PUBLICIDADE
Topo

Rodrigo Hübner Mendes

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

ESG: Se levado a sério, impulsiona o bem comum

Rodrigo Hübner Mendes

05/03/2021 13h45

Há alguns dias, Guilherme Benchimol, fundador e CEO da XP Inc., publicou carta aberta em que declara "Cada um de nós, por meio de nossas escolhas de vida, consumo e investimentos, pode sinalizar que futuro queremos construir". O discurso tem sido traduzido em esforços concretos como a mais recente edição da Expert XP, evento de larga audiência promovido nessa semana e que teve o ESG como tema.

ESG é a sigla em inglês para Environment, Social e Governance (Meio Ambiente, Social e Governança - já há quem use a sigla ASG no Brasil). Esse triângulo passa a ser, cada vez mais, critério para decisão de investimentos, incorporando esses três aspectos às já conhecidas métricas econômico-financeiras. Pode-se até cogitar que ESG é uma nova roupagem para algo que já vem ocupando a agenda da alta gestão do mundo corporativo há algumas décadas. Há casos conhecidos de empresas que, já nos anos 1990, usavam critérios de sustentabilidade para a tomada de decisões estratégicas de investimentos.

Mas o ESG é mais do que um novo nome para algo já praticado. A diferença é que há por trás dele, em primeiro lugar, uma definição de critérios objetivos e de métricas para se avaliar um investimento. Em segundo lugar, e consequência do primeiro, há uma nova postura, em que se incorpora à rotina essa análise mais sofisticada, criando-se, assim, uma nova cultura. Apenas para se ter uma ideia da crescente influência do conceito, em 2016, a divulgação de fatores ESG por empresas com ações em bolsa de valores no mundo era obrigatória em 12% delas. Em 2020, esse número dobrou. Segundo o expoente na temática, Florian Bartunek, fundador e gestor da Constellation Asset, "ESG não é moda e o aquecimento global não é uma fábula. Quem não se engajar vai ficar para trás". Tudo indica que essa tendência permanecerá."

O que isso quer dizer? Parece que está sendo incorporada uma mudança objetiva na lógica das empresas e dos investidores. Uma nova percepção de valor. A inclusão de critérios relacionados ao referido tripé na avaliação de uma empresa ou instituição impõe uma significativa mudança de visão. A palavra "resultado" passa a ganhar novos sentidos, muito além dos meramente contábeis.

Nestes tempos pandêmicos de revisão de valores, de mais perguntas do que de respostas, de mais incerteza do que convicção, vale celebrar o amadurecimento da percepção de que a geração de riqueza só é sustentável quando desenhada com a mira no bem coletivo. Se levado a sério, o ESG pode ser um instrumento relevante para que a escalada por melhores condições de vida seja de todos.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL