PUBLICIDADE
Topo

Apesar de risco de evasão, jovens são otimistas com inovação na educação

Alex Almeida/Folhapress
Imagem: Alex Almeida/Folhapress

Diana Carvalho

De Ecoa, em São Paulo

25/06/2020 04h00

Isolamento social, preocupação com a saúde de familiares, instabilidade financeira e dificuldades para se adaptar a uma nova rotina de estudos são alguns dos fatores que podem levar à evasão escolar entre jovens estudantes.

O levantamento "Juventudes e a pandemia do coronavírus", lançado nesta terça-feira (23), mostrou que quase 30% dos jovens pensam em deixar a escola e, entre os que planejam fazer o Enem (Exame Nacional do Ensino Médio), 49% já pensaram em desistir. Apesar do cenário desanimador, em que 34% dos jovens se sentem pessimistas com relação ao futuro, a pesquisa mostrou perspectivas positivas sobre a capacidade da sociedade superar a crise.

Para os jovens, o distanciamento social provocado pelo coronavírus e a instituição do home office como alternativa real e produtiva para o trabalho podem oferecer novas oportunidades de emprego para quem mora afastado de grandes centros urbanos. Além disso, 48% também acreditam que surgirão novas formas de estudo, mais dinâmicas e acessíveis do que as atuais.

Pesquisa "Juventude e a pandemia do Coronavírus" - Reprodução - Reprodução
Imagem: Reprodução

Para além das atividades escolares, jovens também têm buscado métodos de aprendizado por conta própria. Além dos já requisitados vídeos, 4 a cada 10 estão fazendo cursos online e consultando livros (impressos ou digitais).

Pesquisa "Juventude e a pandemia do coronavírus" - Reprodução  - Reprodução
Imagem: Reprodução

O levantamento, que entrevistou 33.688 jovens de todas as regiões do país entre 15 e 31 de maio foi realizado pelo Conselho Nacional da Juventude (Conjuve) em parceria com a rede Em Movimento, Fundação Roberto Marinho, Mapa Educação, Porvir, Rede Conhecimento Social, Unesco e Visão Mundial.

A pesquisa questionou jovens em relação a quatro temas - economia; saúde e bem-estar; educação; e perspectivas para o futuro - e em todos eles a instabilidade está presente de alguma forma.

Com relação ao estudo remoto, o que chama atenção é o lado emocional dos estudantes, que tem dificultado o aprendizado muito mais do que a falta de infraestrutura tecnológica para acessar conteúdos. Uma das queixas está relacionada à organização e à necessidade de um ambiente tranquilo para estudar em casa. Frente a isso, seis em cada dez jovens consideram que suas instituições de ensino devem priorizar atividades para lidar com as emoções; e cinco em cada dez querem aprender estratégias para gestão de tempo e organização.

Para Marcus Barão, vice-presidente do Conselho Nacional da Juventude, o estudo tem como objetivo apoiar e influenciar a ação de tomadores de decisão, das esferas pública e privada, para a construção de novos caminhos e perspectivas pós-pandemia.

"A gente tem hoje a maior geração de jovens da história do Brasil. A pandemia de Covid-19 mostra um contexto muito perigoso para o futuro dessa população, que está em uma etapa de transição, em que passa a atuar de maneira ativa na economia e na sociedade do país. Uma crise tem efeitos diretos na vida desse jovem, desde sua inserção no mercado profissional, passando pela remuneração e a precarização da força de trabalho. Então, se antes da pandemia, os jovens já enfrentavam uma taxa média de desemprego, lidavam com problemas de saúde mental e disparidade no acesso à educação, hoje, esse cenário só se agrava", afirma.

A mesma opinião tem a deputada federal Tábata Amaral (PDT-SP), que participou de um evento virtual de divulgação dos dados da pesquisa. "A pandemia, em si, não criou nenhuma desigualdade, só escancarou todas as nossas mazelas". Para a parlamentar, um país mais justo e desenvolvido só se dá por meio de uma educação de qualidade para todos. "É preciso voltar a entender o valor da educação, da ciência, em nosso país".

Marcus Barão aponta ainda que a falta de investimentos de governos na educação e na ciência reflete na própria percepção e desejo dos jovens com relação ao futuro. Cerca de metade dos entrevistados considera que a sociedade em geral vai valorizar mais os educadores, que a ciência e a pesquisa receberão mais investimentos e que as relações humanas e a solidariedade também serão mais valorizadas.

"É uma percepção que se dá muito pelo momento que estamos vivendo hoje, sobre o quanto a ausência de investimento na ciência, na saúde, e na educação reflete em nossa sociedade. A opinião dos jovens com relação a esses setores é positiva, mas mostra um otimismo pautado em uma real e urgente necessidade de mudança", conclui.

Educação