PUBLICIDADE
Topo

Mara Gama

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Série mostra a ação indígena há 6 mil anos na criação da Amazônia

Cena da série "Arqueologia da Floresta" - Reprodução
Cena da série 'Arqueologia da Floresta' Imagem: Reprodução
Mara Gama

Mara Gama é jornalista e pós-graduada em Design. Trabalhou na MTV Brasil e foi repórter, consultora de texto e colunista de meio ambiente da Folha de S. Paulo. Fez parte da equipe que iniciou o UOL, onde foi diretora de qualidade de conteúdo e ombudsman. Atualmente é consultora de texto e estuda economia circular e sustentabilidade.

12/05/2022 06h00

A ideia de uma floresta intocada e desabitada no maior bioma brasileiro ainda faz parte do senso comum. Elementos e construções encontrados nos Andes, onde floresceram civilizações do Peru e da Bolívia, não se encontravam na Amazônia, que era considerada marginal até pela arqueologia sul-americana.

Foi a partir dos anos 1980 que trabalhos dos pesquisadores americanos Darriel Posey e William Balée com os povos Kaiapó e Ka'apor contestaram a tese da floresta nativa selvagem. Seus estudos nos estados do Pará e do Maranhão provaram modificações da paisagem pelo manejo desses grupos indígenas em áreas florestais ao longo da história. Provaram, assim, que a floresta era fruto de interações constantes dos habitantes na sua lida com plantas e bichos da região.

Esses estudos abriram caminho para o que passou a ser conhecido como ecologia histórica. Hoje, se sabe que, em toda a Amazônia, há sítios com marcas humanas com datações de mais de 10 mil anos, sendo os mais antigos os da região de Cerro Azul, na Colômbia, e de Monte Alegre, no Pará, com cerca de 12 mil anos.

O manejo do território, a dieta e os hábitos de nativos da Amazônia são alguns dos objetos de estudo de um grupo de arqueólogos e biólogos que atua há quase dez anos no sítio Monte Castelo, em Rondônia, que tem vestígios de habitação e atividade contínua de mais de 6 mil anos. E esse trabalho de campo pode ser conhecido em detalhes através da série "Arqueologia da Floresta", da diretora Tatiana Toffoli, que está on demand no SescTV desde 30 de abril.

Monte Castelo é um sambaqui fluvial — uma estrutura construída de conchas de moluscos — que parece uma ilha elevada no rio Guaporé. Foi escavado pela primeira vez pelo arqueólogo Eurico Miller, na década de 1980. Trinta anos mais tarde, a equipe chefiada pelo antropólogo Eduardo Góes Neves relocalizou o sítio e retomou as escavações.

A série, dividida em quatro episódios, proporciona uma experiência única: acompanhar in loco vários momentos de descobertas e as discussões do grupo para interpretar as pistas recolhidas da terra e elaborar hipóteses sobre os habitantes do local. Participam das escavações moradores da aldeia Palhal, da etnia Tupari, que ajudam a compreender a ocupação da região com suas memórias e conduzem a equipe até uma antiga aldeia onde viviam antes da criação da Reserva Biológica (ReBio) do Guaporé, em 1983.

Estar dentro de uma ReBio é uma das condições de preservação do sítio para a pesquisa científica e, pelos mesmos motivos, uma das razões da dificuldade extrema de acesso ao local. Não há estrada nenhuma e a região é cercada de búfalos que foram levados de Marajó para lá antes da existência da reserva e, abandonados desde então, se tornaram selvagens. É, portanto, um local que só dá para conhecer através da série.

"A série ajuda a contar a história da floresta e essa história é resultado da atividade e dos contatos entre plantas e animais, incluindo o homem", diz Tatiana Toffoli. "Os povos da floresta sempre estiveram manejando o ambiente e são responsáveis pela abundância de algumas plantas, como as palmeiras" diz.

"Eu acredito que a arqueologia pode nos ajudar a encontrar melhores maneiras de ocupar e viver a floresta", diz o arqueólogo Eduardo Góes Neves em um dos episódios.

O projeto, que foi financiado pelo Sesc, deve seguir com mais capítulos. "Já fizemos uma viagem para uma região próxima de Porto Velho, na antiga cachoeira Teotonio, que foi inundada pela represa da usina hidrelétrica Santo Antonio. É o local onde existe a terra preta mais antiga da região, com 9 mil anos", conta Tatiana, que assina também a produção do longa "Mar de Dentro".

Para quem se interessar pelo tema, Eduardo Góes Neves é autor do livro "Arqueologia da Amazônia", de 2006, que pode ser encontrado na versão e-book na Amazon e em exemplares em papel em sebos e na Estante Virtual.