PUBLICIDADE
Topo

Sítio ecofeminista referência em PE quer expandir atuação e acolhimento

Sítio Ágatha, em Tracunhaém, Pernambuco - Divulgação
Sítio Ágatha, em Tracunhaém, Pernambuco Imagem: Divulgação

Lígia Nogueira

Colaboração para Ecoa, em São Paulo

16/09/2020 12h56

Conhecida como a cidade do artesanato de barro, Tracunhaém, em Pernambuco, é também o lugar onde está localizado o Sítio Ágatha, espaço agroecológico formado por três gerações de mulheres negras em uma das parcelas do Assentamento Chico Mendes e que se tornou referência em formas de produção e de relação com a terra nos últimos anos.

A partir de 2006, quando o Sítio foi fundado, aos poucos as lonas pretas foram se transformando em uma casa de taipa para acolher integrantes dos movimentos de agricultura familiar. As fundadoras articularam plantios em mutirões inicialmente para a subsistência das famílias e mais tarde chegaram a abastecer as feiras da região, atribuindo uma função social à terra ocupada.

É um espaço de militância feminista, antirracista e agroecológica. A gente tem construído isso com muito cuidado
Luíza Cavalcante, fundadora do Sítio Ágatha

Desde o começo, o espaço conta com a cooperação de muita gente, seja por meio de mutirões agroecológicos, seja servindo de moradia, seja por meio do acolhimento que realiza. Agora, a casa de taipa construída há 14 anos precisa de um teto para que o projeto tenha continuidade. Levantar fundos para a ampliação necessária é o intuito da campanha online "Partilhar para ver brotar".

A meta de R$ 16.500 precisa ser batida até o dia 25 de setembro. Qualquer pessoa pode apoiar a causa com doações a partir de R$ 20.

"É um local de acolhimento, sobrevivência, realização de sonho e prosperidade", diz Nzinga Cavalcante, cofundadora do Sítio Ágatha.

Como ajudar

As doações estão sendo feitas pela plataforma de financiamento coletivo Benfeitoria com valores a partir de R$ 20.