Até o talo

Conceito de cozinha sem resíduo ensina a aproveitar o que jogaríamos no lixo, faz bem para a saúde e o bolso

Julia Guglielmetti Colaboração para Ecoa, de São José dos Campos (SP)

Abrir uma banana, comer a polpa e jogar a casca no lixo. Uma atitude tão comum que fazemos sem nem parar para pensar... Mas que deveríamos. A casca da banana também é comestível, tem sabor neutro que vai bem em receitas doces ou salgadas e tem duas vezes mais potássio e mais vitamina C do que a polpa. Mas, então, por que a jogamos fora?

"É um preconceito muito enraizado que trazemos de gerações passadas, de quando a sociedade superou períodos difíceis e passou a valorizar a fartura, gerando muito desperdício de comida", explica a nutricionista Camila Kneip.

Não é só da banana que estamos falando. Cascas, folhas, talos e sementes de muitos alimentos que poderiam ser aproveitados vão direto para o lixo. O desperdício também acontece com comidas que estragam na despensa e na geladeira. De acordo com um relatório da Embrapa de 2018, cada brasileiro desperdiça, em média, 41,6 kg de comida por ano.

Agora, o mundo passa por uma crise. Com mais de um milhão de casos confirmados de pessoas infectadas pelo coronavírus, muitos estão em quarentena para tentar frear a disseminação da Covid-19. Negócios estão fechados, funcionários foram demitidos, autônomos estão sem trabalho e muitas famílias estão sem renda. Esta fase difícil pode ser um bom momento para mudar hábitos e quebrar tradições alimentares que já não fazem sentido. Acabar com o desperdício e usar os ingredientes integralmente ajuda a economizar dinheiro e ainda traz benefícios à saúde.

A valorização do alimento em tempos de crise

A maneira como olhamos para os alimentos também é um fator para reduzir a produção lixo, uma questão importante durante o isolamento social. As ruas estão mais limpas, porém a geração de resíduo domiciliar cresceu em mais de dez por cento, e deve chegar a 15 a 20% a mais.

Utilizar os vegetais em sua totalidade, preparando refeições com cascas, talos, sementes, folhas e outras partes que seriam descartadas, é um primeiro passo importante para reduzir a quantidade de lixo gerado em casa. Além disso, esse aproveitamento reduz a necessidade de sair para comprar comida durante a quarentena e ajuda a economizar nas compras de supermercado.

Com essa prática, é possível preparar mais receitas, com menos alimentos.

A chef Regina Tchelly é a idealizadora do Favela Orgânica e conta que "o projeto trabalha com o ciclo da vida, transformando tudo o que costuma ser jogado fora em pratos saborosos". A valorização dos alimentos é fundamental para ela.

É importante modificar a nossa relação com a comida. Fazer valer a pena o sacrifício de, por exemplo, aguardar meses para poder colher a cenoura. É saber que uma bananeira precisa de dois anos para dar um cacho da fruta e que podemos aproveitar o pé todinho.

Regina Tchelly, chef do Favela Orgânica

Michelle Bedolini, especialista em nutrição do Sesi-SP, estima que a utilização das partes não convencionais ajude a reduzir em até 40% o custo com a alimentação de uma família: "é bom ter um planejamento adequado para otimizar ao máximo os alimentos. A principal vantagem é economizar, além de não precisar sair tanto de casa durante a quarentena."

A economia financeira e a de lixo gerado é, em média, de um terço do valor ou do volume total dos alimentos. Mas esse número é variável. Ao comer apenas a polpa da melancia, por exemplo, três quartos da fruta —casca, entrecasca e sementes— estão sendo desperdiçados. Quando compramos a melancia, estamos pagando principalmente pela casca, que é o mais pesado.

