Topo

Fora da caixa: 4 carros pouco lembrados e que são boas opções de compra

VW Taos Comfortline 2022 Imagem: José Antonio Leme/UOL
só para assinantes

Julio Cabral

Do UOL, em São Paulo

25/06/2022 04h00Atualizada em 07/07/2022 15h42

O índice de carros, SUVs e picapes mais vendidos é algo que chama atenção no mercado e aumenta a receptividade desses modelos.

Mas será que você tem que se prender a esses números ou pode comprar outras opções que são boas, porém, não têm o mesmo sucesso? UOL Carros reuniu quatro veículos de variados estilos que são boas alternativas na hora de trazer um novo veículo para sua garagem.

Volkswagen Taos

Importado da Argentina, o Taos é disputado nas concessionárias. Contudo, o ritmo de vendas fica condicionado aos lotes que estão sendo trazidos. É por isso que o VW não consegue alçar voos maiores.

Vamos aos números no acumulado da Fenabrave até maio. Mais vendido entre os SUVs médios, o Jeep Compass teve 24.925 emplacamentos neste período, contra 3.064 do Taos. Uma diferença e tanto para um produto que pode concorrer em pé de igualdade com outros utilitários mais vendidos, entre eles o Toyota Corolla Cross.

Credenciais para isso ele tem. Rival da configuração Highline do VW T-Cross, o Taos Comfortline pode ser uma ótima saída para quem ficou em dúvida entre um e outro, embora a diferença de preço chegue a quase R$ 18 mil.

Volkswagen Taos pode até ser opção ao T-Cross Highline Imagem: Divulgação

O motor é basicamente o mesmo do primo menor: o bom 1.4 TSI de 150 cv e 25,5 kgfm, que vem associado ao câmbio automático de seis marchas. A tração é sempre dianteira, algo que o diferencia do Jeep, pois o Compass também tem opção de tração integral.

Seu desempenho é bom para a classe, sem ficar distante do mais forte Jeep Compas (185/180 cv e 27,5 kgfm), capaz de ir de 0 a 100 km em 9,4 s e chegar aos 206 km/h (com etanol), face 9,3 s e 194 km/h do VW, que leva vantagem no peso de 1.420 kg, contra 1.589 kg. Isso ajuda a equilibrar as coisas.

E quanto ao espaço? Os passageiros vão melhor nos 2,69 m do Taos do que nos 2,63 m do Compass, que reserva uma pegadinha no porta-malas de 476 l, mas que é medido pelo volume de água que comporta, enquanto o VW entrega 498 l na medida feita no padrão mais corrente de medição, que é feito com bloquinhos.

Citroën C4 Cactus

O Citroën C4 Cactus deixou de ser o único modelo da marca produzido em Porto Real, no Rio de Janeiro. Embora o novo C3 seja a menina dos olhos da atual fase do fabricante, o SUV compacto é um carro que poderia vender mais. Na comparação com o Volkswagen T-Cross, que lidera o segmento com suas 26.563 vendas, o franco fluminense teve somente 6.954.

Citroën C4 Cactus é pequeno em espaço e porta-malas, mas se destaca pelo 1.6 THP Imagem: Divulgação

Um deles é a mecânica. Nem tanto pelo motor 1.6 aspirado, que rende 118/115 cv e 16,1 kgfm (etanol/gasolina), e vem nas configurações que vão do Live ao Shine. A grande vedete é o 1.6 THP de 173/166 cv e 24,5 kgfm a 1.440 rpm.

É força de fritar os pneus dianteiros: 0 a 100 km/h em 7,7 segundos (com o combustível vegetal) e velocidade máxima de 212 km/h. Estamos falando de um SUV mais rápido que o VW Polo GTS, que cumpre a mesma prova de aceleração em 8,4 s e chega aos 207 km/h.

A configuração top custa R$ 138.990 e conta com os assistentes de alerta de saída de faixa, sistema de frenagem automática e alerta de colisão. Um pacote que poderia ser mais completo, mas não destoa muito dos rivais.

Há pontos negativos. Com seus 2,60 metros de entre-eixos, o espaço para quatro adultos até que vai, no entanto, o porta-malas de 320 litros é muito pequeno para a classe.

Chevrolet Cruze Sedan

Você pensou em Toyota Corolla? Acho que é inevitável, uma vez que o sedã médio lidera com folga o tão desabitado segmento. Foram 17.002 unidades no acumulado do ano, enquanto o Chevrolet Cruze Sedan bateu em 3.889. O rival menos vendido bem que poderia ter sucesso maior, a despeito de estar no final de vida.

Chevrolet Cruze vem com motor 1.4 turbo em todas as versões Imagem: Divulgação

Há bons argumentos. A começar pela motorização 1.4 turbo de 153/150 cv e torque de 24,5 kgfm, bem mais forte e esperto do que o 2.0 aspirado de 177 cv e 21,4 kgfm. Sua aceleração de 0-100 km/h em 9 s e velocidade final de 214 km/h - a Toyota não divulga os números de desempenho em seu material oficial.

Ainda mais fundamental em um sedã, o espaço interno é beneficiado pelo entre-eixos de 2,70 m, que se soma ao porta-malas de 440 litros - poderia ser maior. Entre os itens de série, se destaca o wi-fi a bordo. Agora, se você deseja o Corolla Hybrid, não encontrará rivais em sua faixa de preço.

Renault Oroch

É difícil competir em um nicho próprio de mercado: picapes médias quase pequenas. Seria algo assim, pois a Oroch fica entre a Fiat Strada e Toro em tamanho. São 4,71 metros de comprimento e 2,82 m de entre-eixos. As rivais ficam entre 4,48 m/2,73 m e 4,94 m/2,98 m, respectivamente.

O resultado nas lojas favorece a marca italiana. A Strada tem acumulado de 11.217 vendas, enquanto a Toro chegou a 10.345 unidades, um senhor banho quando vemos os 849 carros da Oroch.

Mesmo que não seja bem vendida, a Oroch também fica próxima da Strada em preço. A versão básica Pro dispensa rodas de liga e outros itens para custar R$ 108.800, contra R$ 97.073 da Fiat na configuração Endurance, que conta com cabine simples e é movida pelo antigo motor 1.4 de 88/85 cv e 12,5/12,4 kgfm. Já a Oroch de entrada e intermediária são movidas pelo veterano 1.6 de 120/118 cv e 16,2 kgfm, o que dá a ela uma vantagem em desempenho nas acelerações (11,8 s/169 km/h, versus 12,3/157 km/h.

Renault Oroch tem motor 1.3 turbo, contra o 1.3 aspirado da Strada Imagem: Divulgação

A diferença mesmo está entre as versões mais caras. A Oroch aposta no novo 1.3 turbo de 170/163 cv e 27,5 kgfm, que basta para ir de 0-100 km/h em 9,9 segundos e chegar a 189 km/h. As Stradas mais caras têm apenas o motor 1.3 de 107/98 cv e 13,7/13,2 kgfm, o que baixa esses números para 12,9 s e 165 km/h - sempre com etanol. Ambas contam com câmbio automático do tipo CVT, mas a Strada também tem manual.

Os preços são equilibrados. A Strada Volcano é a mais cara da gama, e chega aos R$ 127.882. Se comparada a Oroch Outsider de 140.990, parece um bom posicionamento, entretanto, temos que lembrar que a picape da Renault é maior e mais rápida.

Embora a cabine dupla de série faça diferença no conforto, o fato é que a Strada também ter cabine simples a deixa em uma posição de vantagem para aqueles que buscam usá-la no trabalho. São 1.354 litros na caçamba da Fiat, que, por sua vez, leva até 720 kg de carga total (incluindo tudo), em comparação aos 683 litros e 650/680 kg da Renault, que também perde para a competidora cabine dupla, que possui 884 litros, mas fica para trás na carga de 600 kg.

Quer ler mais sobre o mundo automotivo e conversar com a gente a respeito? Participe do nosso grupo no Facebook! Um lugar para discussão, informação e troca de experiências entre os amantes de carros. Você também pode acompanhar a nossa cobertura no Instagram de UOL Carros.

Comunicar erro

Comunique à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Fora da caixa: 4 carros pouco lembrados e que são boas opções de compra - UOL

Obs: Link e título da página são enviados automaticamente ao UOL


Lançamentos e mercado