Topo

Série narrada por Will Smith propõe uma reflexão sobre a vida na Terra

Divulgação
Imagem: Divulgação

Giuliana Bergamo

de Ecoa

01/10/2019 08h00

Poucas histórias são tão belas e difíceis de serem contadas para o grande público quanto a do planeta Terra. Além de longa, a narrativa requer a tradução de conceitos complexos para uma linguagem simples. A série "One Strange Rock", produzida pelo canal NatGeo e distribuída também pelo streaming NetFlix, cumpre esse papel com maestria.

Narrados por Will Smith, os dez episódios lançam luz sobre as belezas e os perigos da grande esfera rochosa que habitamos. São convites para a reflexão sobre o nosso papel no equilíbrio da biosfera e na manutenção da vida sobre ela.

O primeiro deles, por exemplo, discute a importância da respiração e de como, por meio dela e do oxigênio, nos relacionamos com o todo. No quinto, há uma discussão sobre a morte, as extinções em massa e a importância delas para a prosperidade do planeta.

Dirigida por Darren Aronofsk, a série traz também entrevistas com oito astronautas da Estação Espacial Internacional e imagens impactantes do espaço. Elas são intercaladas com cenas de pequenos detalhes, como o abrir e fechar das pupilas ou ainda de bolhas de oxigênio formando a atmosfera nos primórdios da história terrestre.

"One strange rock" faz parte da linhagem de séries documentais sobre a vida na Terra inaugurada em 1980 por Carl Sagan (1934-1996). Na época, o norte-americano que colecionava credenciais (físico, biólogo, astrônomo, astrofísico, cosmólogo, escritor, entre outras) encantou espectadores mundo afora com "Cosmos: Uma viagem pessoal".

Os avanços tecnológicos de imagem e som naturalmente colaboram para uma experiência audiovisual mais rica hoje em dia. Mas há poucos seres sobre a Terra capazes de descrever a humanidade e o planeta de maneira tão poética quanto Sagan. São dele as expressões "somos poeira de estrelas" e "pálido ponto azul" ("we are stardust" e "pale blue dot", no original em inglês, respectivamente).

Com ou sem poesia, "One Strange Rock" é um convite para pensarmos sobre nossas origens e nosso impacto na natureza.

Final feliz