PUBLICIDADE
Topo

Bianca Santana

Sair do isolamento para atirar... quem é o alvo?

A performance "Mil Litros de Preto II - O largo transborda" alertou para a chacina de jovens negros, em São Paulo - André Velozo/Divulgação
A performance "Mil Litros de Preto II - O largo transborda" alertou para a chacina de jovens negros, em São Paulo Imagem: André Velozo/Divulgação
Bianca Santana

Bianca Santana é jornalista. Autora de "Quando me descobri negra" e organizadora de coletâneas sobre gênero e raça, foi convidada da Feira do Livro de Frankfurt em 2018 e da Feira do Livro de Buenos Aires em 2019, quando também foi curadora do Festival Literário de Iguape. Pela UNEafro Brasil, tem contribuído com a articulação da Coalizão Negra por Direitos. No doutorado em ciência da informação, na Universidade de São Paulo, pesquisou a escrita e a memória de mulheres negras. Foi professora da Faculdade Cásper Líbero e da pós-graduação em jornalismo multimídia na Faap. Atualmente, está escrevendo uma biografia sobre Sueli Carneiro.

05/05/2020 04h00

Ignorando mais uma vez o isolamento social, Jair Bolsonaro praticou tiro ao alvo e mostrou seu excelente desempenho em um vídeo postado no Facebook na semana passada. "De dez tiros, o pior foi 8, tá bom, né?", pergunta o presidente da República, rindo. Em meio a mais de 105 mil pessoas com Covid-19 e mais de 7 mil mortes, sem contar a subnotificação, pelo menos alguém está comemorando. Já os alvos dos disparos do presidente, como estamos?

Essa é minha primeira postagem nesta coluna, até esqueci de me apresentar. Sou filha de um homem morto por traumatismo craniano. Alvo de tiros. Nunca me apresentei assim. Mas, com quinze dias de hospital, meu pai foi mais um homem declarado pardo ao ser contabilizado nas estatísticas de mortes violentas na periferia da zona norte de São Paulo. E eu era mais uma menina que crescia sem pai na Cohab.

Já sei como os apoiadores de Jair Bolsonaro vão reagir, provavelmente sem ler. Então, para vocês, me apresentarei de outra forma. Algo da minha história de vida que vocês possam chamar de meritocracia. Eu não acredito nela, mas, como vocês gostam: passei a circular pela cidade toda, não só na periferia, quando fui estudar no então concorrido Liceu de Artes e Ofícios. Depois cursei jornalismo na Cásper Líbero, ciências sociais na USP. Fui morar sozinha em uma kitnet na avenida Paulista. Casamento, mestrado, dois filhos, uma filha, uma enteada, um netinho, doutorado. E, voilà, hoje vivo na pretensiosa zona oeste de São Paulo, das únicas negras moradoras do condomínio.

Mas preciso interromper a apresentação. Porque zona oeste me lembra Jacarepaguá, bairro da zona oeste do Rio de Janeiro, citado pelo The Intercept há pouco mais de uma semana, ao divulgarem documentos do Ministério Público que mostram como Flávio Bolsonaro financiou e lucrou com a construção ilegal de prédios erguidos pela milícia naquele lugar.

Vocês lembram que, em dezembro de 2018, o então secretário de Segurança Pública do Rio de Janeiro havia afirmado que Marielle Franco foi assassinada por milicianos que queriam proteger o esquema de grilagem de terras em... Jacarepaguá, na popular zona oeste de Rio de Janeiro?

Depois disso, Adriano da Nóbrega foi assassinado e, na semana passada, Sergio Moro foi pressionado a trocar o comando da Polícia Federal do Rio de Janeiro. Estavam chegando muito perto dos Bolsonaro? No pronunciamento oficial, o presidente, tão sorridente no vídeo postado na semana passada, estava chateado porque a PF teria dado muita atenção às investigações do caso Marielle.

Não seria um bom momento para Augusto Aras, Procurador-Geral da República, e Alexandre de Moraes, Ministro do Supremo Tribunal Federal, mandarem reabrir as investigações do envolvimento de Jair Bolsonaro e seus filhos no assassinato de Marielle Franco? Ou eles também têm algum interesse em manter o caso arquivado?

Está na hora de os alvos falarem. E numa boa. A Coalizão Negra por Direitos lançou recentemente uma campanha com a agência Wunderman Thompson chamada Alvos do Genocídio. Há cartazes da campanha em pontos de ônibus e relógios de rua em sete cidades brasileiras. Com o isolamento social, a maior parte das pessoas, respeitando as orientações de cientistas e da Organização Mundial da Saúde, não vai ver a campanha física. Ainda bem. É importante que quem puder fique em casa para que contenhamos a proliferação do coronavírus. Para que as pessoas possam viver. O contrário do que evoca o atual presidente, sorrindo, empenhado em atirar.

Há um genocídio em curso no Brasil muito antes de um miliciano ter sido eleito Presidente da República. A Covid-19 já mata 16 pessoas por hora no Brasil. Enquanto isso, a cada 23 minutos um jovem negro é assassinado e isso não é aleatório. Somos alvos. E enquanto não chamarmos de genocídio o assassinato de negras e negros, ele não será interrompido. Da mesma forma, enquanto o Estado brasileiro não responder quem mandou o vizinho do presidente matar Marielle Franco, não descansaremos.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL.

Bianca Santana