Topo

Seu Automóvel


Seu Automóvel

Nissan: FCA não terá acesso automático a tecnologias em fusão com Renault

Fabrice COFFRINI/AFP
Nissan avalia pedir mais participação na Renault: temos recursos suficientes, diz executivo Imagem: Fabrice COFFRINI/AFP

Norihiko Shirouzu

De Pequim (China)

2019-06-03T11:18:20

03/06/2019 11h18

Resumo da notícia

  • FCA depende de motores mais eficientes para atender emissões
  • FIat Chrysler avançou pouco em eletrificação, que japoneses dominam
  • Nissan reivindica mais presença em possível nova empresa

A Nissan está otimista em relação à parceria com a Renault e a FCA (Fiat Chrysler), desde que possa proteger a propriedade da tecnologia desenvolvida ao longo de duas décadas de trabalho com a Renault, disse um executivo à "Reuters".

O executivo, que se recusou a ser identificado por não estar autorizado a falar com a mídia, disse estar cautelosamente otimista quanto à possibilidade de gerar "sinergias" compartilhando o know-how de condução autônoma, eletrificação e tecnologias de redução de emissões da Nissan.

Mas ele disse que a possível fusão de US$ 35 bilhões da Renault e da FCA não daria à segunda o direito automático de usar essas tecnologias, que precisa atender a rigorosas regulamentações de emissões e competir melhor em uma indústria que está sendo transformada por veículos elétricos.

Ele também sugeriu que a Nissan poderia ampliar sua participação na Renault, ou na fusão da Renault-FCA, para ganhar mais voz na construção do futuro da aliança.

"Continuaríamos em parceria ou cooperando com a FCA apenas se pudermos garantir benefícios tangíveis do compartilhamento de tecnologias com a FCA e somente se pudermos descobrir condições que sejam satisfatórias para nós", disse o executivo, baseado em Yokohama (Japão).

"Se a Renault quiser fazer esse acordo, achamos que precisamos olhar seriamente para apoiá-los", disse ele.

Os comentários do executivo destacam como a Nissan poderia alavancar sua avançada tecnologia para obter maior poder de barganha com a fusão da Renault-FCA. A Renault é a maior acionista da Nissan, com uma participação de 43,4%, enquanto a Nissan detém 15% de participação sem direito a voto na montadora francesa. Essa parceria desigual há muito tempo tem irritado a Nissan, que é de longe a maior empresa.

Um porta-voz da Nissan se referiu a um comunicado divulgado hoje (3), no qual Hiroto, o Saikawa presidente-executivo da Nissan, disse: "Acredito que o potencial acréscimo da FCA como novo membro da aliança poderia ampliar o campo de colaboração e criar novas oportunidades para novas sinergias. .

"Dito isso, a proposta atualmente em discussão é uma fusão completa que, se concretizada, alteraria significativamente a estrutura de nossa parceira Renault. Isso exigiria uma revisão fundamental da relação existente entre a Nissan e a Renault ", disse Saikawa, acrescentando que a Nissan analisaria e consideraria suas" relações contratuais existentes ".

Maior participação na Renault?

Se a tecnologia sozinha não der à Nissan uma alavancagem suficiente para negociar com a Renault e a FCA, o executivo disse que a Nissan poderia considerar aumentar sua participação na Renault ou na fusão da FCA-Renault para ganhar mais influência.

O executivo disse que a Nissan tem recursos financeiros e outros recursos suficientes para perseguir tal opção, mas se recusou a comentar mais.

Há mais de um ano, a Nissan iniciou um estudo inicial sobre os possíveis benefícios da adição da FCA à aliança Renault-Nissan, iniciada com a instrução do ex-presidente Carlos Ghosn, disse o executivo.

"Não há dúvida de que há potencialmente muitas oportunidades para a Nissan compartilhar tecnologia com a FCA", disse o executivo, referindo-se ao estudo.

Como exemplos, ele apontou para o negócio de caminhonetes nos Estados Unidos com as marcas Dodge e Nissan, bem como a possibilidade de compartilhar com as marcas Jeep e Alfa Romeo a tecnologia avançada de motores a gasolina que a Nissan está usando na Infiniti, sua marca premium.

A FCA está discutindo um dividendo especial da Renault e garantias de emprego mais fortes em uma tentativa de persuadir o governo francês a apoiar sua proposta de fusão entre as montadoras, informou a "Reuters".

O acordo criaria a terceira maior montadora do mundo, mas também levanta questões difíceis sobre como a Nissan se encaixaria em uma aliança radicalmente alterada.

Apesar de ser parceiro de longa data da aliança, o executivo observou que a Nissan foi completamente pega de surpresa pelas notícias do acordo da FCA. "A Renault não nos deu um bom aviso e isso não deveria ter sido assim."

Ainda assim, ele estava otimista de que uma aliança ampliada poderia funcionar, pelo menos da perspectiva da Nissan de compartilhar sua tecnologia.

"Cozinhar uma refeição para três ou quatro não é tão diferente", disse ele.

Quer ler mais sobre o mundo automotivo e conversar com a gente a respeito? Participe do nosso grupo no Facebook! Um lugar para discussão, informação e troca de experiências entre os amantes de carros. Você também pode acompanhar a nossa cobertura no Instagram de UOL Carros.

Mais Seu Automóvel