Águas da Amazônia

Rios que influenciam no sucesso do agro e em reservatórios do Sudeste são pauta de luta de indígenas e ONGs

Camilla Freitas De Ecoa, em São Paulo (SP)

Às cinco horas da manhã, a pequena Márcia já estava de pé. Todos os dias, ela ia com o pai observar o rio. Ia em silêncio e, antes que tomasse para si a palavra, era interrompida. "Ouça o rio", o pai dizia. Depois de cerca de duas horas a ouvir as águas do Solimões, ela mergulhava. "Confie no rio e aprenda com ele", Márcia ouvia do pai.

"Fui entender mais tarde, com meus estudos e vivências, que meu pai estava me apresentando à sabedoria milenar do rio que, quando criança, eu não entendia, mas que mais tarde iria servir para a formação da minha identidade como mulher kambeba", conta Márcia Wayna Kambeba, mestre em geografia e escritora.

O povo kambeba é o povo das águas. Os mais velhos costumam contar que o povo nasceu de uma gota d'água que caiu do céu em uma grande chuva. Nessa gota, estavam duas gotículas: o homem e a mulher. Quando a gota se arrebentou e liberou as gotículas, elas se chocaram no tronco de uma grande sumaumeira. Ali, nasceram o homem e a mulher kambeba. "Por essa narrativa e cosmologia indígena de que nós somos o povo das águas é que o rio nos tem fundamental importância", diz Márcia.

Os kambebas estão principalmente na região do Alto Solimões, no estado do Amazonas. É em meio ao rio de águas claras que a sobrevivência do povo é garantida. O rio é estrada, é fonte de alimento, é cultura, é pedagogia e, para Márcia, é também poesia. Quando perguntada sobre a importância do rio Solimões para seu povo, ela declama: "A água é a mãe que sustenta/A vida que nasce como flor/Alimenta a planta e o ser vivente/É estrada onde anda o pescador".

Depois de sua poesia "Os filhos das águas dos Solimões", finaliza. "Não existe aldeia kambeba que não seja próxima do rio".

Arte Uol Arte Uol

Filhos d'água

As águas da Amazônia são mães que sustentam não só o povo kambeba. Esse gigantesco bioma que está em nove países (Bolívia, Brasil, Colômbia, Equador, Venezuela, Guiana, França/Guiana Francesa, Peru e Suriname) possui a maior bacia hidrográfica do mundo. A bacia do rio Amazonas cobre cerca de 45% do território brasileiro e mais oito países.

Para 1,2 milhão de pessoas que vivem na Amazônia brasileira, segundo estimativas governamentais, os rios que fazem parte dessa e de outras bacias da região são de fundamental importância. Primeiramente, são eles os principais meios de transporte da região Norte. Como boa parte é navegável, são usados pela população local para a comunicação e comércio.

É dos rios, também, que vem a principal fonte de proteína dos povos indígenas e ribeirinhos da Amazônia. Além de ser uma prática tradicional, a pesca de peixes de água doce é garantia de alimentação para quem vive próximo aos rios. É durante as cheias, também, que as águas adubam as várzeas para que, durante as secas, o solo seja fértil para o plantio.

A cor das águas amazônicas

  • Rios de água preta (rio Negro)

    Possuem baixa capacidade de produção, quantidade também baixa de sais minerais e concentração de ácidos húmicos resultantes da decomposição do húmus no solo, ou seja, matéria orgânica

  • Rios de águas claras (rio Tapajós)

    São parecidos com os rios de água preta, só que com menos matéria orgânica. São muito heterogêneos e podem incluir também águas relativamente ricas em sais minerais, dependendo de cada área

  • Rios de água branca (rio Amazonas)

    São os rios barrentos, que possuem essa cor pela presença elevada de sólidos dissolvidos. São ricos em sais minerais. Em comparação com as águas pretas e claras a sua capacidade produtiva é muito superior

Getty Images Getty Images

Metal contra os rios

Na "Veneza Marajoara" não há carros. Os cerca de 40 mil habitantes de Afuá andam de bicicleta, principal meio de transporte da cidade, ou em barcos pelos rios. Foi perto da cidade ribeirinha que fica no nordeste paraense que perpassou a pesquisa de Simone de Fátima Pereira, professora e líder do grupo de pesquisa em química analítica e ambiental da Universidade Federal do Pará.

"Fizemos um trabalho na foz do rio Amazonas, próximo a Macapá pelo canal norte, no canal sul perto dos municípios de Afuá e Chaves e também no rio Pará", explica. Os lugares não foram escolhidos ao acaso. A foz seria uma espécie de depósito de metais pesados na Bacia do Amazonas e do Tocantins. "Nos admiramos muito de ver ali níveis elevadíssimos de alumínio e arsênio".

A presença de metais pesados nas águas amazônicas tem se tornado cada vez mais comum. Levando o nome ao pé da letra, metais pesados são conhecidos por serem mais densos. Além disso, são bastante tóxicos.

Barcarena, também no Pará, foi outra cidade pesquisada por Pereira. No polo industrial da cidade está a maior refinaria de alumínio do mundo fora da China, a Alunorte, da empresa norueguesa Norsk Hydro. Segundo a professora, a empresa não retira os metais pesados de seus efluentes, jogando-os no rio Pará, principal abastecedor da cidade de Belém, capital do estado.

"À medida que esses elementos estão nos rios, eles entram no ciclo hidrológico, ou seja, eles estão no rio, no ar, no solo, nas águas subterrâneas e é principalmente por meio destas que as pessoas se contaminam", elucida Pereira.

Nas águas dos poços da cidade, a pesquisadora identificou a presença de chumbo, alumínio e fósforo em altas concentrações. "As pessoas não têm alternativa e continuam tomando essa água", conta.

Em 2018, um laudo do Instituto Evandro Chagas, do Ministério da Saúde apontou que a empresa usava "tubulação clandestina de lançamento de efluentes não tratados" depois de denúncias sobre o vazamento de material tóxico vindo da empresa. O que a Hydro nega. "Em fevereiro de 2018 foi descoberta a existência de tubulação que remonta à época da construção da refinaria e que estava vedada e em desuso. Os tubos não possuíam qualquer conexão com os depósitos de resíduos sólidos da Alunorte e foram novamente selados e posteriormente removidos", disse a empresa em nota à Ecoa.

Sobre quaisquer outros vazamentos, a empresa afirma que estudos comprovam que nunca ocorreram e que "investiu R$ 675 milhões para aumentar a capacidade de tratamento e armazenamento de água".

Metal pesado: riscos para saúde

  • Mercúrio

    pode causar problemas psíquicos como mudanças de personalidade, problemas gastrointestinais e no sistema nervoso. Também é considerado um possível cancerígeno

  • Alumínio

    pode causar encefalopatia, doenças ósseas, anemia microcítica, diminuição do número de hemácias e hipertrofias cardíacas. Também há estudos que relacionam a exposição ao alumínio à doença de Alzheimer

  • Chumbo

    pode causar alterações neurológicas graves como o saturnismo, pode afetar os rins, o sistema digestivo e o reprodutor. Também é considerado um possível cancerígeno

  • Bário

    pode causar alterações no ritmo cardíaco, paralisia e até levar à morte

  • Arsênio

    pode causar alterações no sistema nervoso, hiperpigmentação da pele, diarreias, hemorragias, anemia e dores de cabeça. Além disso, foi classificado como cancerígeno.

Getty Images Getty Images

Rios abastecem Sudeste e o agro

"O bioma amazônico é fundamental para a manutenção da vida planetária, não só de quem vive na Amazônia", diz a geógrafa Márcia Kambeba. Como ela pontua, o valor não é só da cobertura vegetal, mas do bioma como um todo.

Essa relação entre vegetação e água atua como um grande ar-condicionado global. Uma verdadeira bomba d'água. "A Amazônia é uma grande reguladora do clima, daí a preocupação global com sua preservação", explica Carlos Durigan, geógrafo e diretor da ONG WCS Brasil (Associação Conservação da Vida Silvestre, em português).

Além de umidade, a Amazônia e seus rios nos dão chuvas. "Tem uma corrente que desce da região do Atlântico rumo ao sul, que ao passar por cima da Amazônia leva boa parte da umidade gerada pela floresta e pelos rios rumo ao sul do país. Assim, quando ela encontra, por exemplo, uma frente fria, gera chuva, seja na região Centro-Oeste, seja nas regiões Sudeste e Sul", explica Durigan.

É a umidade amazônica que garante, por exemplo, que as regiões Sul e Sudeste tenham seus reservatórios cheios d'água. É ela, também, a responsável pelo fato do Brasil ser uma grande potência do agronegócio. A região Centro-Oeste, a principal na produção agrícola para exportação, é uma das que mais precisam da chuva garantida pela Amazônia.

"O ser humano não entende a sua relação intrínseca com a natureza, não compreende que ele é a própria natureza e que quando ele polui um rio e violenta a água, ele violenta a si próprio e não somente quem depende diretamente daquele rio.", diz Márcia.

Inimigos do rio

  • Hidrelétricas

    barram a conexão entre os rios e a livre circulação de peixes podendo prejudicar comunidades locais e a vida das águas

  • Barragens

    como já aconteceu em Barcarena e Brumadinho, as barragens podem vazar ou romper liberando rejeitos de mineração

  • Garimpo e mineração ilegal

    o garimpo de ouro, por exemplo, que faz uso de mercúrio, insere o metal no sistema aquático e na cadeia alimentar marinha podendo atingir quem vive da pesca. Por ser bioacumulativo, ou seja, quanto mais no topo da cadeia estiver o organismo, mais ele vai acumular mercúrio, pode contaminar ferozmente o ser humano

  • Agropecuária

    o uso de agrotóxicos que pode penetrar no solo contaminando a água e o desmatamento para plantio ou pasto aumenta a carga de sedimento nos rios e pode contaminá-los com mercúrio vindo do solo

  • Falta de saneamento básico

    a liberação de rejeitos humanos não tratados pode contaminar rios e lençóis freáticos principalmente por clorofórmio

  • Despejo de rejeitos industriais

    se não forem tratados, os rejeitos podem contaminar os rios e lençóis freáticos com diversos tipos de metais pesados

  • Seca

    como apontou o último relatório do IPCC, o aumento de secas na região amazônica ajudará a secar os rios por mais tempo

Getty Images Getty Images

Se seca o rio, seca a vida

"A gente vem perdendo esse regime de chuva por conta da crise climática. Isso gera impacto nos rios que começam a baixar", diz a geógrafa Márcia Kambeba. A professora Simone de Fátima Pereira pôde conferir os estragos dessa crise de perto. "A seca que pude ver com meus olhos em 2015 nunca tinha visto igual em toda a minha vida. Fiquei de boca aberta de ver isso acontecendo na região amazônica", lembra.

A seca extrema provocada na região por um fenômeno conhecido como El Niño entre 2015 e 2016 esteve associada às queimadas florestais. 2,5 bilhões de árvores morreram e 495 milhões de toneladas de gás carbônico foram liberadas na atmosfera.

Dados divulgados pelo Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas (IPCC) mostram que cenas como essa serão cada vez mais comuns na região e podem ser, ainda, irreversíveis. "Esses problemas climáticos refletem em outras regiões. Todo o transporte de umidade da Amazônia cessa e o pessoal do Sudeste, por exemplo, vai sofrer porque não vai ter chuva", diz Pereira.

As crianças kambebas, assim como Márcia no passado, precisam aprender e se relacionar com o rio. Mas, diferentemente da geógrafa, antes de ouvirem as águas e mergulharem, elas têm uma tarefa. Saem pelo igarapé samauma coletando plásticos, latas e tudo mais que estiver poluindo as águas e seu entorno. "Esse é um trabalho necessário para que elas tomem banho no igarapé. Mas é enxugar gelo. Depois, as comunidades que vivem por ali jogam tudo de novo", conta Márcia.

Se enxugar gelo nos rios amazônicos não é o suficiente, o também geógrafo Carlos Durigan conta o que pode ser. "Ações efetivas precisam ser realizadas em uma escala ampla e, para isso, precisamos que os países que têm seus territórios tomados por esse bioma atuem em cooperação".

Afinal, rio não respeita fronteiras. Se o Peru polui, por exemplo, o que adianta o Brasil preservar? Pensando em garantir essa cooperação por um bioma saudável, foi criada a Organização do Tratado de Cooperação Amazônica (OTCA). Além disso, existem iniciativas com intercâmbios de conhecimento entre unidades de pesquisa, universidades, ONGs e representações sociais dos países amazônicos.

Uma dessas iniciativas é o projeto da Bacia do Putumayo-Içá que é liderada pelos governos de Equador, Colômbia, Peru e Brasil, com a ONG WCS ("Wildlife Conservation Society") como agência regional de execução, sob a supervisão do Banco Mundial e com financiamento do GEF (Global Environment Facility). O projeto está dividido em quatro áreas temáticas: 1) ações de pesquisa; 2) construção de uma base de gestão e cooperação entre os países; 3) combate à contaminação por mercúrio; 4) promoção de ações positivas voltadas ao manejo pesqueiro e florestal para a geração de renda das comunidades locais. A iniciativa ainda está em fase de planejamento e será lançada nos próximos meses

"Gerar conhecimento, sensibilizar e mobilizar, são essas as três frentes para que consigamos construir um cenário melhor para o planeta e para nós porque eu acho que quando o planeta estiver bem, nós também estaremos", diz Durigan.

Boto - Haroldo Palo Jr (750x421)

Quando os rios da Amazônia estiverem bem, nós também estaremos

Carlos Durigan, geógrafo e diretor da ONG WCS Brasil

Semana da Amazônia

Juliana Pesqueira/UOL

André Baniwa

?O trabalho que fizemos na educação trouxe mais respeito sobre nós?

Ler mais
Miranda Smith/Wikimedia Commons

Chico Mendes

Conheça a história e o legado de proteção das florestas deixados pelo líder seringueiro

Ler mais
PILAR OLIVARES/Mongabay

Cocar Tikuna

Por respeito a natureza artista indígena levou 16-anos para criar indumentária

Ler mais
Topo