Topo

Mobilidade


Táxi da Toyota se torna um "símbolo caro" dos Jogos Olímpico de Tóquio-2020

Tim Kelly e Naomi Tajitsu

Em Tóquio (Japão)

22/05/2019 14h51

Resumo da notícia

  • Táxi do Japão, produzido pela Toyota, custa em torno de US$ 32 mil
  • Operadores de táxi temem os custos do veículo após o fim dos subsídios
  • Carro moderno tranporta cadeira de rodas e viajantes de todos os tamanhos

O táxi da Toyota, criado em um comitê do governo e projetado para ser um transporte "tudo para todos", se tornou um ícone caro do criticado orçamento de Tóquio para os Jogos Olímpicos e Paraolímpicos de 2020.

Lançado em 2017, o carro índigo é a realização de um projeto do governo para colocar um táxi nas ruas do Japão que poderia transportar usuários de cadeira de rodas, viajantes carregados de bagagens e visitantes estrangeiros de todos os tamanhos.

Ele inclui uma rampa para cadeiras de rodas, assentos aquecidos, carregadores de smartphones, uma variedade de sensores anticolisão e até mesmo ar-condicionado para matar vírus. Mas o táxi de gás e baterias não sai barato, sendo vendido por 3,5 milhões de ienes (US$ 31.786,40) -- quase um terço a mais do que o substituído modelo Crown.

"Queríamos construir algo que tentasse agradar o maior número de pessoas possível", disse Hiroshi Kayukawa, engenheiro-chefe que supervisionou o desenvolvimento da "Táxi do Japão" (JPN Taxi), à Reuters na sede da Toyota em Toyota City.

O esforço não foi sem algumas viradas erradas. Muitos motoristas reclamaram que a rampa da cadeira de rodas do "Táxi do Japão" era desajeitada e demorou muito para ser usada. Os operadores se preocupam com os custos depois que os subsídios do Ministério do Transporte expirarem.

E o complexo design do táxi -- concebido por um comitê do Ministério dos Transportes com representantes de montadoras, empresas de táxi e defensores dos deficientes -- afugentou pelo menos uma tentativa de exportá-lo.

"Eu daria 70 de 100", disse Hiroaki Kaneko, motorista veterano de 20 anos da Hinomaru Kotsu, uma das principais empresas de táxi de Tóquio. "Como um táxi universal eu daria 50".

A Toyota espera que o brilho olímpico ajude a substituir um terço dos 30 mil táxis de Tóquio antes dos Jogos. O evento, que começa em julho de 2020, deve custar mais que o dobro da estimativa inicial de 734 bilhões de ienes (US$ 6,67 bilhões).

"Achamos que as Olimpíadas seriam uma boa maneira de aumentar o apelo do carro. Queremos adotá-lo o mais rápido possível ", disse Kayukawa.

Newspress
Imagem: Newspress
Viagem olímpica

Uma corrida de encomendas pré-olímpicas para a cabine está ajudando a Toyota a gerar vendas para o que a empresa diz ser um projeto deficitário.

Apenas 2 mil "Táxis do Japão" são construídos a cada mês, muito abaixo do número que a Toyota normalmente considera viável, e uma pequena fração dos 28 mil carros que a empresa produz todos os dias no mundo.

Um porta-voz disse que a justificativa da empresa para o projeto não era lucro, mas "contribuir para a criação de uma sociedade rica, apoiando o movimento de muitas pessoas com táxis".

Os subsídios do governo estão incentivando as empresas de táxi a comprar os veículos.

Hinomaru Kotsu já substituiu metade dos seus 620 táxis. Em setembro, dois terços da frota serão os "Táxis do Japão", disse Satoshi Touma, responsável pela administração de veículos.

O Hinomaru, como outros operadores, recebe um pagamento de táxi universal do Ministério dos Transportes e um subsídio de veículo ecológico do governo metropolitano de Tóquio. Combinados, cobrem a maior parte do custo extra do táxi, disse Touma.

Mas esses subsídios "desaparecerão assim que as Olimpíadas terminarem", acrescentou Touma.

No exterior, o preço não subsidiado do "Táxi do Japão" dissuadiu o gigante chinês Didi Chuxing, segundo um executivo da Toyota informou à Reuters.

Didi, que "amava o fato de que você pode levar sua pequena mala diretamente" e outros recursos projetados, perguntou à Toyota sobre o táxi no ano passado, disse a fonte. Mas decidiu que era muito difícil reduzir o projeto e reduzir custos, disse o executivo, que não estava autorizado a falar com a mídia e pediu anonimato.

Issei Kato/Reuters
Imagem: Issei Kato/Reuters
Tour Tokyo

A Toyota e as autoridades japonesas promoveram o "Táxi do Japão" como um meio de proporcionar acessibilidade para os deficientes físicos no Japão para os Jogos Paraolímpicos.

Em um dia chuvoso em março, a Organização Nacional de Turismo do Japão enviou dois táxis para levar o americano Daniel Romanchuk e o canadense Josh Grisdale, um promotor de turismo com deficiência, em uma viagem por Tóquio.

Romanchuk, que acabara de competir na Maratona de Tóquio, geralmente arruma sua cadeira de rodas no porta-malas quando pega um táxi, disse sua mãe, Kim. O "Táxi do Japão" permitiu que ele rolasse sua cadeira de rodas para dentro, mas ele teve que esperar na chuva enquanto o motorista ligava a rampa dobrável.

Grisdale, que usa uma cadeira de rodas elétrica mais alta e mais volumosa que é difícil de encaixar no Táxi do Japão, viajou em uma van especializada.

"É difícil encontrar uma solução única. Há muitas variáveis", disse a mãe de Romanchuk.

A rampa complicada prejudicou a imagem amigável do táxi, e a equipe de Kayukawa redesenhou-a depois que os motoristas reclamaram que era difícil de implantar.

"Nós provavelmente superamos isso", ele disse.

Seus engenheiros assumiram que a rampa raramente seria usada e decidiram que poderia ser guardada no porta-malas. Eles não convidaram motoristas para testá-lo antes do início da produção, acrescentou Kayukawa.

A nova rampa maior é agora armazenada sob o banco do passageiro traseiro.

Eugênio Augusto Brito/UOL
Imagem: Eugênio Augusto Brito/UOL
Ainda feliz

A Hinomaru gosta dos Táxis do Japão porque consome metade do combustível dos veículos mais antigos e seus sensores anticolisão reduzem os acidentes em 10%.

Isso significa mais lucro em meio a preocupações com concorrentes como a Didi Chuxing e a Uber Technologies, parceira da Toyota no desenvolvimento de serviços de compartilhamento de carros.

A Toyota fez outros ajustes quando abordou o problema da rampa da cadeira de rodas. Também fez com que a porta deslizante automática do passageiro fechasse 1,5 segundo mais rápido, reduzisse o ruído do limpador do para-brisa traseiro com uma configuração intermitente e abaixasse a bandeja de dinheiro no banco do motorista para reduzir a tensão no ombro.

Quando as Olimpíadas terminarem, Kaneko e Touma gostariam que a Toyota fizesse outras mudanças, incluindo um porta-malas mais espaçoso, um tanque de combustível maior e janelas de passageiros que se abrem.

O Ministério dos Transportes, Terra e Infraestrutura diz que há mais trabalho a ser feito no projeto de táxi universal.

"Gostaríamos de ver um outro veículo que preenche uma lacuna entre a "Táxi do Japão" e as cadeirantes de cadeira de rodas mais especializadas", disse Daisuke Kakuya, representante da seção automotiva.

Mais Mobilidade