PUBLICIDADE
Topo

Plural é um projeto colaborativo do UOL com coletivos independentes, de periferias e favelas para a produção de conteúdo original


Conversa de Portão #16: Como está o hábito de leitura das mulheres?

De Ecoa, em São Paulo

10/01/2021 04h00

Não foi fácil ler em 2020. Mesmo passando mais tempo em casa devido à pandemia, encontrar condições — dentro e fora de si — para se concentrar na leitura foi um desafio para muitas pessoas.

Para mulheres periféricas, a dificuldade é ainda maior: a sobrecarga do trabalho e das funções de cuidado, as escolas e bibliotecas fechadas, os filhos em casa, a falta de tempo e de espaço fazem com que seja raro ter um momento de tranquilidade em que se possa abrir um livro.

"É muito difícil pra nós enquanto mulheres periféricas por conta do tempo, principalmente para as que são mães, que geralmente tem que cuidar da casa, das crianças, trabalhar, ainda mais nesse período de pandemia, que as crianças não estão indo pras creches e escolas", coloca Michele Andrade (a partir de 4:00 do arquivo acima).

A leitura foi o tema deste 15º episódio do Conversa de Portão, que contou com a participação de Alessandra Leite e Michele Andrade, da Biblioteca Comunitária Djeane Firmino, localizada na região do Campo Limpo, na zona sul de São Paulo.

A biblioteca tem uma forte conexão com o bairro e com a cultura periférica — seu nascimento tem relação com o Sarau do Binho, que criou o espaço em 2009, então chamado Brechoteca. Alguns anos depois, foi assumido pela coletiva Achadouras de Histórias, da qual as entrevistadas fazem parte.

"Na nossa biblioteca a gente procura incentivar e dar acesso à literatura produzida por autores periféricos, mulheres e homens negros, que seja permeada pela imagem de pessoas pretas. É a partir da representatividade, do reconhecimento, que o leitor vai conseguir se identificar com aquele material e superar suas dificuldades na leitura", diz Alessandra Leite (a partir de 12:13 do arquivo acima).

Ela afirma que o acesso ao livro e a educação, tanto no sentido do letramento quanto de não haver diversidade no currículo escolar, são dois dos principais obstáculos à leitura.

Nesse contexto, a biblioteca Djeane Firmino desempenha um papel fundamental, e tem feito falta a muitos leitores durante a pandemia. "Teve muita procura de mães de leitores e de leitores, perguntando quando e se ia abrir, Eles sentiram muito, muitas crianças frequentavam todos os dias a biblioteca", conta Michele Andrade (a partir de 8:09 do arquivo acima).

O Conversa de Portão é um podcast produzido pelo Nós, Mulheres da Periferia em parceria com UOL Plural. Novos episódios são publicados toda terça-feira. Este episódio teve produção de Carol Moreno, direção musical de Sabrina Teixeira Novaes, trilha sonora e edição de som por Sabrina e Camila Borges.

Os podcasts do UOL estão disponíveis em uol.com.br/podcasts e em todas as plataformas de distribuição. Você pode ouvir Conversa de Portão, por exemplo, no Youtube, no Spotify, no Google Podcasts e no Deezer.