Yanomami no encontro de Lideranças Yanomami e Ye'kuana
Imagem: Victor Moriyama/ISA

Não foram poucos os que se beneficiaram com os estudos propostos por Humboldt.

O escritor e cientista Goethe se entusiasmava com as longas conversas com o alemão sobre ciências naturais, e Charles Darwin não teria escrito "A origem das espécies" sem a leitura das obras de Humboldt, nas palavras do próprio Darwin.

Diferente dos exploradores eurocêntricos que encaravam os indígenas como selvagens, Humboldt costumava inclui-los em seus estudos de campo, enchendo-os de perguntas que eram traduzidas por intérpretes locais. O alemão queria saber ao máximo sobre aqueles que, em sua opinião, eram "os melhores observadores da natureza".

No entanto, é interessante que Humboldt seja visto como pioneiro nesses conceitos tão comuns aos povos indígenas que viviam nas Américas há milhares de anos. E, apesar de Humboldt procurar ouvir indígenas em suas pesquisas, a ciência ocidental demorou mais de uma centena de anos até reconhecer os saberes dos povos originários e ouvir suas profecias. No Brasil, o primeiro livro assinado por autores indígenas só foi publicado em 1980.

Em 2015, vimos um antropólogo (o francês Bruce Albert) deixar de colocar os povos indígenas como objeto de estudos e torná-los seus autores. Foi assim que nasceu, depois de dez anos de entrevistas, o clássico "A queda do céu: palavras de um xamã yanomami" que Albert escreveu com o líder indígena Davi Kopenawa.

Nesse livro, Kopenawa repete o que os yanomami têm anunciado desde que tiveram contato com os brancos: uma profecia de fim do mundo que começa com a destruição da natureza (e, mais especificamente, da Amazônia), vai dizimar os yanomami e os demais habitantes da floresta, e terminar com o fim dos próprios brancos, que Davi chama de "povo da mercadoria". É a sabedoria milenar e oral de um povo que decidiu, no século 21, convertê-la para as "peles de papel" para que os brancos possam entendê-la.

"Seu pensamento está concentrado em objetos o tempo todo, não param de fabricar e querem sempre coisas novas... temo que sua excitação pela mercadoria não tenha fim e acabem enredados nela até o caos.", diz Kopenawa.

E, em pleno 2021, seguimos discutindo os mesmos assuntos que já eram preocupações há mais de 500 anos. Não foi por falta de aviso.

SAIBA MAIS

'A invenção da Natureza'

de Andrea Wulf

editora Crítica


"Viagem de um naturalista ao redor do mundo"

de Charles Darwin

L&PM Editores


"A Queda do Céu: palavras de um xamã yanomami"

de Davi Kopenawa e Bruce Albert

Editora Companhia das Letras