PUBLICIDADE
Topo

Milo Araújo

8 benefícios do uso de bicicletas

"A bicicleta requer um consumo muito pequeno de energia" - REUTERS/Sergio Moraes
"A bicicleta requer um consumo muito pequeno de energia" Imagem: REUTERS/Sergio Moraes

Milo Araújo

15/01/2021 04h00

Já foi dito aqui que o uso da bicicleta pode trazer benefícios diretos e indiretos. Mas hoje trago mais alguns exemplos apresentados no Caderno de Referência para elaboração de: Plano de Mobilidade por Bicicleta nas Cidades. Além dos efeitos positivos para a economia do país, decorrentes da produção, montagem e comercialização de bicicletas, eis as seguintes características favoráveis:

1) Baixo custo de aquisição e manutenção

Dentre todos os veículos de transporte urbano, a bicicleta é o mais barato em termos de aquisição e manutenção. O preço do modelo mais simples caiu, especialmente depois da abertura econômica girando em torno de US $70,00 (R$370,00) contra US $110 (R$584,00) em 1995. Também o custo da manutenção, além de pequeno em termos absolutos, chega a ser desprezível quando comparado aos dos demais veículos de transporte individual.

2) Eficiência energética

Para a sua utilização, a bicicleta requer um consumo muito pequeno de energia, tanto na forma absoluta quanto na forma comparativa. Para deslocar-se o ciclista utiliza seus membros inferiores e superiores, mobilizando sua musculatura, de tal maneira que o veículo funciona como extensão do seu próprio corpo.

3) Baixa Perturbação Ambiental

O impacto ambiental da bicicleta ocorre, na prática, somente durante a sua fabricação, pois não há processo industrial completamente limpo e não poluente. No entanto, pode-se afirmar que tal impacto é pequeno, em termos relativos, sendo a constatação desse fato intuitiva, pois seu porte e peso são reduzidos e, assim, baixos os consumos de energia e dos materiais no processo de transformação, comparativamente aos outros veículos individuais concorrentes. No momento do uso é praticamente nula a perturbação da bicicleta, pois sua propulsão é baseada na força humana, sendo quase inaudível o ruído provocado por seu mecanismo (exceto, naturalmente, as buzinas e campainhas). A intrusão visual é um conceito que praticamente não se aplica ao ciclista, podendo-se dizer que ele compõe a paisagem.

4) Contribuição à saúde do usuário

Fortemente terapêutico, o ciclismo contribui para restaurar e manter o bem-estar físico e mental da população. Pesquisas comprovam que os indivíduos fisicamente ativos tendem a apresentar menos doenças crônico-degenerativas, resultado de uma série de benefícios fisiológicos e psicológicos, decorrentes da prática da atividade física. Pesquisas demonstram que um gasto energético em torno de 2.000 kcal/semana está associado a uma taxa de mortalidade 30% menor do que a taxa normal para indivíduos sedentários, sendo que benefícios já podem ser observados a partir de um gasto semanal de 1.000 kcal. Com o uso da bicicleta como meio de transporte e lazer, é possível atingir tal gasto energético semanal com facilidade.

5) Equidade

A bicicleta é o veículo individual que mais atende o princípio da igualdade, pois proporciona alto grau de autonomia à população como um todo. Por ser muito barata e fácil de manejar, é acessível a praticamente todas as camadas econômicas e as pessoas de quase todas as idades e condições físicas. Excetuam-se as crianças menores de 12 anos, pela dificuldade de entender as regras da circulação, e as pessoas muito idosas, cujos reflexos já estejam comprometidos.

6) Flexibilidade

A bicicleta concede elevada flexibilidade ao seu usuário, pois não está presa a horários nem rotas pré-estabelecidas. Além disso, ela pode, eventualmente, circular em locais inacessíveis às outras modalidades. Em situações de impasse, como congestionamento de tráfego, o ciclista não é obrigado a se resignar e esperar indefinidamente a superação do problema. Ele pode desmontar e, como pedestre, continuar viagem empurrando seu veículo na calçada, desde que não coloque em risco a segurança dos pedestres.

7) Rapidez

Para distâncias de até 5 km, nas áreas urbanas mais densas das cidades, há estudos que constatam ser a bicicleta o meio de transporte mais rápido em deslocamentos "porta-a-porta". Para iniciar uma viagem, o ciclista necessita de pouco tempo no acesso a seu veículo e, como já foi dito, é menos afetado pelos congestionamentos do que usuários de outras modalidades de transporte.

gráfico -  Reprodução/Caderno de Referência para elaboração de: Plano de Mobilidade por Bicicleta nas Cidades -  Reprodução/Caderno de Referência para elaboração de: Plano de Mobilidade por Bicicleta nas Cidades
GRÁFICO 9 Modo de transporte x tempo de viagem. Fonte: EUROPEAN COMISSION, 1999.
Imagem: Reprodução/Caderno de Referência para elaboração de: Plano de Mobilidade por Bicicleta nas Cidades


Em condições adequadas, e que não coloquem em risco a circulação a pé e a dos próprios ciclistas, eles podem desenvolver velocidades consideráveis em trajetos urbanos, tendo sido registradas em ciclovias holandesas, a velocidade médias de 19 km/h. Nas condições normais, considerando o atrito nos cruzamentos e em outras circunstâncias de tráfego, ainda assim a velocidade média da bicicleta pode situar-se entre 12 km/h e 15 km/h. Vê-se, portanto, que viagens de bicicleta são 3 a 4 vezes mais velozes do que a caminhada e, algumas vezes, mais rápidas que automóveis, dependendo das condições de congestionamento.

8) Menor necessidade de espaço público

Na prática, o espaço viário requerido pela bicicleta, em comparação com outros modos de transportes, depende das condições em que se produzem os movimentos, mas obviamente o espaço ocupado por bicicletas em movimento é muito inferior ao requerido por automóveis, por exemplo. Para se ter um número de referência: em uma hora passam até 1.500 bicicletas por metro de largura de via. Assim, uma faixa de 3 metros comporta um fluxo de cerca de 4.500 bicicletas, enquanto permite a passagem de apenas 450 automóveis, aproximadamente. E enquanto que no espaço requerido em estacionamentos, acomodam-se até 10 bicicletas, com certa folga, numa área equivalente a uma vaga de automóvel, podendo-se chegar ao número de 20, com esquemas que utilizam mais de um nível.

Essas e outras infos podem ser encontradas no Caderno de Referência para elaboração de Plano de Mobilidade por Bicicleta nas Cidades. No próximo texto, apresentarei as características desfavoráveis para o uso da bicicleta na cidade.