PUBLICIDADE
Topo

Rodrigo Hübner Mendes

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Novo filme do Instituto Alana mostra quando a exceção vira a regra

Cena do filme "Um lugar para todo mundo" - Reprodução
Cena do filme "Um lugar para todo mundo" Imagem: Reprodução

Rodrigo Hübner Mendes

08/10/2021 06h00

A entrevista que dei a Olivier Bernier no saguão do hotel em Nova Iorque já indicava que seu filme seria uma contribuição relevante à temática da educação inclusiva no mundo. Me lembro de sua indignação com a enorme dificuldade de matricular seu filho, Emilio, em uma escola da "Big Apple", pelo fato de ter nascido com Síndrome de Down.

"Um lugar para todo mundo" é um filme tocante, com fotografia impecável e uma narrativa muito bem construída. O documentário conta a história do próprio diretor e de sua esposa ao enfrentarem grandes barreiras para oferecer educação a Emilio. Acima de tudo, expressa com verdade a coragem dessa família de expor o atraso e a discriminação em um país que foi pioneiro na inclusão de estudantes com deficiência nas escolas comuns.

Os Estados Unidos têm uma legislação bastante progressiva nessa área, chamada de IDEA (Individuals with Disabilities Education Act), que prevê educação pública gratuita e de qualidade para todos, participação dos pais e professores e garantias procedimentais. Porém, a regulação estabelece que o aluno com deficiência será avaliado por uma equipe técnica e matriculado no ambiente menos restritivo (less restrictive environment). Isso acabou abrindo a hipótese de escolas segregadas serem consideradas mais adequadas. O resultado é que a exceção virou regra. Em Nova York, qualquer brecha leva o sistema a impedir que crianças como Emilio estudem em convívio com as demais. O filme demonstra isso com muita clareza ao apresentar as inúmeras tentativas de seus pais sendo negadas.

Essa produção foi viabilizada por um edital lançado há alguns anos pelo Instituto Alana, considerado uma das maiores iniciativas voltadas a filmes com impacto social que já existiu. Os resultados de tamanho incentivo já estão sendo colhidos pelo seu sucesso e pelas discussões que enseja. "Um lugar para todo mundo" está disponível nas plataformas Globoplay, iTunes, Google Play, Youtube Filmes, Net Now e Vivo Play. Você também pode assistir ao filme com acessibilidade completa em português e na versão dublada no Videocamp e Ping Play.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL