PUBLICIDADE
Topo

Meio ambiente

Celebridades se unem a Greta Thunberg em carta para líderes globais

O ator Leonardo DiCaprio é um dos apoiadores da campanha - Reprodução / Internet
O ator Leonardo DiCaprio é um dos apoiadores da campanha Imagem: Reprodução / Internet

De Ecoa, em São Paulo

23/07/2020 04h00

"Tratem a crise climática e ecológica como uma emergência". Essa é a cobrança que a jovem sueca Greta Thunberg faz a líderes globais. A ativista assinou uma carta aberta, ao lado de outros três jovens ligados à causa ambiental - Luisa Neubauer, Anuna de Wever e Adelaide Charlier -, que pede medidas urgentes e concretas para evitar um desastre.

A campanha #FaceTheClimateEmergency é composta por uma carta aberta dirigida a membros da União Europeia que já foi assinada por mais de 80 mil pessoas, incluindo cientistas, atrizes, atores, músicos e influenciadores. Em menos de 24 horas, a petição já batia mais de 50 mil assinaturas.

Entre as personalidades que apoiam a campanha, estão a cantora Billie Eilish, o ator Leonardo DiCaprio, as atrizes Susan Sarandon e Jane Fonda, a jovem ativista Malala Yousafzai, a banda Coldplay, o cantor Shawn Mendes e muitos outros. A líder indígena Sônia Guajajara e o cientista Carlos Nobre estão entre os brasileiros apoiadores.

No documento, o grupo pede que as autoridades globais tratem a crise climática com a mesma importância que dão à pandemia de Covid-19, que já deixou milhares de vítimas pelo mundo. Greta e os outros jovens fazem ainda um alerta: "se as mudanças necessárias para proteger a humanidade podem parecer impossíveis, é muito mais impossível acreditar que nossa sociedade será capaz de sobreviver ao aquecimento global que estamos enfrentando."

A petição pede ainda que "parem os investimentos na exploração e extração de combustíveis fósseis" e que defendam o ecocídio como um crime internacional. Por fim, os ativistas cobram políticas climáticas que protejam os trabalhadores e os mais vulneráveis e reduzam todas as formas de desigualdade: econômica, racial e de gênero.

"A justiça climática e ambiental não pode ser alcançada enquanto continuarmos a ignorar e desviar o olhar de injustiças sociais, raciais e de opressão. A luta por justiça e eqüidade é universal. Seja a luta por justiça social, racial, climática ou ambiental, igualdade de gênero, democracia, direitos humanos e dos povos indígenas, LGBTQ e animais, liberdade de expressão e imprensa ou luta por uma vida equilibrada e bem-estar. Se não temos igualdade, não temos nada. Não precisamos escolher e nos dividir sobre qual crise ou questão devemos priorizar, porque tudo interconectado".

O site da campanha possui ainda uma ferramenta para colocar a hashtag do movimento em sua foto de perfil no Instagram.

Meio ambiente