Camila Kneip, nutricionista

istock istock

Aproveitamento integral e reaproveitamento

Reaproveitamento é quando a gente pega o que sobrou do arroz e transforma em bolinho de arroz, por exemplo. Ou quando se usa o feijão para fazer tutu. O aproveitamento integral é utilizar o alimento in natura na sua totalidade. Você pode tomar um suco da polpa da melancia no café da manhã, preparar um refogado com a casca no almoço, usar a entrecasca ralada em canapés e assar as sementes para fazer farinha. Com uma fruta, você faz quatro receitas.

Natália Rodrigues, nutricionista da ONG Banco de Alimentos

Mais nutrientes por porção

A saúde também ganha com uma cozinha sem resíduos. "O aproveitamento integral dos alimentos é muito benéfico para aumentar o valor nutricional das refeições. Muitas vezes, partes que costumam ser descartadas têm mais ferro, mais proteínas e mais vitaminas do que a polpa", fala Natália.

Mas dá para usar todas as partes dos vegetais?

Regina diz que sim. Com criatividade, ela usa praticamente tudo. "Faço um estrogonofe maravilhoso usando chuchu com o olhinho. Aproveito a entrecasca da mandioca para recheio de panqueca, só escaldando e picando. Também gosto de fazer ceviche de jiló e quiabo cru."

Ela conta que um dos seus maiores sucessos é o salpicão de batata-doce crua que, ao ser ralada com casca, ganha aspecto de peito de frango. "Daí é só pingar gotas de limão para não oxidar. Boto tomate, pimentão, manjericão, páprica, maçã, shoyo e azeite? Fica maravilhoso."

A dica da nutricionista Natália Rodrigues, da ONG Banco de Alimentos, é sempre testar. "Você pode observar quais são os vegetais mais consumidos na sua casa e anotar quais são as partes desses alimentos que você mais joga fora. A partir daí, vale pesquisar por receitas que indiquem como aproveitá-las", explica.

Natália comenta que utilizando os temperos certos, é possível fazer receitas salgadas ou doces. "De início pode parecer algo muito fora da realidade, mas precisamos ter a mente aberta e pensar no alimento como um todo."

Favorito da chef

Regina Tchelly ensina a fazer o salpicão de batata-doce crua

Thinkstock Thinkstock

Já que é testando que se aprende...

  • Sementes

    Para transformar as sementes em petiscos, basta torrá-las. Dá para usar sementes de abóbora, girassol, melancia, melão etc.

  • Flores

    Beatriz Carvalho, da empresa de educação ambiental por meio da alimentação Mato no Prato, indica as flores de manjericão para aromatizar a água e as de cebolinha para decorar pratos. Flores de abobrinha ficam deliciosas assadas e as do maracujá também ajudam na apresentação das preparações.

  • Folhas

    As folhas podem ser consumidas cruas, refogadas ou até como recheio de tortas e bolinhos. Folhas de beterraba, por exemplo, são muito saborosas como salada. Já a rama da cenoura picada substitui a salsinha. Folhas de couve-flor, brócolis e rabanete também são muito nutritivas. "Uso algumas folhinhas de pitanga no suco e folhas de pimenta na salada", conta Beatriz.

  • Cascas

    É possível aproveitar a parte externa do melão, da melancia, da abóbora, da banana, da laranja, da beterraba, da batata e da maior parte dos vegetais. As receitas vão até onde a criatividade levar, e as cascas podem ser assadas, cozidas ou transformadas em doces.

  • Entrecascas

    A parte branca de frutas e raízes como maracujá, melancia, melão e mandioca podem ser aproveitadas cruas ou refogadas em recheios de panquecas, tortas e canapés.

  • Talos

    Os talos podem ser picados finamente e cozidos para amolecerem. Daí, é só misturar no arroz, no feijão, na farofa e até no yakisoba.

  • Partes rígidas

    O aconselhado é cozinhá-las. A nutricionista Camila Kneip comenta que algumas podem não ser muito palatáveis. "Quando são muito duras, a recomendação é assar, triturar e fazer farinha. A coroa do abacaxi, por exemplo, até pode ser utilizada, mas é difícil deixá-la gostosa. Então, ela pode ser replantada em um vaso. Em último caso, vale colocar na composteira. Assim se encerra o ciclo do alimento."

Caio Machado de Campos Laranja de Moura

Casca de banana louca

por Carina Do Nascimento Pereira (Sesi Chef 2019)

Tempo de preparo: 50 minutos
Rendimento: 3 porções

Ingredientes

6 bananas grandes iniciando amadurecimento
1 cebola média
2 dentes de alho
1 pimentão amarelo pequeno
1 pimentão vermelho pequeno
1 pimentão verde pequeno
1/2 xícara (chá) de salsa
1 colher (café) de sal

Modo de preparo

Descasque as bananas e reserve as cascas.

Desfie as cascas de bananas com auxílio de um garfo no sentido do comprimento, transfira para um recipiente com água e reserve.

Pique a cebola em fatias finas e os pimentões em cubos médios. Escorra as cascas no momento de refogar.

Aqueça o azeite em uma frigideira grande. Junte a cebola e deixe murchar, adicione o alho e depois os pimentões.

Por último, acrescente as cascas e deixe refogar por 5 minutos ou até amaciar. Coloque o sal, desligue o fogo e adicione a salsa.

Dica: Congele a polpa das bananas para utilizar posteriormente em vitaminas, bolos entre outras receitas.

Ler mais
Felipe Antonio Albertoni

Salada de arroz com molho de semente de mamão

por Caroline Damaceno de Oliveira Fonseca (Sesi Chef 2019)

Ingredientes

Salada de arroz
2 dentes de alho
1 xícara (chá) de arroz branco cru
2 xícaras (chá) água fervente
1 colher (sopa) de água
Sal a gosto
12 unidades de tomate-cereja
1 mamão-papaia
15 folhas de hortelã

Molho sementes de mamão
1 dente de alho médio
1 colher (chá) de açúcar
1/2 colher (chá) de mostarda em grãos
1 colher (chá) de açúcar
1/2 colher (chá) de páprica-picante
Sal e pimenta-do-reino a gosto
1/2 unidade de limão-taiti
80ml de azeite
Sementes do mamão-papaia

Para decoração
Folhas de hortelã e tomates-cereja

Modo de preparo

Em uma panela doure o alho, junte o arroz e o sal e refogue por alguns minutos.

Coloque a água fervente e deixe cozinhar até o arroz ficar "al dente". Deixe esfriar e reserve.

Para acelerar o processo, coloque o arroz espalhado em uma assadeira e leve por 5 minutos ao freezer ou 15 minutos na geladeira.

Pique os tomates em 4 pedaços no sentido do comprimento e reserve em uma tigela.

Corte o mamão-papaia ao meio e reserve as sementes.

Com cuidado, retire a polpa do mamão preservando a casca inteira para servir a salada.

Pique a polpa em cubos e as folhas de hortelã e junte ao tomate. Adicione o arroz.

Para o molho, bata no liquidificador todos os ingredientes do molho até triturar bem as sementes do mamão, prove e corrija o sal se necessário. Acrescente à salada e misture tudo.

Sirva na casca do mamão-papaia decorado com tomate-cereja e folhas de hortelã.

Dica: Aproveite as sobras do arroz branco ou integral para realizar essa preparação.

Ler mais
Regina Tchelly/@favela_organica

Doce frio de casca de melancia

por Regina Tchelly (Favela Orgânica)

Ingredientes

2 xícaras (chá) de melancia cortada em cubos bem pequenos
2 xícaras (chá) de casca de melancia higienizada, ralada no ralo fino e espremida
1 xícara (chá) de coco fresco ralado
4 colheres (sopa) de açúcar demerara
Suco de 2 limões-taiti
10 folhas de hortelã

Modo de preparo

Em uma tigela coloque todos os ingredientes, misture bem e leve à geladeira. Sirva gelado.

