PUBLICIDADE
Topo

Rodrigo Ratier

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Não é de hoje: EJA tem dificuldades históricas agravadas pela pandemia

Universitários do Insper dão aula de educação financeira para turmas do EJA (Educação de Jovens e Adultos) - Reprodução/Facebook
Universitários do Insper dão aula de educação financeira para turmas do EJA (Educação de Jovens e Adultos) Imagem: Reprodução/Facebook

Rodrigo Ratier

05/04/2021 06h00

por Gabriel Cruz Lima, especial para a coluna

Cleide dos Santos Gomes é aluna da escola Vicente Leporace, instituição da rede estadual de São Paulo. Cursando atualmente o 2º ano do Ensino Médio, Cleide enfrentou, como tantos outros estudantes, a migração das aulas presenciais para o ensino remoto emergencial por conta da pandemia de covid-19. "Quando as atividades vinham pelo WhatsApp, tudo bem, eu conseguia acessar. O problema era o Google Classroom. Eu não conhecia o ambiente e tive muita dificuldade", conta. Para a recém-formada Christiny Louise Los, o problema era a dispersão. "É muito fácil perder a concentração, tem sempre um amigo mandando mensagem, alguma tarefa para fazer em casa. A sala de aula fazia a gente ficar mais focado."

Comuns à primeira vista, os relatos de Cleide e Christiny se unem por uma especificidade: ambas são alunas da Educação de Jovens e Adultos (EJA), modalidade que costuma atender um público com obstáculos adicionais para concluir a escolarização. Christiny, 19, precisava dividir a atenção entre as aulas e a agitação da filha pequena. "É meio impossível fazer atividade quando ao mesmo tempo que você tem de cuidar de uma criança", explica. Para Cleide, 57, a barreira tecnológica precisa ser vencida com a ajuda da neta. Além disso, a infraestrutura escolar era um apoio importante. "Como a escola fica perto de casa, antes da pandemia eu conseguia jantar por lá. Sem contar a falta que faz abraçar os professores e ver os colegas de classe."

Destinada a pessoas que não puderam frequentar a escola quando eram crianças e adolescentes, a EJA é uma modalidade com problemas históricos. Um dos mais visíveis é a oferta insuficiente. "O público potencial chega a 88 milhões de pessoas, mas há apenas 3 milhões de vagas disponíveis", explica Analise Silva, coordenadora da linha de pesquisa em EJA no programa de pós-graduação da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). "Há ainda uma série de direitos que estão na Constituição, mas são desrespeitados. Material didático, transporte, alimentação e assistência à saúde são exemplos de carências comuns na EJA", completa.

Para a especialista, "a pandemia agrava um cenário que já era problemático". Com a maior parte das escolas fechadas, os alunos adicionam o ensino remoto à lista de dificuldades. O diagnóstico dos Fóruns EJA Brasil, mobilização de entidades e atores sociais em defesa da modalidade, registra a necessidade de inclusão digital das populações mais vulneráveis, público principal da EJA. Apresentando críticas às aulas remotas — a educação à distância é tradicionalmente vista pelos movimentos sociais como uma oferta empobrecida de ensino —, o documento reconhece que a pandemia torna a tecnologia em ambiente virtual "uma realidade", mas pede alinhamento às condições reais de aprendizagem de adultos trabalhadores. As demandas incluem banda larga como serviço público gratuito (a ausência de rede fere o princípio constitucional de universalidade da educação), programas de alfabetização digital e ambientes virtuais de ensino mais adequados aos telefones celulares, que respondem pela maioria do acesso residencial à internet, segundo o IBGE.

Novamente, a ausência de um olhar específico é histórica. "As especificidades precisam ser trabalhadas nos currículos desses educandos, pensando em princípios de solidariedade e justiça social como métodos educacionais", defende Analise. Ela afirma que não há cuidado com a subjetividade dos estudantes para esse grau de instrução. "Falta recorte racial e de gênero na elaboração de um possível programa", exemplifica. Segundo o Censo Escolar de 2019, pretos e pardos representam 75,8% na EJA Fundamental e 67,8% no Médio. Quanto ao sexo, homens predominam na faixa de 30 anos ou menos (57,1%), enquanto as mulheres correspondem a 58,6% das matrículas com mais de 30 anos.

As perspectivas de mudança no curto prazo são desanimadoras. Em âmbito federal, o decreto 9.465 de 2019 extinguiu a Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão (Secadi), responsável pela elaboração de políticas específicas para a Educação de Jovens e Adultos (EJA). A modalidade, agora, está sob a responsabilidade da Secretaria de Educação Básica (SEB), junto com o restante do ensino regular. "Quando estamos falando da EJA, é preciso que o gestor público entenda que estamos falando de um sujeito que em geral, cuida dos outros. Precisa, portanto, ser cuidado pelo Estado", finaliza Analise.