PUBLICIDADE
Topo

Meio ambiente

Satélite 100% nacional traz autonomia para Brasil, diz pesquisador do INPE

Satélite Amazônia-1 é desenvolvido inteiramente no Brasil por engenheiros e cientistas do INPE - Divulgação/INPE
Satélite Amazônia-1 é desenvolvido inteiramente no Brasil por engenheiros e cientistas do INPE Imagem: Divulgação/INPE

Diana Carvalho

De Ecoa, em São Paulo

02/09/2020 04h00

Uma estrutura de 640 kg com 2,5 metros de altura, desenvolvida ao longo de 12 anos por engenheiros e cientistas brasileiros, terá o seu "futuro" decidido em apenas 18 minutos a bordo de um foguete.

Esse é o tempo de voo para que o satélite Amazônia-1 seja colocado em órbita, a 752 km de altitude em relação à Terra. O lançamento acontecerá em fevereiro de 2021, em uma base da Índia, e inclui o Brasil em um seleto grupo de 20 países que são capazes desenvolver o próprio satélite.

"O Amazônia-1 é um marco para o país. Ele foi criado do zero, de uma folha de papel em branco. Nunca tivemos um satélite dessa complexidade produzido por aqui. Ou trabalhamos em parceria ou compramos. Para o Amazônia-1, criamos produtos inéditos, como mecanismos de abertura de painel solar. Isso, além de trazer um ganho tecnológico, gera valor para a indústria nacional, que teve um investimento de 70%", afirma Adenilson Roberto da Silva, engenheiro e coordenador do Programa de Satélites do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe).

Com tecnologia de sensoriamento remoto, o Amazônia-1 leva um imageador similar ao dos satélites CBERS-4 e 4A, desenvolvidos em parceria com a China e atualmente em órbita, que fornecem imagens e dados para o monitoramento do desmatamento na região amazônica. O satélite brasileiro poderá contribuir ainda com dados sobre a região costeira, de reservatórios de água, florestas naturais e cultivadas, e de desastres ambientais - principalmente em caso de inundações e queimadas.

Painéis solares desenvolvidos para o Amazônia-1 - Divulgação/INPE - Divulgação/INPE
Painéis solares desenvolvidos para o Amazônia-1
Imagem: Divulgação/INPE

Autonomia brasileira

Recentemente, o ministério da Defesa anunciou a compra de um microssatélite pelo valor de R$ 145 milhões para monitorar a Amazônia. Sem divulgar maiores detalhes, o governo gerou dúvida sobre a real eficácia e necessidade de compra do equipamento. Para o engenheiro do INPE, é impossível fazer uma comparação com o satélite desenvolvido no país.

"Tudo depende para qual fim ele foi projetado, não dá para fazer nenhuma comparação porque nada foi informado, o que sei é que são tecnologias distintas. O Amazônia-1 é um satélite óptico e o que querem comprar é um satélite de radar".

O Amazônia-1 será lançado em fevereiro de 2021, em um base da Índia  - Divulgação/INPE - Divulgação/INPE
O Amazônia-1 será lançado em fevereiro de 2021 na Índia
Imagem: Divulgação/INPE

Um satélite óptico atua na área visível, sem conseguir, por exemplo, produzir imagens abaixo de nuvens. Já o de radar consegue realizar essa leitura. No entanto, é preciso um volume maior de recursos para processar todas imagens e dados captados.

"Quanto ao Amazônia-1 o que podemos afirmar, com toda certeza, é que o satélite traz autonomia para o Brasil. A dependência de tecnologias de fora nunca é um bom negócio. Quando você compra algo de fora todo mundo sabe o que você está precisando e qual é a sua capacidade. A partir do momento que você desenvolve, por exemplo, um satélite, você não só fomenta a própria indústria, como tem o controle de toda a operação, dados 100% brasileiros. Não há nenhum risco de perda dessas informações, que são de extrema importância para o país.", diz.

Projeto pode se desdobrar

A plataforma multimissão, ainda aberta, integrada à carga útil (câmera, gravador e transmissor de dados), formando o satélite Amazonia-1. - Divulgação/INPE - Divulgação/INPE
A plataforma multimissão, ainda aberta, integrada à carga útil (câmera, gravador e transmissor de dados), formando o satélite Amazônia-1.
Imagem: Divulgação/INPE

Outro ponto destacado pelo pesquisador do INPE é o avanço do Brasil na área de desenvolvimento espacial com a construção da Plataforma Multimissão (PMM), que pode servir de base para a criação de outros satélites. É ela que compõe o conjunto de subsistemas (equipamentos para desempenhar uma função) vitais para um satélite. A PPM pode ainda atender diferentes finalidades, como aplicações de radar e científicas, como a observação de uma galáxia.

"A plataforma multimissão começou muito antes do Amazônia-1. Ela funciona como uma base que ajuda a diminuir o custo e o tempo de produção. Um satélite como esse, que levou mais de uma década no processo de desenvolvimento e qualificação, poderia ser produzido agora em três anos, por exemplo", garante Silva.

Dentro do Amazônia-1 há pelo menos 6 km de fios e 16 mil conexões elétricas. Todas devem ser testadas, uma a uma, exaustivamente. Além disso, é preciso realizar inúmeros testes, entre eles, estruturais e térmicos, que visam estimular variações de temperatura. Durante uma órbita, o satélite pode enfrentar variação de mais de 150ºC entre a parte sob incidência solar e a parte escura (na sombra da Terra). O teste térmico é contínuo e o mais longo, que pode ter o seu tempo otimizado com o uso da plataforma.

"É como se fosse um caminhão. Quando você vai em uma concessionária escolher qual comprar, você tem a cabine e o chassi, certo? Dependendo da carga que você vai transportar, você precisa de uma carreta de dois ou três eixos. A plataforma é como se fosse o chassi, onde você coloca um tipo de satélite para determinada missão, como um caminhão e sua carreta, que pode transportar diferentes tipos de carga", explica Silva.

"Operação de guerra"

Com a pandemia de Covid-19, o lançamento do Amazônia-1, que estava marcado para setembro deste ano, precisou ser adiado. Agora, mais de 70 engenheiros e cientistas se preparam e trabalham para enviar o satélite para a Índia, onde ele será lançado em um foguete PSLV. De 1994 a 2017, o modelo já lançou 48 satélites indianos e 209 para clientes do exterior, todos com operações bem-sucedidas.

"No Brasil, temos a base de Alcântara, no Maranhão, mas ela não comporta esse tipo de lançamento. Por isso vamos até a Índia", conta o engenheiro, antes de explicar a logística. "É uma verdadeira operação de guerra".

Detalhe do Amazônia-1 com painéis solares ainda fechados - Divulgação/INPE - Divulgação/INPE
Detalhe do Amazônia-1 com painéis solares ainda fechados
Imagem: Divulgação/INPE

O Amazônia-1 será colocado em dois contêineres enormes, com 26 toneladas de equipamento reserva. Um avião cargueiro fará todo o transporte. "O voo deve acontecer no final de dezembro e a partir daí teremos mais dois meses de testes. Primeiro vamos checar a 'saúde', se nenhum componente foi danificado durante a viagem, depois passamos a testar em conjunto com o foguete. Afinal, em determinado momento, os dois serão uma peça única".

Vinte engenheiros brasileiros devem se revezar durante esse período na Índia, enquanto o restante da equipe acompanhará todo o processo de São José dos Campos, no INPE. "A partir do momento que o lançador liberar o Amazônia-1, em 752 km de altura, todos os comandos vão ser enviados daqui, do Brasil".

De acordo com Silva, o custo do lançamento é um valor à parte ao investido no desenvolvimento do satélite e da plataforma de multimissão, já que depende de uma negociação e pode envolver "carona" para o lançamento de outros satélites. A criação do zero, de todo o projeto, teve um investimento de R$ 380 milhões.

Meio ambiente