PUBLICIDADE
Topo

Noah Scheffel

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

A gente precisa de um mundo em que queira viver

Paulo Vaz, a quem este texto é dedicado - Reprodução/Instagram
Paulo Vaz, a quem este texto é dedicado Imagem: Reprodução/Instagram
Noah Scheffel

Noah é homem trans, mãe de uma filha, e pai de outra. É fundador do EducaTRANSforma, maior agente nacional de capacitação gratuita e de consultoria em empregabilidade para pessoas transgênero em tecnologia. Iniciou carreira na área de TI muito jovem e atuou por mais de 15 anos como coordenador de tecnologia, buscando inovação por meio da diversidade e desenvolvendo produtos e serviços representativos para a sociedade, criados por todas as pessoas. Atualmente é head de diversidade e inclusão em uma empresa de investimentos. Trabalha diariamente para fomentar o senso de pertencimento de todos os recortes sociais e suas interseccionalidades. Mas foi em casa que ganhou seu maior prêmio ao ouvir da filha de 7 anos: "Mãe, tenho muito orgulho de ti por causa de quem tu é pro mundo."

21/03/2022 06h00

Hoje eu escrevo para você, Paulo, que infelizmente não está mais aqui conosco para ter certeza do quanto era amado. E mesmo que não esteja vendo o quanto nós sentimos, quero deixar escrito para todos nós que também vivemos através de tudo o que você continua a representar. Quero dizer que cada um de nós se foi um pouquinho junto com você, assim como ficou com um pouquinho de ti.

Paulo, quando você precisou ler e escutar as violências mais abomináveis com que constantemente nos deparamos, muitos outros de nós estávamos olhando para ti com toda a admiração que um corpo como o nosso consegue carregar. E eu sei que você sabe que nós podemos carregar muito. Para cada tentativa de te aniquilar, existia uma vida sendo salva por se inspirar em você. Você sabe, porque lutou muito por isso. Lutou muito por nós.

Eu sei, não é justo. Não é justo que o tempo tenha passado e, ainda assim, não tenha te trazido, ou nos trazido, paz. Eu lembro de você anos atrás segurando uma bandeira em meio a poucos de nós, mostrando ao mundo que nós existíamos. E eu sei que você sabe que agora somos muitos segurando essa mesma bandeira, mostrando ao mundo que estamos resistindo. Você ajudou a escrever essa história, e não é justo que tenham terminado de escrevê-la no seu lugar.

Estamos aqui despedaçados. Pois, assim como você, a gente apenas tenta ser feliz. Por mais que tentemos imaginar quantas vezes você foi despedaçado também, a gente queria uma única chance de olhar pra ti pra te dizer que você não estava sozinho. E agora nos teus pedaços a gente também encontrou a solidão. Não essa que você sentiu, mas a solidão de um mundo sem alguém tão importante e tão querido por nós.

Você conhece essa solidão, não é, meu querido amigo? Afinal, também já encontrou esses mesmos pedaços que deixou, de outras histórias que foram encerradas muito antes do que deveriam. Você sabe o quanto a gente sofre, até mesmo mais do que quando é com a gente, porque sabe que precisa proteger uns aos outros. E não conseguir nos proteger é incapacitante. Não poder te proteger é tão incapacitante quanto saber que eu também não consigo fazer o mesmo por mim.

Precisamos de um mundo onde nós não sejamos despedaçados, onde nós não sejamos atravessados, onde nós não precisemos ser protegidos. Precisamos de um mundo onde Paulos, Gaels, Demétrios, e tantos outros, queiram permanecer. Precisamos de um mundo onde nós tenhamos forças para segurar a mesma bandeira que você segurou, para que nenhuma de nossas vidas seja em vão.

Eu dedico essa coluna a Paulo Vaz, homem trans, que há uma semana nos deixou.

Dedico também aos 82% de homens trans que já pensaram que a vida não era uma alternativa.

E dedico a todos nós, para que não deixemos mais nos tirarem a vida que nos pertence.

Caso você esteja se sentindo sozinho, angustiado, ansioso e pensando em suicídio, procure ajuda especializada como o CVV e os CAPS (Centros de Atenção Psicossocial) da sua cidade. O CVV funciona 24 horas por dia (inclusive aos feriados) pelo telefone 188, e também atende por e-mail, chat e pessoalmente. São mais de 120 postos de atendimento em todo o Brasil. O Mapa Saúde Mental disponibiliza uma lista de atendimentos psicológico e psiquiátrico, gratuitos, em todo o Brasil, online ou presencial.