PUBLICIDADE
Topo

Diversidade

"O empreendedorismo brasileiro é negro", declara Adriana Barbosa

Adriana Barbosa, idealizadora da Feira Preta - Pablo Saborido/UOL
Adriana Barbosa, idealizadora da Feira Preta Imagem: Pablo Saborido/UOL

Thaís Regina

Colaboração para Ecoa, de São Paulo

24/11/2020 17h12

Ativa desde 2002, a Feira Preta é o maior festival de cultura negra da América Latina. Na sua primeira edição completamente virtual, devido à pandemia do novo coronavírus, o Festival que geralmente acontece em São Paulo integra várias plataformas e aposta na troca de experiências e formação política, profissional e cultural.

Ontem (23), a idealizadora da Feira Preta, CEO da PretaHub e colunista de Ecoa, Adriana Barbosa encontrou Sibongile Musundwa, Diretora da The Hive Network da África do Sul - DICE, com mediação da produtora cultural Priscila Fonseca, para falar sobre empreendedorismo social. Partindo de uma dimensão subjetiva de se reconhecer como empreendedor, a conversa passou por desafios práticos e estruturais que se impõem para o empreendedor negro. Afinal, quem pode empreender?

"O estereótipo do empreendedor é o homem branco engravatado que segura uma mala: esse é o bem-sucedido. A realidade é que o o empreendedorismo brasileiro é negro", declara Adriana Barbosa, "É preciso a desconstrução dessa figura, que deveria ser uma mulher negra, que é de fato a cara do empreendedor no Brasil. Para ter sucesso no Brasil, ser um empreendedor e ter uma vida a longo prazo exige estudar para saber quais são os códigos do sistema empreendedor. Cada área tem códigos muito específicos. Quanto tempo você dedica para estudar sobre o que é o seu negócio? O empreendedor brasileiro tem um quê de imediatismo, de vender hoje para comer amanhã. E a possibilidade de sonhar o futuro? Vem do planejamento. A gente precisa sair do empreendedorismo da necessidade para o empreendedorismo oportunidade."

A reflexão de Barbosa vem de 19 anos de atuação na área, mas quando ela começou a empreender, fazia parte desse "empreendedorismo da necessidade" que descreve acima. "Eu, na verdade, fui escolhida pelo empreendedorismo, fui me descobrindo no processo", diz. Ela conta que estava desempregada e precisava ter dinheiro para pagar as contas, só com o passar do tempo que começou a aprender as potencialidades e desafios da área e, como ela descreve, mergulhar no ecossistema empreendedor. Assim começou sua investida no empreendedorismo segmentado para a população negra. Adriana não é exceção no cenário nacional: no Brasil, maior parte da população empreendedora é negra. Isso acontece por uma estrutura de exclusão do mercado de trabalho que força as pessoas a construírem suas próprias empresas para poderem experienciar posições de autonomia e poder. Perante esse cenário, a missão de Barbosa passou a ser aprender cada vez mais, estimular a produção de conhecimento e disseminar as informações.

Sobre a experiência na África do Sul, Sibongile pontua que o país é extremamente diverso e isso pode ser um desafio ou trunfo. Enquanto aceleradora de microempreendedores negros, cabe à Hive estimular o mais proveitoso senso de comunidade que pode surgir desse cenário. "Quando você vê esses diferentes pontos de vista, isso não necessariamente significa barreiras, mas todo mundo pode ser unido por oportunidades; o que podemos fazer pelo nosso povo, pela sociedade? Isso nos ajuda a nos mover", declara Musundwa. Segundo ela, diferentemente do Brasil, a mentalidade dos sul-africanos ainda é muito mais direcionada para buscar se inserir no mercado de trabalho por meio de um emprego formal.

Com a pandemia de Covid-19, o empreendedor negro foi o mais prejudicado mundialmente — e na África do Sul não foi diferente. Sibongile conta que as maiores dificuldades foram o acesso à internet e apoio financeiro do governo. A Hive trabalha com economia criativa, ou seja, com produtoras audiovisuais, fotógrafos, artistas, setor alimentício, área que no total representa menos de 5% do PIB, logo, a menos assistida pelo governo. "Está sendo bem desafiador e até desesperador, mas existem exemplos, histórias de empreendedores muito resilientes", diz. Sibongile conta que gostaria a curto prazo integrar mais seus clientes, solidificar o senso de comunidade entre os criativos, assim como a PretaHub tem feito com sucesso nos últimos anos. Pessoalmente, ela diz que essa rede faz toda a diferença. "Eu não consigo imaginar como teria sido ter que resolver tantos problemas e lidar com as crises que eu tive sem minha rede de apoio e acho que empreendedores precisam disso, especialmente para que não se torne tão solitário quanto sabemos que pode ser", conta.

Sobre as consequências da pandemia no Brasil, Adriana pontua que são muitas similaridades com o país africano: falta de acesso ao sinal de internet, a própria infraestrutura para se ter acesso à internet é cara, o espaço de memória do computador ou celular muitas vezes é insuficiente para trabalhar, além do baixo acesso à tecnologia e quase nulo letramento digital, ou seja, há uma carência na educação do empreendedor para saber a diferença entre um market place e um e-commerce ou ainda como fazer uma transmissão ao vivo. A PretaHub abriu um processo de de aceleração tecnológica em 6 meses para tentar remediar o problema. Assim como na África do Sul, o acesso a crédito é seletivo. "O Brasil construiu mecanismo financeiro para sustentar as empresas, mas não conseguir fazer a distribuição do dinheiro, não chegou na ponta. Além disso, o repasse dos créditos focou nos bancos e, tradicionalmente no Brasil, os bancos não olham para as pessoas negras como clientes", denuncia Barbosa.

Para lidar com essa face da crise, PretaHub criou um Fundo de Emergências Econômicas: um apoio financeiro de 3 meses para mais de 500 empresas no Brasil todo. As ações consistiam em repasse financeiro, cartão de crédito, vale alimentação, mentorias, crédito para impulsionar nas redes sociais, suporte psicológico com psicólogas negras para ajudar os empreendedores a lidar com economia e as crises que podem decorrer desse período. Foi feito à parte um grupo para mulheres de 50 a 100 anos, o qual tem apoiado 65 mulheres por 6 meses. "Agora o grande desafio é como a gente vai avançar", declara Adriana.

Um caminho provável é inverter a lógica em que a Feira Preta tem atuado nos últimos anos, sem deixar de ser relevante nacionalmente. "Por muito tempo a gente olhou pro macro do empreendedorismo negro no Brasil; a partir da experiênca da Casa Preta Hub, a gente quer replicar essa iniciativa e agir localmente. Atuar no micro de cada território e estimular para que essas experiências locais possam ser replicadas em cada vez mais localidades", revela Adriana. Dessa forma, as experiências das empreendedoras são complementares: Adriana quer atuar mais localmente, enquanto Sibongile deseja fortalecer sua comunidade e expandir a presença da Hive. Ambas concordam que o segredo está em despertar o senso de comunidade nos negócios. "Não tem como prosperar se não for em rede, especialmente o empreendedor negro, tendo em vista todas as complexidades que enfrentam e, para sair disso, vai ter que ser junto, em rede", conclui a empreendedora engajada brasileira. Ao longo da semana, a Feira Preta promove mais encontros como esse com assuntos que vão de tecnologia à ancestralidade, de comportamento político à automaquiagem.

A programação completa pode ser encontrada aqui no site do evento.

Diversidade