PUBLICIDADE
Topo

Como metodologias ativas podem contribuir com sua próxima aula

Débora Garofalo

Com foco em educação criativa, traz dicas e insights sobre como driblar obstáculos de falta de estrutura, tempo e material para encantar alunos e alunas na sala de aula

17/06/2020 04h00

As metodologias ativas chegaram para ficar! Muito conhecida e utilizada no ensino superior, as metodologias ativas, cada vez mais, tem um lugar garantido na educação básica por possibilitar tirar o aluno da passividade e trazê-lo ao centro do processo de aprendizagem proporcionando um aprendizado ativo e colaborativo. Além disso, metodologias ativas contribuem com habilidades necessárias para o mundo atual, como colaboração, empatia, exercício de resoluções de problemas, entre outros.

Com aulas mediadas por tecnologia, devido a pandemia, também é possível trabalhar com as metodologias ativas, com o objetivo de promover um aprendizado em busca do protagonismo participativo e autoral.

Desta maneira, as metodologias ativas permitem um aprendizado mais personalizado e ativo ao possibilitar que o estudante discuta, pratique e aprenda com o outro. Conheça abaixo algumas mais práticas que podem contribuir com sua próxima aula.

Para levar para a sala de aula:

  1. Sala de aula invertida

A sala de aula invertida permite que os estudantes tenham acesso a conteúdos de maneira antecipada. O professor pode encaminhar um material para ser discutido em sala de aula, otimizando o tempo e tirando dúvidas com os colegas. Além de resolver problemas e mobilizar conhecimentos e análise de casos.

É importante ressaltar que não basta apenas antecipar os conteúdos, é essencial que o professor forneça orientações como proceder com esses conteúdos, com orientações claras e objetivas para eficácia e personalização do ensino-aprendizagem.

Para os docentes também há benefícios, entre eles um melhor planejamento, disponibilização de vários materiais multimodais e formatos diferenciados.

  1. Ensino híbrido

Nesta modalidade a aprendizagem ocorre de maneira híbrida misturando a aprendizagem online e offline e também promovendo atividades em laboratórios rotacionais, possibilitando o trabalho individual ou em grupo. Desta forma, os estudantes exercitam na prática o pensamento crítico, aprofundando os conteúdos.

  1. Aprendizagem baseada em problemas

A aprendizagem baseada por problemas tem como objetivo permitir que o estudante construa o seu aprendizado através de problemas reais, que visam trabalhar com conceitos e atitudes. Por meio de problemas propostos é possível encontrar soluções ao permitir trabalhos e projetos mãos na massa, como a cultura maker, a robótica, a linguagem de programação, entre outros.

  1. Aprendizagem baseada em projetos

Nesta modalidade os estudantes têm como objetivo vivenciar o conhecimento por meio da solução colaborativa de atividades, desafios ou projetos utilizando a tecnologia ou trabalhando com habilidades críticas e investigativas diante de desafios propostos.

O professor atua como mediador do processo de aprendizagem, aguçando os estudantes a aplicarem os conhecimentos e encontrar possíveis soluções para o desenvolvimento do seu projeto em que o erro faz parte, com o retorno e avaliação do professor.

  1. Aprendizagem entre times e ou pares

Nesta modalidade a aprendizagem tem o foco formar equipes em que os estudantes possam resolver desafios e compartilhar ideias, além de trabalhar a colaboração retomando o conceito learning by doing, que traduzindo para o português significa: aprender uns com os outros, a partir de opiniões divergentes entre si.

A partir de metodologias ativas é possível contribuir para o desenvolvimento da autonomia, confiança, resoluções de problemas, protagonismo juvenil, em uma aprendizagem significativa, envolvente e rica em experimentação.

Um abraço carinhoso e até a próxima semana.

Debora Garofalo