PUBLICIDADE
Topo

Iden Versio desistiu do Bolsonaro. E você?

Sandra Caselato

Sandra Caselato, formada em artes plásticas e psicologia, é uma exploradora dos processos psicológicos e das relações humanas. Está sempre em busca de experiências que contribuam com a transformação pessoal e de outras pessoas. Especialista em Comunicação Não-Violenta, atua com desenvolvimento humano há mais de 20 anos.

16/06/2020 04h00

Manifestações nas ruas por todo o Brasil pela democracia, contra o fascismo e o racismo, apesar da pandemia. Manifestações pró-Bolsonaro esvaziadas. Cada vez mais vídeos online de eleitores de Bolsonaro arrependidos.

Enquanto assisto essas coisas pela internet, meu marido joga um videogame, Star Wars Battlefront II [alerta de spoiler].

A protagonista do jogo, Iden Versio, uma comandante de uma unidade de elite imperial e filha de um grande general, recebe ordens para destruir seu planeta natal. Num conflito moral interno, ela começa a questionar sua aliança e lealdade ao Império.

Achei o jogo muito interessante. Ao contrário do padrão das histórias do universo Star Wars, a narrativa traz um elemento humanizante para o Império. O Esquadrão Inferno, do qual a heroína faz parte, representa a disciplina e devoção dos soldados imperiais e a comandante trata seus agentes e droides com cortesia e polidez. Iden Versio e sua equipe não são os super vilões que parecem ser. Acreditam sinceramente estar a serviço da vida e de um mundo melhor.

No decorrer da trama, entretanto, a protagonista começa a questionar os planos imperiais, percebendo que trazem destruição e morte. Decide então se juntar à Aliança Rebelde e aos Jedis, lutando para instaurar novamente a República e a democracia.

Me traz inspiração e esperança ver a coragem da heroína em rever seus posicionamentos e agir de maneira mais alinhada com seus próprios valores humanos e morais.

Ela sinceramente acreditava estar apoiando um governo alinhado com seus valores, assim como provavelmente aconteceu com a maioria dos eleitores de Bolsonaro.

Porém, ao perceber que o Império quer impor estratégias que beneficiam apenas alguns em detrimento de outros, sem se importar com a maioria, ela não hesita em rever suas crenças e mudar suas ações.

Espero que cada vez mais pessoas tenham essa coragem de rever suas posições e busquem se conectar com seus valores humanos mais profundos de empatia, justiça social e histórica, em prol de um país onde todos sejam cuidados e considerados.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL.