PUBLICIDADE
Topo

Debora Garofalo

Como avaliar a aprendizagem em tempos de pandemia

Débora Garofalo

Com foco em educação criativa, traz dicas e insights sobre como driblar obstáculos de falta de estrutura, tempo e material para encantar alunos e alunas na sala de aula

09/09/2020 04h00

Com a pandemia foi necessário reinventar a educação, aulas mediadas por tecnologia, ensino híbrido, tudo para que a aprendizagem não parasse nesse momento. No entanto, muitos professores estão procurando caminhos para avaliar o processo cognitivo, um processo importante que permite ao educador traçar novas rotas e mais do que isso, abordar novas metodologias.

Os modelos clássicos que quantificam a aprendizagem já vinham sofrendo críticas antes de estarmos vivenciando o processo emergencial. Com a educação mediada por tecnologia surge a oportunidade de repensar práticas, descobrir o que dá certo e encontrar novos caminhos, inclusive para promover uma avaliação que avalie o processo e não somente o produto final e no momento oportuno, combiná-las com a retomada das aulas presenciais.

Avaliação com foco no processo

A avaliação deve ocorrer em etapas e o professor deve considerar a melhor forma de proceder com a avaliação. No entanto, com aulas mediadas por tecnologia é importante focar em diferentes maneiras de lidar com esse processo, principalmente considerando que muitos estudantes não sendo ouvidos neste momento, outros que possuem uma enorme timidez para lidar nas frentes das câmeras. Neste sentido, reunimos algumas sugestões para que você professor, possa refletir sobre esse momento.

Avaliação diagnóstica

A avaliação diagnóstica pode ocorrer em qualquer etapa da escolarização e também no início, no meio e no final de um processo de aprendizagem. Assim, ela pode potencializar e personalizar o processo avaliativo que precisa ser contínuo e diversificado, tanto no quesito de metodologias enquanto instrumentos e ferramentas.

Diversificar a avaliação

Com o ensino remoto é possível diversificar na avaliação e dividir as responsabilidades com os estudantes, como por exemplo estabelecer critérios para que o estudante possa identificar onde está e onde quer chegar e ainda avaliar o professor e ou ainda realizar um portfólio que pode ser digital e ou de maneira impressa.

Ambos precisam de critérios em que os estudantes precisam participar de maneira ativa deste processo, seja construindo em conjunto com o professor os critérios, planejando o seu portfólio e realizando metas. Essa é uma maneira eficaz de envolver os estudantes no processo cognitivo, participando ativamente da construção da aprendizagem e tendo um feedback e compreendendo o sistema de avaliação, como uma ferramenta importante ao processo.

Inovação

A avaliação pode ocorrer por diversos meios digitais e potencializar e personalizar o ensino com a aprendizagem como fórum de discussões, mensagens diretas e comentários. Essas informações são úteis para determinar o envolvimento do estudante e o esforço para acompanhar o conteúdo.

O conteúdo também pode se apresentando de uma maneira diferenciada como por tópicos e ou ainda com projetos em redes sociais, através de áudios, vídeos, storyboards e ou ainda textos criativos.

Estamos vivenciando tempos de incerteza e de muitos desafios, mas fundamental não deixarmos nenhum estudante para trás e encontrar novos caminhos para minimizar os impactos e danos na educação.

Um abraço e até a próxima.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL.

Debora Garofalo