UOL Carros

05/03/2008 - 13h40

Moto básica da Sundown ganha um pouco mais de força

Da Infomoto
Barata e com um motor um pouco mais potente: essa é a proposta da nova Sundown Hunter 100 para ampliar sua participação em um mercado no qual 80% dos modelos vendidos no Brasil têm até 150 cm³. O seu maior atrativo é o preço sugerido: R$ 3.100 -- uma das motos mais baratas do mercado.

Para facilitar ainda mais a vida do novo motociclista, que quer fugir do trânsito e do ineficiente transporte público, o "modelito básico" da Sundown conta com câmbio rotativo de quatro marchas, painel com conta-giros e indicador de marcha, além de protetor de corrente. O design não é seu ponto forte, já que parece um modelo dos anos 70 (ou, para os mais novos, é "retrô"). Porém, tem cara de moto.
Renato Durães/Infomoto

O design da Hunter 100 mantém-se conservador (ou "retrô"); preço,
de R$ 3.100. é um dos mais baixos do mercado e seu maior atrativo
VEJA MAIS FOTOS DA SUNDOWN HUNTER 100


O propulsor monociclíndrico da Hunter 100 é um OHC (comando simples no cabeçote) de quatro tempos, refrigerado a ar, tem 97,2 cm³ de capacidade cúbica -- contra 86 cm³ da versão anterior -- e com potência máxima de 7,07 cv a 8.000 rpm. Resumindo, o motor ganhou cerca de 1 cv de potência, já que o antecessor gerava 6,2 cv.

O torque máximo também teve uma pequena melhora. Agora tem 0,66 kgfm a 6.000 rpm, acima do 0,59 kgfm a 5.500 rpm, da Hunter 90. Outra novidade é a adoção de um catalisador. Os números não impressionam, mas são suficientes para fazer a moto rodar com desenvoltura pelos corredores apertados dos grandes centros urbanos.

Renato Durães/Infomoto
Lanterna traseira da Hunter remete a moto da Honda lançada em 1976
Renato Durães/Infomoto
Suspensão tem ajuste de pré-carga da mola na traseira; pedaleira para o passageiro é fixada à balança
MAIS FOTOS DA SUNDOWN HUNTER
O motorzinho tem melhor desempenho entre a faixa de rotação que vai de 6.500 rpm até 8.000 rpm. Mas não vá esperando um rendimento de uma 125 ou 150: a Hunter 100 é um veículo de transporte para levar o piloto ao seu local de trabalho, faculdade e ao passeio no final de semana.

Pendurado no chassi monobloco, o motor posicionado horizontalmente está equipado com câmbio rotativo de quatro marchas, com embreagem de acionamento manual, similar ao utilizado na Honda Pop 100 (R$ 3.990) e Dafra Super 100 (R$ 3.290), suas principais concorrentes. O ponto alto desta motinho é sua economia de combustível, já que o modelo faz mais de 30 km/litro. Para maior conforto do piloto, a Hunter 100 traz partida elétrica como item de série. Detalhe: a moto só liga se a embreagem estiver acionada.

Ciclística
Na parte ciclística, nenhuma novidade para uma moto de receita mais que simples. O conjunto dianteiro é formado por garfo telescópico, com 105 mm de curso, e freio a tambor de 100 mm. Já a traseira, suspensão com dois amortecedores -- com cinco posições de ajuste na pré-carga da mola -- e também freio a tambor.

Para melhorar o desempenho da frenagem, a adoção do disco dianteiro deveria ser obrigatória em todo veículo de duas rodas. Porém, uma simples regulagem nos cabos de freios e ajuste na pressão da mola pode deixar a Hunter 100 mais segura de se pilotar. Outro ponto forte nesta nova versão do modelo da Sundown são os pneus Pirelli City Demon, os mesmos que equipam a Honda CG 150.

Estilo
Num estilo retrô da década de 1970, o modelo da Sundown tem pára-lamas de lata, piscas redondos com lentes brancas e lanterna traseira praticamente idêntica à da Honda CG 125, de 1976.

O banco não é um dos mais confortáveis, e sua espuma deveria ter uma maior densidade. Porém, a moto traz uma prática "churrasqueira", que serve para transportar pequenos objetos. Os comandos são espartanos, mas cumprem muito bem seu papel. Destaque para o indicador de marcha no painel. De tão simples que é o projeto, as pedaleiras do garupa são fixadas na balança.

A moto urbana básica da Sundown -- que pode ser adquirida em planos de 36 até 42 meses (financiamento), com parcelas a partir de R$ 95,00 -- tem dois anos de garantia sem limite de quilometragem.

(por Aldo Tizzani)

Compartilhe:

    Fale com UOL Carros

    SALOES