PUBLICIDADE
Topo

Rodrigo Hübner Mendes

Recomendações da Unesco para o ensino a distância

Rodrigo Hübner Mendes

Rodrigo Hübner Mendes tem dedicado sua vida para garantir que toda pessoa com deficiência tenha acesso à educação de qualidade na escola comum. É mestre em administração pela Fundação Getúlio Vargas (EAESP), membro do Young Global Leaders (Fórum Econômico Mundial) e Empreendedor Social Ashoka. Atualmente, dirige o Instituto Rodrigo Mendes, organização sem fins lucrativos que desenvolve programas de pesquisa e formação continuada sobre educação inclusiva em diversos países.

24/04/2020 04h00

Diante de tantas dúvidas e decisões a serem tomadas em relação à pandemia, não podemos perder de vista que uma das áreas mais impactadas pelas medidas emergenciais de combate à disseminação do coronavírus é a educação. Temos acompanhado o fechamento de escolas em diferentes regiões do mundo. A razão não é apenas proteger os estudantes, mas evitar um importante vetor de transmissão, na medida em que crianças e adolescentes têm maior probabilidade de passar assintomáticos pela infecção mas, uma vez infectados, podem contaminar suas famílias.

Visando colaborar para esse desafiador contexto, a Unesco - Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura - lançou uma lista com 10 recomendações básicas para que o maior número possível de instituições consiga atender o maior número possível de alunos. Como fazer isso? É certo que as condições variam de país para país, de cidade para cidade. Por isso, é compreensível que essa lista seja curta, mas genérica o suficiente para servir de guia geral, ao qual cada rede de ensino poderá acrescer detalhes que respondam a suas demandas específicas. Resumidamente, as diretrizes são:

1. Escolher as melhores ferramentas

É preciso entender quais são as tecnologias disponíveis em cada escola e seu entorno para selecionar as que poderão ser utilizadas regularmente. Isso pode incluir acesso à internet, aulas gravadas em vídeo e transmissões por emissoras de rádio e TV locais.

2. Assegurar a inclusão

À sua maneira, cada escola deve garantir o acesso de estudantes com deficiência ou de baixa renda às atividades desenvolvidas durante o período da pandemia. Instalar equipamentos dos próprios laboratórios das instituições de ensino nas casas dos alunos pode ser uma boa alternativa.

3. Proteger a informação

É importante avaliar a segurança da comunicação online para assegurar a proteção dos dados trocados e não violar a privacidade dos estudantes.

4. Priorizar desafios psicossociais antes de problemas educacionais

Conectar professores, alunos e pais é uma estratégia imprescindível para assegurar interações humanas regulares e facilitar medidas de cuidados sociais, além de entender e resolver desafios originados pelo isolamento.

5. Organizar o calendário

Após compreender a duração do período de suspensão das aulas, avaliar e decidir se o currículo deverá trazer novos conteúdos. A reorganização do calendário precisa levar em consideração as necessidades dos alunos e a disponibilidade dos pais.

6. Apoiar pais e professores quanto ao uso de tecnologias digitais

É fundamental equalizar as capacidades tecnológicas dos estudantes e de quem vai atendê-los. A escola precisa organizar formações de curta duração e prover condições básicas de trabalho dos professores, prevendo acesso à internet para vídeo conferências.

7. Diversificar abordagens usando poucas plataformas

Os educadores devem explorar variadas possibilidades, porém evitar que estudantes e pais usem muitas plataformas.

8. Criar regras e avaliar a aprendizagem

É importante definir regras claras com pais e estudantes. Ao mesmo tempo, os professores devem avaliar continuamente a aprendizagem dos alunos, evitando sobrecarregar os pais.

9. Definir a duração das atividades com base na capacidade dos estudantes

O calendário de atividades deve ser construído de acordo com a capacidade de concentração dos alunos, especialmente perante a adoção de aulas por videoconferência. Módulos de 20 minutos para o ensino fundamental e de 40 minutos para o ensino médio são boas referências iniciais.

10. Criar comunidades e aumentar a conexão

Comunidades de professores, pais e diretores de escolas podem ajudar a combater o sentimento de solidão e o desespero. Por outro lado, favorecem a troca de experiência e a criação de estratégias para enfrentar dificuldades.

São recomendações que valem para diferentes instituições. No caso brasileiro, a desigualdade representa um enorme desafio a ser superado. Não podemos permitir que a parcela mais vulnerável da população fique desassistida neste momento tão crítico. Conforme tenho insistido, o ensino a distância precisa almejar a equidade.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL.

Rodrigo Hübner Mendes