UOL Carros

15/08/2008 - 19h22

BMW X6 mistura performance de cupê com recursos de utilitário esportivo

Da Auto Press
Luiz Humberto Monteiro Pereira/Carta Z Notícias

Entre os concorrentes do X6, Porsche Cayenne e Mercedes-Benz ML
VEJA MAIS FOTOS DO BMW X6 NO BRASIL
A BMW decidiu trazer para o Brasil o seu novo crossover, o X6. Ou, como o departamento de marketing da marca o batizou, "Sport Activity Coupé", algo como "cupê para atividades esportivas". Com isso, a fabricante alemã tenta criar um novo nicho de mercado com um veículo que tem como objetivo recriar o comportamento dinâmico dos seus modelos de passeio em uma carroceria de maior porte e robustez. Baseado sobre a plataforma do X5, o X6 cria um subsegmento dentro do estratificado mundo dos utilitários esportivos de alto desempenho.

Embora as formas agressivas da dianteira guardem semelhança com o X5, com faróis com formato irregular e seus característicos aros luminosos, as enormes entradas de ar já prenunciam que o X6 não é um utilitário esportivo convencional. Criado para comportar apenas quatro ocupantes, que se sentam em poltronas individuais envolventes, o estiloso modelo se distancia do caráter mais familiar e versátil do X5.

ACELERADAS
- Na Europa estão disponíveis duas opções movidas a diesel, ambas seis cilindros 3.0: xDrive 30d, turbo, que gera 235cv, e xDrive 35d, biturbo, capaz de produzir 286 cv.
- Apresentada no Salão de Frankfurt de 2007, junto com o primeiro protótipo, a versão híbrida do modelo deverá estrear em 2009. Segundo a BMW, o sistema diminuirá em 20% o consumo em relação ao propulsor convencional.
- O modelo é fabricado na planta de Spartanburg, na Carolina do Sul, Estados Unidos, onde também são produzidos o roadster Z4 e o X5. A fábrica abrigará também a produção da nova geração do BMW X3.
- Nas laterais do console central existem apoios acolchoados para os joelhos dos passageiros dianteiros. Uma demonstração de conforto aliado à indicação da proposta mais esportiva do modelo.
- O X6 deverá ganhar uma variante ainda mais potente em 2009, preparada pela M, divisão esportiva do fabricante responsável pelos lendários M3, M5 e M6. Segundo a divisão, o X6 M deverá ser equipado com uma versão preparada do já conhecido V8 4.4 biturbo.
- O coeficiente de penetração do X6 é de 0,33 cx, bom para a categoria.
- O X6 utiliza 11 diferentes compostos metálicos em sua carroceria.
- O porta-malas do X6 tem capacidade para 570 litros -- 1.540 com os bancos traseiros rebatidos. Como os cupês, o modelo não tem limpador de pára-brisas traseiro.
- Quando engata a marcha ré, uma câmara traseira envia ao painel a visão da traseira, para facilitar as manobras.
- A curva de torque do X6 xDrive35i é plana entre os 1.500 e os 5 mil giros.
Na traseira, o caimento pronunciado do teto, somado aos pára-lamas abaulados acentuam o "jeito cupê de ser" do X6. A linha de cintura alta, marcada por um vinco ascendente que termina em um defletor integrado à tampa do porta-malas, as lanternas que avançam sobre as laterais, a diminuta área envidraçada lateral e a elevada altura de rodagem são alguns dos ingredientes que tornam ainda mais singular o perfil do novo BMW.

DUAS MEDIDAS
No Brasil, o modelo estará disponível em duas versões. A xDrive35i, com o motor 3.0 biturbo de seis cilindros em linha e injeção direta de combustível. O propulsor é capaz de gerar expressivos 306 cv e 40,8 kgfm de torque máximo, já disponíveis a partir de 1.300 rpm. Equipado com uma caixa de câmbio automática de seis velocidades -- com opções de trocas manuais por meio de borboletas no volante --, o seis cilindros promete levar as mais de duas toneladas do X6 da imobilidade aos 100 km/h em 6,7 segundos e alcançar 240 km/h de velocidade máxima, segundo dados da BMW.

Em dois meses, chega a versão top xDrive 50i. Ela é equipada com um V8 4.4 com dois turbos alojados entre as bancadas de seus cilindros e injeção direta. O propulsor gera 407 cv e 62,2 kgfm de torque a partir das 1.800 rpm. O modelo acelera de zero a 100 km/h em apenas 5,3 segundos, com velocidade máxima limitada eletronicamente em 250 km/h - segundo dados do fabricante.

TECNOLOGIA
Para dar ao X6 um comportamento dinâmico mais apurado, a BMW o equipou com uma variante mais sofisticada da tração integral xDrive. O sistema monitora eletronicamente a tração, repartindo-a na razão de 40% para o eixo dianteiro e 60% para o traseiro. Em caso de deslizamento de alguma roda, o torque é repassado integralmente para o eixo ou roda com melhor aderência. O sistema é auxiliado por um controle dinâmico de performance, DPC -- Dynamic Performance Control --, dotado de diferencial próprio, que varia a distribuição do torque nas rodas traseiras para corrigir a trajetória, tanto sob aceleração quanto em desaceleração.

