PUBLICIDADE
Topo

Etnias indígenas se veem pela primeira vez representadas na TV em "Aruanas"

Raoni ( Abraão Mazuruna ) e Payall ( Kay Sara ), de "Aruanas" - Fabio Rocha/Globo
Raoni ( Abraão Mazuruna ) e Payall ( Kay Sara ), de "Aruanas" Imagem: Fabio Rocha/Globo

Marcos Candido

De Ecoa, em São Paulo

30/06/2020 04h00

"É muito triste tudo isso que está acontecendo e me deixa indignada", diz Kay Sara. A indígena atua no elenco de "Aruanas", série que retrata os conflitos ambientais que afetam violentamente a população originária na Amazônia. A trama, que tem seu último capítulo hoje (30), retrata uma investigação contra garimpeiros na região amazônica, encabeçada por amigas à frente da ONG Aruana. "As [cenas de Aruanas] são fictícias, mas não podemos descartar que se ampliam na vida real", diz Kay.

A primeira cena da personagem Natalie, interpretada pela atriz Débora Falabella, retrata um massacre em uma aldeia indígena. "Gravamos em uma aldeia indígena real, com atores indígenas e figurantes que estavam ali, em uma situação de cena em que tinham sido massacrados. Foi dificílimo, realmente emocionante. Ao mesmo tempo, foi algo triste porque se trata de uma realidade", relembra a atriz.

Conflito armado em "Aruanas"; série criou cidade fictícia de Cari, onde concentram-se conflitos comuns na região - Fabio Rocha/Globo - Fabio Rocha/Globo
Conflito armado em "Aruanas"; série criou cidade fictícia de Cari, onde concentram-se conflitos comuns na região
Imagem: Fabio Rocha/Globo

Além de Kay Sara, no papel de Payall, a série teve Abraão Mazurana (Raoni) em papel de destaque e mais de 30% do elenco — entre 131 atores e 2000 figurantes — composto por indígenas e moradores da região amazônica. Desenvolvida pela Maria Farinha Filmes e Globo, a filmagem foi feita com 47% da equipe feminina. O elenco global conta ainda com as atrizes Leandra Leal (Luísa), Taís Araújo (Verônica) e Thainá Duarte (Clara).

Eu sou o primeiro representante da minha etnia Matsés na televisão. Sei que existem indígenas de outras etnias atuando há bastante tempo, mas eu me sinto de certa forma representando todos os povos

Abraão Mazuruna, ator de "Aruanas"

A primeira ideia de "Aruanas" surgiu em 2012, em uma troca de e-mails entre a diretora Estela Renner e um ativista ambiental. Não à toa, "Aruanas" foi desenvolvida em parceria da Globo com ONGs ambientais e de justiça social, como a Anistia Internacional, a WWF, Global Witness e Greenpeace, que é parceiro técnico da produção.

Estela é cofundadora da Maria Farinha Filmes, produtora conhecida por promover justamente causas sociais e ambientais em suas obras. Ela também dedicou-se a temas ligados à educação, como "Muito além do peso", "Criança: a alma do negócio" e "O começo da vida". A criação de um roteiro ficcional em "Aruanas" também é uma maneira de refletir sobre educação ambiental.

A nossa cultura diz que a natureza não faz parte da gente. É como se a Amazônia, meio ambiente e a natureza em si fossem assuntos separados. Enquanto não mudar a relação de dominação para pertencimento, vai ser difícil se relacionar com os povos indígenas aqui de São Paulo ou da Amazônia. Na nossa educação, é inserida a ideia de que se coloca cimento em tudo e isso é o certo

Estela Renner, diretora de "Aruanas"

Na prática, a Globo e Maria Farinha Filmes reutilizaram 90% do figurino, que foi criado a partir de roupas de segunda mão com o objetivo de gerar menos resíduos descartados na natureza.

Marcos Nisti, sócio-fundador da Maria Farinha Filmes e CEO do Alana, organização que abrange o Instituto Alana, um dos principais grupos em prol dos direitos da criança e da educação no país, é um dos autores e acredita que o respeito ao lugar de fala dos indígenas e mulheres ressalta que todos os contextos de vidas devem se preocupar e são afetados diretamente pela degradação do meio ambiente.

Luiza (Leandra Leal ), Natalie (Débora Falabella ), Clara (Thainá Duarte ) e Verônica (Taís Araújo ); personagens interpretam ambientalistas que investigam denúncias de minério em terra indígena - Fabio Rocha - Fabio Rocha
Luiza (Leandra Leal ), Natalie (Débora Falabella ), Clara (Thainá Duarte ) e Verônica (Taís Araújo ); personagens interpretam ambientalistas que investigam denúncias de minério em terra indígena
Imagem: Fabio Rocha

"A gente faz parte de uma sociedade em que colocamos na cabeça de que é preciso consumir para a economia andar, gerar emprego e produzir consumidores. A partir do momento que você se dedica ao consumo, há distanciamento das outras áreas da vida. Não tem uma causa, uma razão para isso acontecer. Para propor novas rotas para um problema cultural, de repente, é necessário propor novas culturas e formas de viver, como buscamos com nossos documentários e com 'Aruanas' ", diz Marcos.

"Estamos falando de meio ambiente. Falamos de poluição, por exemplo, de um rio. Os indígenas são ainda mais afetados, mas a poluição também afeta os europeus, digamos. Está todo mundo no mesmo barco", conclui.

Campanha #MudaQueEcoa - banner 2 -  -

Participe da campanha #MudaQueEcoa e compartilhe as mudanças positivas que adotou durante a quarentena e vai manter no futuro!

Basta compartilhar um vídeo de até 30 segundos via Stories do Instagram contando qual foi a mudança adotada no período que pretender manter pós-quarenta e convidar três pessoas para compartilharem as suas histórias. Não se esqueça de usar a #MudaQueEcoa e marcar o @Ecoa_UOL, além dos amigos escolhidos.

Diversidade