Ler mais
Regina Tchelly/@favela_organica

Leite de semente de melão

por Regina Tchelly (Favela Orgânica)

Ingredientes

Sementes de um melão
2 copos de água potável

Modo de preparo

Bater no liquidificador e coar com um voal ou pano de prato limpo.

Dica: Para um leite cremoso, adicione duas bananas com casca, hortelã e manjericão a gosto. Sirva com açúcar mascavo, canela e gotas limão.

Ler mais
Reprodução/Instagram @associacaopratocheio

Patacones e vinagrete de casca de banana

por Camila Yazbek (Associação Prato Cheio)

Rendimento: 10 porções

Ingredientes

4 bananas-da-terra verdes
1 tomate
1/2 cebola
2 limões
Salsinha a gosto
Sal a gosto
Azeite a gosto
Óleo para fritar

Modo de preparo

Descasque as bananas e reserve as cascas.

Vinagrete
Coloque as cascas das bananas em uma panela de pressão com água o suficiente para cobri-las. Quando pegar pressão, deixe cozinhar em fogo baixo por 20 minutos. Retire as cascas, raspe o excesso branco de dentro delas e corte em cubinhos. Reserve. Corte o tomate e a cebola em cubinhos. Coloque os ingredientes (casca da banana, tomate e cebola) em um recipiente e acrescente a salsinha, o sal, o azeite e o limão.

Patacones
Corte as bananas verdes em rodelas com dois centímetros de espessura. Em uma panela com óleo quente, frite as bananas até ficarem levemente macias. Retire e deixe escorrer.

Enquanto ainda estiver quente, amasse as rodelas de banana com o fundo de uma frigideira pesada, até que fiquem achatadas como discos. Frite outra vez até dourar. Adicione sal assim que sair do óleo.

Ler mais
Paloma Moreira/@_paveg

Pãozinho de abóbora com talos

por Paloma Moreira (Paveg)

Rendimento: 40 unidades

Ingredientes

570g de abóbora cozida
Talos picados
80g de polvilho doce (fécula de mandioca)
120g de farinha de mandioca
1 colher (chá) de sal
1 colher (sopa) de fermento químico
2 colheres (sopa) de azeite

Modo de Preparo

Em um recipiente, e com a ajuda de um garfo, amasse bem a abóbora cozida. Misture manualmente com os talos.

Acrescente o polvilho doce e novamente misture. Faça o mesmo com a farinha de mandioca, sal, fermento e azeite.

Quando a massa estiver moldável, faça as bolinhas do pão e disponha em uma assadeira untada com azeite.

Leve ao forno pré-aquecido a 175°C por 40 minutos.

Ler mais
Divulgação Mesa Brasil SESC São Paulo

Geléia de casca de mexirica

por Miriam de Almeida Reis (Mesa Brasil Sesc São Paulo)

Rendimento: 10 porções

Ingredientes

1 kg de casca de mexerica
1 ½ kg de açúcar cristal
10 cravos
1 limão

Modo de preparo

Após ferver as cascas, deixar de molho na água em temperatura ambiente, trocando algumas vezes durante o dia e permanecendo durante a noite.

Descartar a água quando for preparar.

Levar ao liquidificador as cascas para bater, despejar na panela junto com o açúcar, o cravo e o suco do limão, em fogo baixo, até apurar.

Ler mais
Teresa Laury/@vitanutrire

Hambúrguer de talo e folha de beterraba

por Teresa Laury (Vita Nutrire)

Rendimento: de 2 a 3 unidades
Tempo: 20 minutos

Ingredientes

1 cebola pequena picada
1 colher de sopa de azeite de oliva
1 e 1/2 xícara de talo de folha de beterraba picado fininho
1 e 1/2 xícara de água
Sal a gosto
Ervas frescas a gosto (como salsinha, cebolinha, manjericão)
Farinha de mandioca crua (o quanto baste)

Modo de Preparo

Refogue a cebola no óleo até ficar macia. Adicione o talo da beterraba picado e a água e cozinhe até secar. Adicione sal, as ervas frescas e a farinha de mandioca aos poucos, até tornar a mistura uma massa firme. Se for necessário, adicione também um pouco de água.

Molde em formato de hambúrguer e grelhe na frigideira dos dois lados com um fio de azeite.

Para montar o lanche, corte e aqueça o pão na própria frigideira e coloque dentro o hambúrguer quentinho, tomate, alface e um molho especial.

Dicas: Pique o talo no menor tamanho possível. Você pode colocar um pouco da beterraba para aumentar o volume e também bater no processador para a massa ficar mais homogênea.

Ler mais
Teresa Laury/@vitanutrire

Homus verde com rama de cenoura

por Teresa Laury (Vita Nutrire)

Rendimento: 4 porções
Tempo: 50 minutos

Ingredientes

2 xícaras de grão-de-bico cozido
Rama de 2 cenouras médias
1 dente de alho
1 colher de sopa de azeite de oliva
1 colher de sopa de tahine (pasta de gergelim) - opcional
1 colher de sopa de suco de limão
Água (o necessário para bater)
Sal a gosto
2 cenouras médias (para servir)

Modo de preparo

Deixe o grão-de-bico de molho em água por de 8 a 12 horas. Para essa receita, você precisará de aproximadamente 120g de grão-de-bico cru.

Passado esse tempo, escorra a água do molho e leve o grão-de-bico para cozinhar em uma panela de pressão com o dobro de água, medindo na panela. Cozinhe em fogo alto. Quando começar a chiar, abaixe o fogo e conte 15 minutos. Então, desligue e deixe a pressão sair naturalmente. Escorra e reserve.

Lave a rama da cenoura. Separe as folhas dos talos, reserve as folhas e pique os talos em pedaços de 5mm. Triture o alho e refogue com os talos picados (sem as folhas) no azeite em fogo baixo, até amolecerem um pouco, mas sem deixar que escureçam.

Coloque os talos, o alho e o azeite do refogado no copo de um processador de alimentos ou de um liquidificador. Acrescente o grão-de-bico cozido, as folhas cruas, o tahine e o suco de limão, e bata até ficar uma creme liso. Acrescente somente o necessário de água para ajudar o seu equipamento a bater, e finalize colocando sal a gosto. E está pronto para servir.

Corte as cenouras em bastões compridos de aproximadamente 6 mm x 6 mm e 5 cm de comprimento. Sirva cruas ou cozinhe rapidamente, mas sem deixar que fiquem muito moles.

Ler mais
Jéssica Bastidores/@jessicalivergarr

Bife à milanesa de casca de banana

por Jéssica Batidores

Ingredientes

Casca de banana
1 xícara (chá) farinha de trigo
1 colher (sopa) de chia ou linhaça
3 colheres (sopa) de água
Temperos a gosto

Modo de preparo

Tempere a casca de banana como preferir (sugestões: sal, cúrcuma e azeite).

Para empanar, triture a chia e a linhaça com água e deixe descansando por 10 minutos, até que se forme um gel.

Em um prato coloque o gel e, em outro prato, disponha a farinha. Passe as cascas da banana primeiro no gel e em seguida na farinha. Frite em óleo quente.

Finalize com o preferir. Na foto, foi usado queijo vegetal.

Ler mais
Marília Archangelo/@mariliaarchangelo

Quiche de folhas e talos

por Marília Archangelo

Ingredientes

Massa
2 xícaras (chá) de grão-de-bico cozido
1 xícara (chá) de farinha de aveia
1/4 de xícara (chá) de farinha de linhaça
1 colher (sopa) de azeite
Sal a gosto

Recheio
2 xícaras (chá) de folhas de brócolis e talos já refogados pra murchar (ou folhas de cenoura, ou folhas de beterraba ou espinafre ou o que quiser e tiver na geladeira)
1 tomate picado
1 talo de uma couve-flor ou brócolis
2 dentes de alho
1/4 de cebola
Ervas frescas e sal a gosto

Modo de preparo

Preaqueça o forno a 200°C. Unte uma forma para quiche.

Triture ou amasse o grão-de-bico e misture com os outros ingredientes da massa. Disponha sobre a forma e leve para pré-assar por 20 minutos ou até que esteja firme.

Bata os ingredientes do recheio, menos as folhas e o tomate, no liquidificador. Misture com o restante dos ingredientes e recheie a torta.

Leve ao forno por mais 20 minutos ou até que o recheio esteja firme.

Ler mais
Bel Litsek/@chef.bel.litsek

Empadinha com caponata de entrecasca de melão e melancia e pesto de rama de cenoura

por Bel Litsek

Ingredientes

Massa
3 copos de pão amanhecido triturado
5 colheres de sopa de azeite
Sal, pimenta do reino e temperos a gosto

Caponata
2 xícaras (chá) de entrecasca de melancia e de melão (parte branca) picadas
1/3 xícara (chá) de pimentão vermelho picado
1/3 xícara (chá) de pimentão amarelo picado
1/3 xícara (chá) de uva passa
1/3 xícara (chá) de azeite
2 colheres (sopa) de melado
1/2xícara (chá) de molho de tomate
1/2 xícara (chá) de manjericão fresco picado
2 colheres (sopa) de vinagre de maçã

Pesto
1 xícara (chá) de castanha-do-Pará torrada
Folhas de 1 rama de cenoura
2 xícaras (chá) de manjericão fresco
3 dentes de alho
1 colher (sopa) de melado de cana
Suco de 2 limões
1/2 xícara (chá) de azeite
Sal a gosto

Modo de preparo

Pré-aqueça o forno a 180°C.

Misture os ingredientes da massa em um pote. A consistência deve ser de massa, levemente úmida, se estiver muito seca, acrescente mais azeite até dar o ponto. Abra a massa em forminhas e asse por 10-15 minutos até ficarem douradas e saírem da forma sem quebrar.

Para a caponata, misture todos os ingredientes em uma travessa com exceção do molho de tomate, manjericão e vinagre. Leve ao forno por 20-30 minutos abrindo algumas vezes para misturar. Uma vez que prontos, misture o molho de tomate, o manjericão e o vinagre.

Para o pesto, coloque todos os ingredientes no processador e acrescente o azeite aos poucos até o ponto desejado - ele deve ficar uma pastinha com pedaços de castanha bem pequenos.

Monte a empadinha recheando com a caponata e colocando o pesto por cima.

Ler mais
Bel Litsek/@chef.bel.litsek

Brigadeirão de semente de melão

por Bel Litsek

Ingredientes

2 xícaras (chá) de sementes de melão
4 xícaras (chá) de água
1 xícara (chá) de castanha de caju crua
1 xícara (chá) de amido de milho
1 xícara (chá) de açúcar demerara
1/2 xícara (chá) de cacau em pó
100g de chocolate meio amargo sem leite
Óleo de coco para untar

Modo de preparo

Faça um leite batendo as sementes de melão com água no liquidificador. Coe e reserve.

No liquidificador, bata o leite com a castanha de caju até que forme um creme homogêneo. Caso fique muito grosso, adicione água aos poucos para ajudar o seu liquidificador bater.

Leve essa mistura a uma panela no fogo médio-baixo, adicione o amido de milho e, com um fuê, dilua bem.

Uma vez que homogêneo, adicione o açúcar e o cacau. Misture bem. Inclua o chocolate amargo picado e permita que ele derreta e incorpore à mistura, mexendo com frequência. Deixe a mistura engrossar até ficar um aspecto aveludado e brilhante.

Unte uma assadeira com um furo no meio. Despeje o pudim e leve à geladeira por quatro horas. Desenforme e aproveite.

Ler mais

Explore mais preparações

Livros para baixar gratuitamente

Livro de receitas do Sesi Chef 2019

Ler mais

"Sabor sem desperdício" - Mesa Brasil Sesc São Paulo

Ler mais

"Diga não ao desperdício & Panc's" - Codeagro

Ler mais
Fernanda Schimidt/UOL

Como higienizar os alimentos

Com ou sem coronavírus, o ideal é sempre fazer a higienização correta dos alimentos. A nutricionista da Associação Prato Cheio, Cláudia Jeovane da Silva, recomenda lavar em água corrente para retirar terra, sujeira e insetos e, em seguida, deixar o alimento em uma solução de uma colher de sopa de água sanitária para cada litro de água. Após 15 minutos, é preciso enxaguar novamente em água corrente.

"Há também alguns produtos como Hidrosteril. Mas água sanitária é a de mais fácil acesso. É importante verificar no rótulo se o produto pode ser usado em alimentos, se tem concentração de hipoclorito de sódio de 2% a 2,5%, se é sem adição de detergente e se tem registro no Ministério da Saúde", explica Cláudia.

O ideal é consumir orgânicos, mas como não são acessíveis à maior parte dos brasileiros, a nutricionista indica comprar os vegetais da safra, que costumam ter menos agrotóxicos. No site da Ceagesp há uma tabela de sazonalidade dos vegetais. A lavagem com água sanitária/hipoclorito de sódio também pode ajudar a minimizar um pouco a quantidade de agrotóxicos.

Nesse período de pandemia, o recomendado é que a higienização seja feita imediatamente ao chegar do supermercado, para não contaminar a geladeira. Mesmo se você ainda não incorporou o aproveitamento integral ao seu cotidiano e não for consumir a casca do alimento, corre-se o risco de contaminar os demais produtos da geladeira, caso esteja infectada

Programas que incentivam o aproveitamento integral de alimentos

  • Mesa Brasil Sesc

    É um programa de ações educativas e de distribuição de alimentos excedentes, com objetivo de promover qualidade de vida para pessoas em situação de pobreza, reduzindo a fome e o desperdício.

    Leia mais
  • Alimente-Se Bem e Sesi Chef

    Os programas do Sesi-SP incentivam o consumo de alimentos com alto valor nutritivo e conscientizam a população sobre o aproveitamento integral de ingredientes.

    Leia mais
  • Favela Orgânica

    O projeto nasceu no Morro da Babilônia, no Rio de Janeiro (RJ), e utiliza palestras, oficinas e eventos para promover consumo consciente, gastronomia alternativa, compostagem caseira e hortas em pequenos espaços.

    Leia mais
  • Associação Prato Cheio

    Com projetos, ações e campanhas de combate à fome e ao desperdício de alimentos, e de promoção da saúde, o grupo trabalha com arrecadação e redistribuição de alimentos, oficinas culinárias, educação e avaliação nutricional.

    Leia mais
  • Banco de Alimentos

    A ONG atua no combate à fome e ao desperdício, arrecadando alimentos que perderam o seu valor de comercialização e os distribuindo a entidades sociais. A organização também trabalha com ações educativas e de conscientização.

    Leia mais
  • Instituto Akatu

    Organização que trabalha pela conscientização e mobilização da sociedade para o consumo consciente a partir da educação em escolas, comunidades e empresas, e da comunicação.

    Leia mais

+ Especiais

Biodiversidade

Como crise climática contribui para o surgimento de pandemias

Ler mais

Orgânicos baratos

Procurando bem, não sai caro deixar de levar agrotóxicos para casa

Ler mais

Sem culpa

Alex Atala promove debate sobre cadeia do alimento e quer incluir "vilões"

Ler mais
Topo