O X6 conta também com suspensão adaptativa, capaz de suprimir inclinações e controlar o amortecimento de acordo com o terreno. Na versão top xDrive 50i, somada a esses recursos está a direção ativa, que varia sua relação de acordo com o ângulo de esterço do volante. Os discos de freio secam-se automaticamente em pisos molhados e compensam a perda de eficiência por fadiga. O X6 possui ainda equipamentos que também o habilitam para percursos fora-de-estrada leves, como, por exemplo o controle de velocidade em declives -- HDC­.

Se não possui rivais em relação à sua proposta original, o X6 concorre em desempenho e preço com outros utilitários de luxo e de alta performance, tais como o Porsche Cayenne, Mercedes-Benz ML e Range Rover Sport. O xDrive35i sai por R$ 325 mil e o V8 xDrive50i sairá por R$ 390 mil. Sem dúvida alguma, a BMW conseguiu tornar o segmento ainda mais exclusivo, com um modelo com design e proposta verdadeiramente diferenciados.
(por Julio Cabral e Luiz Humberto Monteiro Pereira)

Luiz Humberto Monteiro Pereira/Carta Z Notícias 
X6 tem esportividade de cupê, aptidão off-road de jipão de luxo e uma certa extravagância

FICHA TÉCNICA
BMW X6 xDrive35i
Motor: Gasolina, dianteiro, longitudinal, 2.979 cm³, biturbo, seis cilindros em linha, quatro válvulas por cilindro, duplo comando de válvulas no cabeçote e injeção eletrônica direta de combustível multiponto seqüencial. Acelerador eletrônico.
Transmissão: Câmbio automático de seis marchas à frente e uma a ré, com opção de trocas seqüenciais na manopla e através de borboletas atrás do volante e seletor eletrônico de marchas. Tração integral. Controle eletrônico de tração e diferencial com escorregamento limitado.
Potência máxima: 306 cv entre 5.800 rpm e 6.250 rpm.
Torque máximo: 40,7 kgfm entre 1.300 rpm e 5 mil rpm.
Diâmetro e curso: 84,0 mm X 89,6 mm. Taxa de compressão: 10,2:1.
Suspensão: Dianteira independente com braço duplo transversal, molas helicoidais e amortecedores controlados eletronicamente. Traseira em eixo integral, com molas helicoidais e amortecedores controlados eletronicamente. Controle eletrônico de estabilidade e controle anticapotamento.
Freios: Discos ventilados na frente e atrás. ABS, EBD e assistente de frenagem de emergência.
Carroceria: Crossover grande em monobloco com quatro portas e quatro lugares. 4,87 metros de comprimento, 1,98 m de largura, 1,69 m de altura e 2,93 m de distância entre-eixos. Oferece airbags frontais, laterais e de cabeça.
Peso: 2.670 kg; 600 kg de carga útil.
Porta-malas: 570 litros.
Tanque: 85 litros.
IMPRESSÕES
A proposta da BMW ao criar o X6 não era mesmo nada modesta: juntar num mesmo automóvel as características que proporcionam o prazer de dirigir nos vários modelos da marca. Ou seja, era preciso criar algo que reunisse o jeito arisco do Série 1, a esportividade do Série 3, o luxo do Série 5, o conforto do Série 7 e ainda a versatilidade do X3 e a robustez do X5. Daí surgiu o X6, denominado como "Sport Activity Coupé".

A idéia era aliar a esportividade de um cupê com a aptidão para o off-road de um jipão de luxo, tudo isso temperado com uma generosa pitada de extravagância. Por fora, tal pitada se revela na singular mistura de jipe com cupê, mais perceptível quando se olha o carro de perfil. Por dentro, a extravagância fica por conta dos quatro lugares individuais, característica peculiar num modelo do mesmo tamanho de utilitários esportivos que levam cinco e até sete pessoas.

Mas carregar muita gente está longe de ser a meta do X6. Para quatro pessoas, dá para garantir viagens confortáveis, com muito estilo. Se a estrada for um asfalto de boa qualidade, é possível trafegar em velocidade de cruzeiro elevadas, sem sustos. Se for necessário encarar algum lamaçal, os dispositivos eletrônicos -- são 49 no total -- também se encarregam de ajudar a manter o X6 sob controle. O motor 3.0 e o câmbio automático de seis velocidades, com opção de acionamento manual através de borboletas no volante, ajudam a dar ao motorista uma agradável sensação de controle absoluto na situação. Seja em curvas abusadas no asfalto ou em charcos viscosos.

Mas a grande atração do X6 é mesmo o Dynamic Performance Control. O dispositivo controla eletronicamente a tração em cada roda do carro, de forma diferenciada e independente, para corrigir equívocos do motorista. Ou seja, se o carro ameaça derrapar, o dispositivo reposiciona-o na trajetória desejada apenas controlando a tração em cada roda, sem a necessidade de acionamento dos freios. O resultado é que é muito mais fácil executar manobras ousadas e bem difícil errar. Trata-se de um dos automóveis que mais se aproxima daquilo que os americanos costumam chamar de "fool proof" -- algo como "à prova de tolos". Mais que o estilo, é esse sistema que faz do X6 um BMW fora de série.
(por Luiz Humberto Monteiro Pereira, em Cesário Lange, SP)

Compartilhe:

    Fale com UOL Carros

    SALOES