PUBLICIDADE
Topo

Airbags mortais: mais 30 milhões de carros são investigados nos EUA

Airbag deflagrado da fabricante Takata - Joe Raedle/AFP - 21.5.2015
Airbag deflagrado da fabricante Takata Imagem: Joe Raedle/AFP - 21.5.2015

Da Reuters

20/09/2021 16h35

Investigadores de segurança automotiva dos EUA abriram uma nova investigação envolvendo 30 milhões de veículos construídos por quase duas dúzias de montadoras com insufladores de airbag Takata potencialmente defeituosos, de acordo com um documento do governo visto pela Reuters no domingo.

A NHTSA (Administração Nacional de Segurança de Tráfego Rodoviário) abriu na sexta-feira uma análise de engenharia em cerca de 30 milhões de veículos nos EUA dos anos/modelo 2001 a 2019. As montadoras foram alertadas sobre a investigação, que ainda não é pública.

A nova investigação inclui veículos feitos por Honda, Ford, Toyota, General Motors, Nissan, Subaru, Tesla, Ferrari, Mazda, Daimler, BMW, Chrysler, Porsche, Jaguar Land Rover e outras.

Procuradas, as montadoras ou se recusaram a comentar antes do anúncio público esperado da NHTSA na segunda-feira, ou não responderam imediatamente aos pedidos de comentário. A NHTSA não quis comentar.

Os 30 milhões de veículos incluem os que tiveram os insufladores instalados quando foram fabricados, bem como alguns que tiveram infladores colocados em reparos de recalls anteriores, disse a NHTSA no documento.

Na última década, mais de 67 milhões de insufladores de airbag da Takata foram recolhidos nos Estados Unidos - e mais de 100 milhões em todo o mundo - no maior recall de segurança automotiva da história. Isso ocorreu porque os insufladores podem, quando utilizados, soltar estilhaços de metal mortais para cima dos passageiros.

Ao todo, pelo menos 28 mortes em todo o mundo - incluindo 19 nos Estados Unidos - ocorreram devido a insufladores Takata com defeito. Mais de 400 pessoas ficaram feridas.

Os 30 milhões de veículos que fazem parte da nova investigação possuem insufladores com um agente secante. De acordo com o documento, a NHTSA disse que não houve relatos de rupturas de veículos nas estradas com insufladores de airbag com o agente secante.

"Embora nenhum risco de segurança presente tenha sido identificado, mais trabalho é necessário para avaliar o risco futuro de insufladores dessecados não recolhidos", disse a NHTSA ao abrir sua análise de engenharia vista pela Reuters. "Mais estudos são necessários para avaliar a segurança a longo prazo dos insufladores dessecados."

A NHTSA disse que a causa das explosões do insuflador ligadas ao recall de 67 milhões de unidades que podem emitir fragmentos mortais é a decomposição de materiais após exposição de longo prazo a alta temperatura e umidade. A agência exigiu que todas as unidades Takata semelhantes sem um agente de secagem fossem retiradas do mercado.

Nos Estados Unidos, foram registradas 16 mortes em veículos Honda, duas em veículos Ford e uma em BMW, enquanto outras 9 mortes em modelos Honda ocorreram na Malásia, no Brasil e no México.

A NHTSA não divulgou uma análise de quantos veículos por fabricante são cobertos pela investigação.

A agência de segurança disse que a investigação "exigirá informações extensas sobre os processos de produção da Takata e pesquisas de insufladores no campo."

No início deste ano, a NHTSA disse que dos 67 milhões de insufladores do recall, aproximadamente 50 milhões foram reparados ou são contabilizados de outra forma.

Quer ler mais sobre o mundo automotivo e conversar com a gente a respeito? Participe do nosso grupo no Facebook! Um lugar para discussão, informação e troca de experiências entre os amantes de carros. Você também pode acompanhar a nossa cobertura no Instagram de UOL Carros.