PUBLICIDADE
Topo

Júlia Rocha

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Na voz do apresentador, até a fome fica fofa

Getty Images/iStockphoto
Imagem: Getty Images/iStockphoto
Júlia Rocha

Mineira de Belo Horizonte, Júlia Rocha nasceu em uma família de músicos e médicos e decidiu conciliar as duas paixões também em sua vida. Tornou-se médica com a mesma naturalidade com que se tornou cantora. Júlia se apresenta como "especialista em gente, médica de família e comunidade".

16/06/2021 06h00

Boa noite! Está no ar o Jornal Miau Miau Miau. O Diário Oficial da classe dominante brasileira . Somos o seu Jornal Fofinho. Aqui, nós damos notícias trágicas de um jeito meigo e despolitizado sem provocar qualquer reflexão mais profunda no nosso público. Aqui, a miséria vira ponte para uma linda história de superação que termina com alguém apenas sobrevivendo, depois de ter sido exposto às mais fofas injustiças.

Assista agora com toda sua família: as maravilhosas histórias de superação de pessoas que perderam tudo (emprego, casa, familiares, saúde, esperança, crédito) mas seguem vivoa, ou quase isso, sem comida, sem luz elétrica, sem acesso à saúde, à educação, levando tapa na cara da polícia simplesmente por pobres, pretas e faveladas.

Conheça a história de Robson, jovem negro que precisou abandonar a faculdade de Engenharia após perder o emprego e que hoje é obrigado a pedalar 150 km por dia, sem folga, sem férias, sem décimo terceiro, sem direito a afastamento por motivos de saúde e sem proteção contra acidentes para ganhar um salário que não dá nem para pagar as contas. Mas fique tranquilo, a gente vai dar esta notícia com uma voz motivadora e não vamos deixar você perceber o quanto as estruturas injustas deste sistema político e de produção submetem as pessoas obrigando-as a trabalhar por qualquer trocado pra não passar fome. Afinal, melhor vender sua alma, sua saúde e sua vida para um homem bondoso que lucra bilhões com um aplicativo que te paga cada vez pior e não te oferece nenhum direito que não ter dinheiro nenhum, não é mesmo?

Qual o problema se você pedala sua própria bicicleta? Qual o problema se você precisa comprar a mochila onde leva as entregas e a jaqueta com a logo do aplicativo para ainda fazer propaganda gratuita pra eles? Você é um empreendedor. Um cara que faz o seu próprio tempo. Livre de patrão, não é verdade?

Você ainda vai se encantar com a história de uma heroína, uma guerreira, que depois de aposentada precisou voltar a trabalhar com o neto a tira-colo. De muleta, com curativos nas pernas, Regina segue vendendo bala no farol de uma movimentada avenida de São Paulo.

Câmera na Dona Regina: "Deus tem me dado força para não desistir. Ainda bem que tenho esse lugar para trabalhar e conseguir levar mais 300 reais por mês para casa."

Volta para a voz vibrante do repórter e imagens de Regina e seu neto correndo risco de atropelamento entre os carros. Vai, repórter. Defende o absurdo!

"Por trás desta história comovente, encontramos um exemplo de solidariedade e amor. Dona Regina e seu neto recebem todos os dias a marmita que mata sua fome das mãos de Charles. Charles faz parte de um grupo de voluntários que segue com dificuldades distribuindo alimentos para pessoas em situação de rua."

É claro que nós, apresentadores do Jornal Miau Miau Miau, vamos dar destaque aquilo que desperta em você uma emoção genuína e que te leva a seguir acreditando que basta a gente se esforçar que todo esse caos sanitário vai se resolver.

Nós não queremos deixar você perceber que as coisas poderiam ser diferentes se houvesse vontade política e compromisso com a vida. Nós não queremos que você enxergue a notícia por trás do nosso teatro. Nós temos a missão de esconder de você a injustiça, mostrando a você e sua família esta pataquada toda.

Você está chorando, nossa voz está embargada, a audiência subiu, o patrocinador do jornal está feliz, nada mudou de verdade... O jornal termina, a novela começa. Acho que conseguimos.

Boa noite.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL