PUBLICIDADE
Topo

Milo Araújo

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

O que é ciclologística?

Milo Araújo

26/02/2021 04h00

O serviço de bike courrier, nome dado para entregadores ciclistas, tem se destacado ao longo dos anos. E você sabia que eles salvam vidas? Pois é. Com a proposta de diminuir o impacto ambiental, causado por alguns fatores como o excesso de CO2, as estimativas mostram que as empresas de bike courier no país todo evitaram a emissão de 18,3 toneladas de CO2 em 2019. Somente na Região Metropolitana de São Paulo, 11,74 toneladas de CO2 foram evitadas. No total do país, o impacto da atividade de ciclo logística equivale ao sequestro de carbono realizado por 303 mudas de árvores cultivadas por dez anos.

Em meio ao mar de empresas de aplicativos que vem de fora do país para explorar a mão de obra barata no Brasil, temos algumas que nadam contra a maré e tentam proporcionar dignidade aos ciclistas. Essas empresas surgiram majoritariamente a partir de 2010, com destaque para 2015, e possuem uma força de trabalho composta por entregadores-ciclistas que pedalam principalmente em bicicletas convencionais com o apoio de acessórios para transporte de cargas como baús, carrinhos ou simplesmente mochilas para entregas que comportam grandes volumes e são impermeáveis.

Na região sudeste, onde existe a maior concentração de bike courier, 60% dessas empresas cobrem uma região mais centralizada. Estima-se que 80% das entregas aconteçam no centro expandido e os 20% restantes em bairros mais afastados, além de municípios da região metropolitana de São Paulo. A grande maioria dos ciclistas (isto é, cerca de 90% dessas empresas) fazem até 50 entregas por dia, podendo rodar até 100 km no dia. As distâncias percorridas pelas entregas dessas empresas concentram-se na média de até dez quilômetros por entrega.

As entregas podem ser por contrato fixos, esporádicos, entregas únicas ou por entregas múltiplas como no caso de um e-commerce. Os clientes podem ser dos mais diversos. De pessoas físicas a jurídicas, de escritórios a e-commerce e empresas no geral. Em termos de lucratividade, os clientes de contratos fixos são responsáveis por cerca de 70% do faturamento da empresa e os clientes esporádicos, pessoas físicas ou jurídicas, por 30%.

Do ponto de vista econômico da ciclologística, a bicicleta é um veículo que gera menos custos de manutenção do que os veículos motorizados que dependem majoritariamente, hoje, de combustíveis fósseis no Brasil. É uma economia tanto para os entregadores-autônomos quanto para as empresas de entregas que trabalham com bicicleta.

E não preciso nem falar nos benefícios sociais diretos à saúde dos entregadores, como aumento de condicionamento físico, emagrecimento e melhorias na sensação de bem-estar físico e emocional. Soluciona também problemas como a incompletude da entrega por problemas de trânsito urbano, dificuldade de estacionar tornando assim uma solução a ser adotada pelas empresas que buscam tornar sua logística mais precisa e com um viés sustentável. Mesmo com a falta de infraestrutura cicloviária e de confiança dos clientes na efetividade do serviço, elas seguem firmes e fortes no seu propósito de trazer um pouco de respiro para uma cidade que enfrenta o caos diário na mobilidade e sustentabilidade.

Para se aprofundar mais neste assunto, a Aliança Bike (Associação Brasileira do Setor de Bicicletas), junto com a LABMOB (Laboratório de Mobilidade Sustentável/PROURB-UFRJ) levantaram um estudo sobre ciclologistica no qual esse texto foi baseado e pode-se encontrar informações mais detalhadas sobre o assunto.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL