PUBLICIDADE
Topo

O que te move: sua imagem ou seu coração?

Reprodução/Pinterest
Imagem: Reprodução/Pinterest
Sandra Caselato

Sandra Caselato, formada em artes plásticas e psicologia, é uma exploradora dos processos psicológicos e das relações humanas. Está sempre em busca de experiências que contribuam com a transformação pessoal e de outras pessoas. Especialista em Comunicação Não-Violenta, atua com desenvolvimento humano há mais de 20 anos.

08/09/2020 04h00

Quando eu tinha oito ou nove anos fiz aulas de balé. Na sala havia um grande espelho, e eu não conseguia tirar os olhos de mim mesma enquanto dançava. O espelho me trazia autoconfiança e segurança. Admirava minha postura e aperfeiçoava meus movimentos de acordo com o que via a professora demonstrar. Estava orgulhosa de como "dançava bem".

No fim do ano fizemos uma apresentação para as famílias e comunidade. Havíamos ensaiado bastante, era um momento de celebração da nossa "evolução como bailarinas".

O problema é que no dia da apresentação não havia espelho... sem a referência externa de minha própria imagem refletida me sentia insegura, perdida e até mesmo sem forças. Além do mais havia aquela multidão de pessoas na plateia olhando para mim! De repente estava completamente autoconsciente de meu corpo e isso era desconfortável e desconhecido. Estava acostumada a ter como referência algo fora de mim mesma (a imagem no espelho) e não o que ocorria internamente em meu próprio corpo. Meu poder, potência ou capacidade de ação dependia de um fator externo e, na ausência dele, eu não conseguia performar tão bem.
A minha motivação e satisfação não vinham da ação de dançar em si, mas de apreciar a imagem refletida no espelho.

Assim como Narciso, da mitologia Grega, que se apaixonou por seu próprio reflexo no lago, definhou e morreu pois esqueceu de comer, eu também me desconectava de meu próprio corpo e de mim mesma, quando focava apenas na imagem do espelho.
Penso em como, da mesma forma, a imagem de perfeição que muitas vezes queremos retratar nas mídias sociais nos faz nos desconectarmos de nós mesmos e do que realmente importa em nossas vidas.

Pesquisas na área da psicologia sobre motivação humana mostram que quando os fatores motivadores são internos, como dançar pelo simples prazer de dançar, por exemplo, a satisfação na realização e o aprendizado da atividade, seja ela qual for, são aumentadas.

A motivação intrínseca (interna) é a motivação inerente ou inata de fazer algo pelo próprio interesse e vontade, pelo simples prazer em fazer, sem precisar de influência externa. É o motivador pessoal mais eficaz, que aumenta a satisfação pessoal, a autorrealização e a autoestima.

Quando os motivadores são externos, como por exemplo publicar fotos nas mídias sociais para receber aprovação ou reconhecimento dos outros, a satisfação pessoal é menor ou temporária.

A motivação extrínseca (externa) é qualquer gratificação ou incentivo fornecido por uma pessoa ou entidade externa. Empresas costumam por exemplo oferecer bônus, elogios públicos e prêmios como motivadores. Na escola, as notas são um motivador extrínseco e nas famílias, castigos e recompensas costumam ser usados. Quando a motivação para realizar algo vem de fora, os resultados a curto prazo podem até ser maiores, mas a médio e longo prazo decaem, pois a satisfação na realização da atividade é menor ou até mesmo inexistente.

O psicólogo Marshall Rosenberg, criador da Comunicação Não-Violenta (CNV), sugeria: "Não faça nada que não seja por prazer". Quando fazemos coisas em função de receber recompensas externas ou por medo, culpa, vergonha, dever ou obrigação, a tendência é que a motivação seja baixa e acabemos ficando infelizes, mal-humorados, irritados, deprimidos. Nós mesmos e as pessoas ao nosso redor acabam sofrendo as consequências.

No século 13, o mestre sufi Rumi já dizia: "quando você faz coisas a partir de sua alma, você sente um rio em movimento dentro de você, uma alegria em fluxo. Quando a ação vem de outra parte, esse rio seca."

Mesmo as "obrigações" de trabalho, cuidado com a casa ou em relação aos filhos por exemplo, podem ganhar novo significado e sentido se encontramos uma motivação interna para realizá-las.

Convido você a questionar quais as suas motivações para realizar as atividades que realiza. Elas vêm de dentro, do seu coração, ou de fora? O que você faz em sua vida que realmente ecoa internamente e o que resulta somente em belas imagens ou fotografias vazias de sentido interno verdadeiro?

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL.