PUBLICIDADE
Topo

M.M. Izidoro

2021 não vai ser melhor

Getty Images/iStockphoto
Imagem: Getty Images/iStockphoto

M.M. Izidoro

02/01/2021 04h00

Finalmente acabou!

O momento que eu mais esperei nos últimos meses está aqui!

Finalmente chegou 2021 e vamos descobrir que "ano que vem" não vai ser melhor!

Até que enfim!

Não, isso não é um balde de água fria nos seus planos de ano novo ou eu querendo lacrar com alguma mensagem positiva para te inspirar nesse começo de ano.

Mas se tem algumas coisas que 2020 jogou na nossa cara é que nós humanos com nossos corpos de carne e ossos com nossas ideias de grandeza perante todo o resto, na verdade, não somos nada.

Podemos ter criado sociedades com bilhões de indivíduos, ter inventado carros elétricos ou foguetes que vão para outros planetas, criado a ideia de que devemos vender nosso tempo e energia em troca de uma coisa chamada dinheiro que irá nos dar tudo que a gente precisa. Mas, no fim, algo microscópico entra dentro da gente e nada disso importa.

Somos seres frágeis com ideias frágeis e é por isso que 2021 não tem como ser melhor que 2020.

Por que ele apenas vai ser.

Para muita gente, 2020 foi o pior ano de suas vidas. Para algumas outras, e eu me incluo nesse grupo, foi um dos melhores. Então como falar com certeza que 2020 foi um ano horrível, quando pra muita gente não foi e como falar que foi um ano bom, se ele não foi pra uma galera?

Para você que passou um ano horrível, tenho certeza que, se eu te perguntar, você pode fazer uma lista agora de coisas boas que aconteceram contigo. Pode ter ficado mais perto da família, acabado aquele curso que sempre quis fazer mas não tinha tempo, aprendeu a fazer pão, zerou aquele videogame, não ficou mais horas preso no trânsito, ouviu a primeira palavra do seu filho no meio do horário comercial, apesar de uma pandemia mundial você está aqui, vivo, e lendo estas minhas palavras.

Quando inventaram a ideia do tempo e dividiram ele em pedaços de diversos tamanhos, nós ficamos fixados por essa ideia das unidades grandes. O dia, a semana, o mês e o ano. Quando isso não importa muito. Porque a gente não vive o ano, a gente vive o segundo. A gente vive o momento. A gente vive o agora.

E se o agora vai ser bom ou ruim, a gente pode sim ter algum controle. Mas o ano não tem como.

E 2021 tem muita cara que terá momentos péssimos nele, como todos os anos, se estamos sendo sinceros. Mas logo no primeiro mês do ano já devemos ter picos enormes de infectados e mortos pela Covid-19 pela escolha que fizemos para celebrar as festas de fim de ano. Vamos começar a ter a vacina, mas o que vai ser o fim da crise sanitária do Covid, vai ser o começo da crise de saúde mental, da crise financeira e da crise humanitária.

Mas se a gente parar para pensar em tudo isso, a gente fica paralisado e com medo, né? Pra que criar esperança?

E eu, otimista que sou, acho que grande parte das coisas boas que vão vir em 2021, virá das descobertas que faremos ao tentar resolver todos esses problemas e ao olhar pro lado e ver quem está ali com a gente a cada passo que a gente dá e é isso que a gente pode fazer de melhor e é isso que a gente pode ter controle.

Eu tinha escrito toda uma coluna que ia ser publicada semana passada questionando como a gente poderia estar celebrando o fim de um ano que não começou? Mas joguei essa coluna toda fora e estou aqui, na manhã do primeiro dia de 2021, escrevendo essas palavras para me lembrar que teve muito 2020. Que cada dor de alguém que perdeu uma pessoa amada para a doença, cada choro de um bebê que chorou ao nascer, cada sorriso ao ver a cara de alguém que você gosta na janelinha da videoconferência, a cada vez que a gente achou que não ia aguentar e perseveramos, a cada sonho partido e cada sonho novo que nasceu das cinzas desses.

2020 vai ser um ano que muita gente vai querer esquecer, mas vários momentos dele serão impossíveis de apagar da gente. E podemos ser seres frágeis e com ideias idem. Mas, se estamos aqui hoje com quase oito bilhões de humanos, é por que a gente funciona bem junto em comunidade e criando ideias novas a todo momento.

Nós que estamos na cidade grande paramos de olhar pro céu e estamos cada vez mais olhando pro chão. Um dos problemas de parar de olhar pro céu é que esquecemos que as estrelas só aparecem quando existe a escuridão.

E é por isso que meu desejo para 2021 é que tenhamos mais momentos olhando para cima, olhando para o céu, olhando para o além, para que assim possamos criar momentos que tudo pode estar escuro e assustador, mas a beleza e possibilidades de novos mundos está logo ali na nossa frente.

E assim, pode vir 2021, 2022, 3100. Que vai ser indiferente se o ano vai ser bom ou vai ser ruim. Que vamos estar juntos a cada momento, e esses, sim, vamos tentar fazer ser os melhores momentos das nossas vidas.